Manejo pré-hospitalar de crises em pacientes pediátricos: diretrizes usando a metodologia GRADE / PDF

Crises epilépticas em pacientes pediátricos: muitos socorristas terão que lidar com esse tipo de emergência e lidar com a preocupação da criança e familiares

Propomos uma interessante diretriz baseada em evidências para o manejo de crises pré-hospitalares pediátricas usando a metodologia GRADE

O objetivo desta diretriz é recomendar práticas baseadas em evidências para a cessação oportuna de convulsões pediátricas pré-hospitalares, evitando depressão respiratória e recorrência de convulsões.

Um painel multidisciplinar foi escolhido com base na experiência em medicina de emergência pediátrica, medicina pré-hospitalar e/ou desenvolvimento de diretrizes baseadas em evidências.

O painel seguiu o Modelo Nacional de EBG Pré-hospitalar usando a metodologia GRADE para formular perguntas, recuperar evidências, avaliar as evidências e formular recomendações.

Os membros do painel pesquisaram inicialmente a literatura em 2009 e atualizaram suas pesquisas em 2012.

O painel finalizou um rascunho de um algoritmo de atendimento ao paciente em 2012, que foi apresentado às organizações interessadas para coletar feedback para as revisões necessárias.

As convulsões pediátricas são uma condição de alta incidência no ambiente pré-hospitalar, e a potencial morbidade e mortalidade de convulsões mal tratadas e suas sequelas podem ser substanciais se não forem tratadas rapidamente.1

O manejo de crises pré-hospitalares pediátricas é caracterizado pela variabilidade nos cuidados relacionados à exposição infrequente dos profissionais a crianças, dificuldade em manter habilidades e conhecimento limitado de pediatria.2–8

Os provedores pré-hospitalares podem ter mais dificuldade em obter acesso intravenoso (IV) rapidamente em crianças em relação aos adultos,9,10 e o estresse de lidar com crianças criticamente doentes representa um desafio adicional.11,12

Embora existam estudos de alta qualidade para orientar o manejo de pacientes adultos com convulsões no ambiente pré-hospitalar,12,13 mais pesquisas são necessárias para orientar a prática do manejo de convulsões pediátrica no ambiente pré-hospitalar.14

O Institute of Medicine (IOM) e o National Emergency Medical Services (EMS) Research Agenda enfatizam a importância de diretrizes baseadas em evidências (EBG) para fornecer auxílios sistemáticos para a tomada de decisões médicas complexas em todo o continuum de cuidados de saúde, com o potencial de melhorar qualidade e resultados dos cuidados de saúde.15a,b,c,d,16,17

No entanto, uma revisão de dez amostras de protocolos estaduais para gerenciamento de convulsões pelo grupo investigador encontrou uma variação geral substancial na prática, em termos de seleção de medicamentos e modo de administração.

Dada a alta incidência, morbidade potencial e ampla variação de prática associada a convulsões pré-hospitalares pediátricas, existe a necessidade de uma diretriz baseada em evidências para informar o manejo

Usando a metodologia GRADE (Graus de Recomendação, Avaliação, Desenvolvimento e Avaliação), a Administração Nacional de Segurança no Trânsito Rodoviário (NHTSA) e o Programa de Serviços Médicos de Emergência para Crianças (EMSC) no piloto da Administração de Serviços de Recursos de Saúde (HRSA) testaram o National Highway Traffic Safety Administration (HRSA) Modelo de EBG pré-hospitalar para o desenvolvimento de uma diretriz de convulsão pediátrica.16–19

Diretrizes para o manejo de pacientes pediátricos com crises epilépticas: conclusões do estudo

Usando a metodologia GRADE, desenvolvemos uma diretriz pediátrica para convulsões que enfatiza o papel da glicometria capilar e o uso de benzodiazepínicos bucais, IM ou intranasais nas vias IV ou retal.

Pesquisas futuras são necessárias para comparar a eficácia e segurança dessas vias de medicação.

Leia o artigo completo sobre convulsões em pacientes pediátricos:

Uma Diretriz Baseada em Evidências para o Gerenciamento de Convulsões Pré-Hospitalares Pediátricas Usando a Metodologia GRADE

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Conselho Europeu de Ressuscitação (ERC), Diretrizes 2021: BLS - Suporte Básico de Vida

Síndrome Neuropsiquiátrica Infantil de Início Agudo Pediátrico: Diretrizes para Diagnóstico e Tratamento das Síndromes PANDAS / PANS

Primeiras diretrizes para o uso de ECMO em pacientes pediátricos submetidos a transplante de células-tronco hematopoéticas

Fonte:

Centro de Inovação e Melhoria de Serviços Médicos de Emergência para Crianças

Referências:

  • Sem-pé JWTratamento do estado de mal epiléptico em crianças. Pediatra Ann. 200433 (6):376-83. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Gausche Hill MEducação continuada pediátrica para prestadores de serviços extra-hospitalares: é hora de exigir a revisão do conhecimento e habilidades pediátricas? Ann Emerg Med. 200036 (1):72-74. [Google Scholar]
  • Óculos PWLinzer Jtúnica MGHenderson DPBola JPesquisa de prestadores de serviços médicos de emergência registrados nacionalmente: educação pediátrica. Ann Emerg Med. 200036 (1):33-38. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Gausche Hill MHenderson DPBrownstein DFoltin GLA educação do pessoal médico de emergência extra-hospitalar em pediatria: relatório de uma força-tarefa nacional. Pré-Hosp Emerg Care. 19982 (1):56-61. [Google Scholar]
  • Su EMann NCMcCall MHedges JRUso de habilidades de ressuscitação por paramédicos que cuidam de crianças gravemente feridas em Oregon. Pré-Hosp Emerg Care. 19971 (3):123-127. [Taylor & Francis Online][Google Scholar]
  • Su ESchmidt TAMann NCZéchnich ADUm estudo controlado randomizado para avaliar a deterioração do conhecimento adquirido entre paramédicos que completam um curso de ressuscitação pediátrica. Acad Emerg Med. 20007 (7):779-786. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Lammers RLByrwa MJFales WDRobusto RAAvaliação baseada em simulação de habilidades de ressuscitação pediátrica paramédica. Pré-Hosp Emerg Care. 200913 (3):345-356. [Taylor & Francis Online][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Xá MNCushman JTDavis COBazar JJAuinger PFriedman BA epidemiologia do uso de serviços médicos de emergência por crianças: uma análise do inquérito nacional de assistência médica ambulatorial hospitalar. Pré-Hosp Emerg Care. 200812 (3):269-76. [Taylor & Francis Online][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Sampalis JSO caminho AWilliams JIMulder DSKalina MImpacto do atendimento no local, tempo pré-hospitalar e nível de atendimento hospitalar na sobrevida de pacientes gravemente feridos. J Trauma. 199334 (2):252-61. [Crossref][PubMed][Google Scholar]
  • Lillis KAJaffe DMAcesso intravenoso pré-hospitalar em crianças. Ann Emerg Med. 199221 (12):1430-4. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Lammers RByrwa MFales WCausas raiz de erros em uma emergência pediátrica pré-hospitalar simulada. Acad Emerg Med. 201219 (1):37-47. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Alldredge BKAmarelo AMIsaacs SMCorry MDAllen FUlrich SGottwald MDO'Neil NNeuhaus JMSegal MRLowenstein DHUma comparação de lorazepam, diazepam e placebo para o tratamento do estado de mal epiléptico fora do hospital. N Engl J Med. 2001345 (9):631-7. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Silbergleit RDurkalski VLowenstein DConwit RPancioli APalesch YBarsan W; Investigadores da NET. Terapia intramuscular versus intravenosa para estado de mal epiléptico pré-hospitalar. N Engl J Med. 2012366 (7):591-600. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Foltin GLDayan Ptúnica MMarr MLeonard JBrown KHoyle JLerner EBGrupo de Trabalho Pré-Hospitalar da Rede de Pesquisa Aplicada à Emergência Pediátrica. Prioridades para a pesquisa pré-hospitalar pediátrica. Pré-Hosp Emerg Care. 2010;26(10)773-7. [Google Scholar]
  • Instituto de Medicina (EUA) Comitê de Padrões para o Desenvolvimento de Diretrizes de Práticas Clínicas Confiáveis. Diretrizes de prática clínica em que podemos confiarWashington, DCA Imprensa das Academias Nacionais2011. [Google Scholar]
  • Administração Nacional de Segurança no Trânsito Rodoviário. Agenda Nacional de Pesquisa EMSDepartamento de Transportes dos EUAWashington, DC2001. Disponível em www.ems.gov/pdf/EMS ResearchAgenda.pdf. Acessado em fevereiro 4, 2013. [Google Scholar]
  • Instituto de Medicina (EUA) Comitê sobre o Futuro dos Cuidados de Emergência no Sistema de Saúde dos Estados Unidos. Serviços de emergência médica: na encruzilhadaWashington, DCA Imprensa das Academias Nacionais2006. [Google Scholar]
  • Lang ESSpaite DWOliver ZJGotschall CSJuramento RADawson DECaça RCUm modelo nacional para desenvolver, implementar e avaliar diretrizes baseadas em evidências para atendimento pré-hospitalar. Acad Emerg Med. fevereiro 2012; 19(2): 201-9. [Google Scholar]
  • Brozek JLAkl EAAlonso-Coello PLang DJaeschke RWilliams JWPhillips BLelgemann MLethaby ABousquet JGuyatt GHSchunemann HJ; Grupo de Trabalho GRADE. Classificação da qualidade da evidência e força das recomendações nas diretrizes de prática clínica, parte 1 de 3: uma visão geral da abordagem GRADE e classificação da qualidade da evidência sobre intervenções. Alergia. 200964 (5):669-77. [Google Scholar]
  • Brozek JLAkl EAJaeschke RLang DMBossuyt PGlasziou PHelfand MUeffing EAlonso-Coello PMeerpohl JPhillips BHorvath ARBousquet JGuyatt GHSchunemann HJ; Grupo de Trabalho GRADE. Classificação da qualidade da evidência e força das recomendações nas diretrizes de prática clínica, parte 2 de 3: a abordagem GRADE para classificar a qualidade da evidência sobre testes e estratégias de diagnóstico. Alergia. 200964 (8):1109-16. [Google Scholar]
  • Guyatt GHOxman ADKunz RJaeschke RHelfand MLiberati AVist GESchunemann HJGrupo de Trabalho GRADE. Incorporando considerações de uso de recursos nas recomendações de avaliação. BMJ. 2008336 (7654):1170-3. [Google Scholar]
  • Schünemann HJOxman ADBrozek JGlasziou PJaeschke RVist GEWilliams JWKunz RCraig JMontori VMBossuyt PGuyatt GH; Grupo de Trabalho GRADE. Classificação da qualidade da evidência e força das recomendações para testes e estratégias de diagnóstico. BMJ. 2008; 336(7653):1106-10. [Google Scholar]
  • Grupo de Trabalho de Graus de Recomendação, Avaliação, Desenvolvimento e Avaliação (GRADE). Classificando a qualidade da evidencia e a força das recomendações. BMJ. 2004328:1490-4. [Google Scholar]
  • Jaeschke RGuyatt GHDellinger PSchunemann HCobrança MMKunz RNorris SBion J; Grupo de Trabalho GRADE. Uso da grade GRADE para tomar decisões sobre diretrizes de prática clínica quando o consenso é ilusório. BMJ. 2008337:327-30. [Crossref][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Brown KMMacias CGDayan PSXá MIWeik TSWright JLLang ESO desenvolvimento de diretrizes pré-hospitalares baseadas em evidências usando a metodologia GRADE. Pré-Hosp Emerg Care. 2014; na imprensa. [Google Scholar]
  • Vilke GMCastelo EMRaio LUMurrin PAChan TCAvaliação da monitorização pediátrica da glicose e terapia hipoglicemiante no campo. Pediatr Emerg Care. 200521 (1):1-5. [Google Scholar]
  • Medo DLChan LLutz NVerdile VPComparação das medidas de glicose capilar e venosa em voluntários saudáveis. Pré-Hosp Emerg Care. 20015 (3):275-7. [Taylor & Francis Online][Google Scholar]
  • Desachy AVuagnat ACGhazali ADBaudin OTLonguete OHCalvat SNGissot VAcurácia da glicometria à beira do leito em pacientes críticos: influência das características clínicas e do índice de perfusão. Mayo Clin Proc. 200883 (4):400-5. [Google Scholar]
  • Holstein AKuhne DElsing HGThiessen EPlaschke AWidjaja APássaro MYEgberts EHPraticidade e precisão da determinação rápida de glicemia venosa pré-hospitalar. Am J Emerg Med. 200018 (6):690-4. [Google Scholar]
  • Kulkarni ASaxena MPreço GO"Leary MJJacques TMyburgh JAAnálise das medidas de glicemia usando amostras de sangue capilar e arterial em pacientes de terapia intensiva. Terapia Intensiva Med. 200531 (1):142-5. [Google Scholar]
  • Kumar Gsng BLKumar SCorrelação da glicometria capilar e venosa com a determinação laboratorial. Pré-Hosp Emerg Care. 20048 (4):378-83. [Taylor & Francis Online][Google Scholar]
  • Jones JLRaio VGGough JEGuarnição HGWhitley TWDeterminação da glicemia pré-hospitalar: um estudo prospectivo e controlado. J Emerg Med. 199210 (6):679-82. [Google Scholar]
  • Holstein APlaschke APássaro MYEgberts EHManejo pré-hospitalar de emergências diabéticas – um estudo de intervenção de base populacional. Acta Anesthesiol Scand. 200347 (5):610-5. [Google Scholar]
  • Roberts Kferreiro AResultado de pacientes diabéticos atendidos na arena pré-hospitalar após um episódio de hipoglicemia e uma exploração de protocolos de tratamento e liberação: uma revisão da literatura. Emerg J Med. 200320 (3):274-6. [Google Scholar]
  • Esporo KAJohnson NJAnálise detalhada das intervenções pré-hospitalares nos determinantes do sistema de despacho médico prioritário. West J Emerg Med. 201112 (1):19-29. [Google Scholar]
  • Caim EAckroyd-Stolarz SAlexiadis PMurray DHipoglicemia pré-hospitalar: a segurança de não transportar pacientes tratados. Pré-Hosp Emerg Care. 2003;7(4)458-65. [Taylor & Francis Online][Google Scholar]
  • Richard JOsmond MHNesbitt LStiel IGManejo e resultados de pacientes pediátricos transportados por serviços médicos de emergência em um sistema pré-hospitalar canadense. Pode J Emerg Med. 20068 (1):6-12. [Crossref][Google Scholar]
  • Deasy CRyan DO'Donnell CCusack SO impacto de uma unidade de atendimento médico pré-hospitalar no atendimento ao paciente e no pronto-socorro. Ir Med J. 2008101 (2):1-2. [Google Scholar]
  • Babl FEVinci RJBauchner HMottley LCuidados de suporte avançado de vida pré-hospitalar pediátrico em um ambiente urbano. Pediatr Emerg Care. 200117 (1):5-9. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Schwartz DEmir LDichter RFigenberg ZO uso de um dispositivo motorizado para administração intraóssea de medicamentos e fluidos em um SME nacional: experiência de 4 anos. J Trauma. 200864 (3):650-5. [Google Scholar]
  • Liberman MMulder DSampalis JSuporte avançado ou básico de vida no trauma: metanálise e revisão crítica da literatura. J Trauma. 200049 (4):584-99. [Google Scholar]
  • Hartholt KAvan Lieshout EMThies WCAlça PSchipper IBDispositivos intraósseos: um estudo controlado randomizado comparando três dispositivos intraósseos. Pediatr Emerg Care. 201014 (1):6-13. [Taylor & Francis Online][Google Scholar]
  • Gerritse BMScheffer GJDraaisma JMAcesso intraósseo pré-hospitalar com pistola de injeção óssea por equipe médica de emergência transportada por helicóptero. J Trauma. 200966 (6):1739-41. [Google Scholar]
  • Gerritse BMSchalkwijk APelzer BJDraaisma JMProcedimentos avançados de suporte médico à vida em crianças com vitalidade comprometida por um serviço médico de emergência de helicóptero. BMC Emerg Med. 201010:6. [Google Scholar]
  • Zarate LMandleco BWilshaw RRavert PCateteres intravenosos periféricos iniciados em ambientes pré-hospitalares e de pronto-socorro. J Traumatologia. 200815 (2):47-52. [Google Scholar]
  • Frascone RJJensen JWewerka SSSalzman JGUso da agulha pediátrica EZ-IO por prestadores de serviços médicos de emergência. Pediatr Emerg Care. 200925 (5): 329-32. [Google Scholar]
  • de Caen AAcesso venoso na criança criticamente doente. Pediatr Emerg Care. 200723 (6):422-7. [Google Scholar]
  • Tobias JDRoss AKInfusões intraósseas: uma revisão para o anestesiologista com foco no uso pediátrico. Anesth Analg. 2010110 (2):391-401. [Google Scholar]
  • Nicholl JHughes SDixon STorneiro JYates DOs custos e benefícios da habilidade paramédica no atendimento pré-hospitalar ao trauma. Avaliação Tecnológica em Saúde. 19982 (17):1-72. [Google Scholar]
  • De Lourenço RAAbbott CAEfeito de um programa de educação continuada focado e direcionado na manutenção de habilidades pré-hospitalares em áreas-chave de ressuscitação. J Emerg Med. 200733 (3): 293-7. [Google Scholar]
  • Lamhaut LDagron CComparação do acesso intravenoso e intraósseo por equipes de emergência médica pré-hospitalar com e sem equipamento de proteção QBRN. Ressuscitação. 201081 (1):65-8. [Google Scholar]
  • Arya RGulati SKabra MSahu JKKalra VLorazepam intranasal versus intravenoso para controle de convulsões agudas em crianças: um estudo randomizado aberto. Epilepsia. 52(4):788-93. [Google Scholar]
  • Muchohi SNKokwaro GOOgutu BREdwards GEnfermaria SANewton CRFarmacocinética e eficácia clínica do midazolam em crianças com malária grave e convulsões. Br J Clin Pharmacol. 200866 (4):529-38. [Google Scholar]
  • Muchohi SNObiero KNewton CROgutu BREdwards GKokwaro GOFarmacocinética e eficácia clínica do lorazepam em crianças com malária grave e convulsões. Br J Clin Pharmacol. 65(1):12-21. [Google Scholar]
  • Mahmoudian TZadeh MMComparação de midazolam intranasal com diazepam intravenoso no tratamento de convulsões agudas em crianças. Comportamento Epilepsia. 20045 (2):253-5. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Talukdar BChakrabarty BEficácia do midazolam bucal comparado ao diazepam intravenoso no controle de convulsões em crianças: um ensaio clínico randomizado. Cérebro Dev. 200931 (10):744-9. [Google Scholar]
  • Vilke GMSharieff GQMarinha AGerhart AEChan TCMidazolam para o tratamento de convulsões pediátricas fora do hospital. Pré-Hosp Emerg Care. 20026 (2):215-7. [Taylor & Francis Online][Google Scholar]
  • Lahat EGoldman MBarr JBistritzer TBerkovitch MComparação de midazolam intranasal com diazepam intravenoso no tratamento de convulsões febris em crianças: estudo prospectivo randomizado. Br Med J. 2000321 (7253):83-6. [Google Scholar]
  • Xá IDeshmukh CTMidazolam intramuscular versus diazepam intravenoso para convulsões agudas. Indian J Pediatr. 200572 (8):667-70. [Crossref][PubMed][Google Scholar]
  • McMullan JSasson CPancioli ASilbergleit RMidazolam versus diazepam para o tratamento do estado de mal epiléptico em crianças e adultos jovens: uma meta-análise. Acad Emerg Med. 201017 (6):575-82. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Queixo RFNeville BGPeckham CVadear ABedford HScott RCTratamento do estado de mal epiléptico convulsivo infantil de início na comunidade: um estudo prospectivo de base populacional. Lancet Neurol. 20087 (8):696-703. [Google Scholar]
  • Mittal PManohar RRawat AKEstudo comparativo da sedação intranasal com midazolam e diazepam intravenoso para procedimentos e convulsões. Indian J Pediatr. 200673 (11): 975-8. [Google Scholar]
  • Camareiro JMAltieri MAFutterman CJovem GMOchsenschlager DWWaisman YUm estudo prospectivo e randomizado comparando midazolam intramuscular com diazepam intravenoso para o tratamento de convulsões em crianças. Pediatr Emerg Care. 199713 (2):92-4. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • McIntyre JRobertson SNorris EAppleton RWhitehouse WPPhillips BMartland Tbaga KMineiro Jferreiro SChoonara ISegurança e eficácia do midazolam bucal versus diazepam retal para tratamento de emergência de convulsões em crianças: um estudo controlado randomizado. Lanceta. 2005366 (9481):205-10. [Google Scholar]
  • Mpimbaza ANdeezi GStaedke SRosenthal PJByarugaba JComparação de midazolam bucal com diazepam retal no tratamento de convulsões prolongadas em crianças de Uganda: um ensaio clínico randomizado. Pediatria. 2008121 (1):e58-e64. [Google Scholar]
  • arco-íris JBrowne GJFuga LTControlando convulsões no ambiente pré-hospitalar: diazepam ou midazolam? J Paediatr Child Health. 200238 (6):582-6. [Google Scholar]
  • Fisgin TGurer YTezic TSenbil NdifícilOkuyaz CAkgun DEfeitos do midazolam intranasal e diazepam retal em convulsões agudas em crianças: estudo prospectivo randomizado. J Criança Neurol. 200217 (2):123-6. [Google Scholar]
  • Bhattacharyya MKalra VGulati SMidazolam intranasal vs diazepam retal em crises agudas na infância. Pediatra Neurol. 200634 (5):355-9. [Google Scholar]
  • Holsti MDudley NSchunk JAdelgais KGreenberg ROlsen CHealy AEstuário SFilloux FMidazolam intranasal vs diazepam retal para o tratamento domiciliar de convulsões agudas em pacientes pediátricos com epilepsia. Arch Pediatr Adolesc Med. 2010164 (8):747-53. [Google Scholar]
  • Yoshikawa HYamazaki SAbe TOda YMidazolam como agente de primeira linha para o status epilepticus em crianças. Cérebro Dev. 200022 (4):239-42. [Google Scholar]
  • Galvin GMJelinek GAMidazolam: um agente intravenoso eficaz para controle de convulsões. Arch Emerg Med. 19874 (3):169-72. [Google Scholar]
  • Papavasiliou ASKotsalis CParaskevoulakos EKaragounis PRizou CBazigou HMidazolam intravenoso no estado de mal epiléptico convulsivo em crianças com epilepsia farmacorresistente. Comportamento Epilepsia. 200914 (4):661-4. [Google Scholar]
  • Hayashi KOsawa MAihara MIzumi TOhtsuka YHaginoya KKato Ikaneko KSugai KTakahashi THamano SMatsukura MMiura HMinagawa KYamano TYamamoto HYamanouchi HYoshikawa HComitê de Pesquisa em Evidências Clínicas do Tratamento Médico do Status Epilepticus na Infância. Eficácia do midazolam intravenoso para o status epilepticus na infância. Pediatra Neurol. 200736 (6):366-72. [Google Scholar]
  • galustiano SGWalsh-Kelly CMSzewczuga DBergholte JHennes HO resultado a curto prazo do manejo de crises por pessoal pré-hospitalar: uma comparação de dois protocolos. Pediatr Emerg Care. 19(4);221-5. [Google Scholar]
  • Alldredge BKparede DBFerroviário DMEfeito do tratamento pré-hospitalar no desfecho do estado de mal epiléptico em crianças. Pediatra Neurol. 12(3):213-6. [Google Scholar]
  • Appleton RSweeney AChoonara IRobson JMolyneux ELorazepam versus diazepam no tratamento agudo de crises epilépticas e estado de mal epiléptico. Neurol Infantil Dev Med. 199537 (8):682-8. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Sreenath TGGupta PSharma KKKrishnamurthy SCombinação de lorazepam versus diazepam-fenitoína no tratamento do estado de mal epiléptico convulsivo em crianças: um estudo controlado randomizado. Eur J Pediatra Neurol. 14(2):162-8. [Google Scholar]
  • Alldredge BKAmarelo AMIsaacs SMCorry MDAllen FUlrich SGottwald MDO'Neil NNeuhaus JMSegal MRLowenstein DHUma comparação de lorazepam, diazepam e placebo para o tratamento do estado de mal epiléptico fora do hospital. N Engl J Med. 345(9);631-7. [Google Scholar]
  • Leppik IEDerivan ATHoman RWCaminhante JRamsay REPatrick BEstudo duplo-cego de lorazepam e diazepam no estado de mal epiléptico. JAMA. 249(11);1452-4. [Google Scholar]
  • Holliman CJWuerz RCVázquez-de Miguel GMeador SAComparação de intervenções no atendimento pré-hospitalar por ordens permanentes versus intervenções ordenadas por comando médico direto (on-line). Prehsop Disaster Med. 19949 (4):202-9. [Google Scholar]
  • Wuerz RCSwope GWHolliman JVázquez-de Miguel GDireção médica on-line: um estudo prospectivo. Prehosp Disaster Med. 199510 (3):51-4. [Google Scholar]
  • Atkins DEccles MFlottorp SGuyatt GHHenry DColina SLiberati AO"Connell DOxman ADPhillips BSchunemann HEdejer TTVist GEWilliams JW; Grupo de Trabalho GRADE. Sistemas para classificar a qualidade da evidência e a força das recomendações I: avaliação crítica das abordagens existentes O Grupo de Trabalho GRADE. BMC Health Serv Res. 20044 (1):38. [Crossref][PubMed][Web of Science ®][Google Scholar]
  • Lewena SPennington VAcworth JThornton SNgo PMcIntyre SKrieser DNeutze JSpeldewinde DTratamento de emergência do estado de mal epiléptico convulsivo pediátrico: um estudo multicêntrico de 542 pacientes. Pediatr Emerg Care. 200925 (2):83-7. [Google Scholar]
  • Martin-Gil CHostler DCallway CWPrunty HRoth RNManejo de pacientes com convulsões pré-hospitalares por paramédicos. Pré-Hosp Emerg Care. 200521 (1):1-5. [Google Scholar]
  • Balas EABoren SAGerenciando o Conhecimento Clínico para a Melhoria do Cuidado em Saúde. Anuário de Informática Médica 2000: Sistemas Centrados no PacienteStuttgart, AlemanhaSchattauer2000:65-70. [Google Scholar]
  • Chumpitazi CEbarreira PMacias CGAcurácia diagnóstica e confiabilidade terapêutica em medicina de emergência pediátrica: o papel das diretrizes baseadas em evidências. Clin Pediatr Emerg Med. 201112 (2):113-20. [Google Scholar]
você pode gostar também