Você está muito atrasado! Espectadores de acidentes de trânsito atacam tripulação de ambulância

As acusações de chegar tarde demais são comuns às equipes de emergência. Os socorristas e os paramédicos são usados ​​para gerenciar tais situações, mas quando um grupo de pessoas bêbadas armadas com gravetos o atacam agressivamente, não há chance de serem “heróis”.

O protagonista de nossa história hoje é um médico que atua na República Centro-Africana como supervisor do Departamento de Saúde. Na verdade, sua equipe opera em ambientes pacíficos e, na maioria dos casos, os incidentes são os não intencionais com impactos diferentes. Não desta vez, no entanto!

O CASO

Em 2014, julho por volta da meia-noite, nosso número de emergência foi chamado pelo secretário executivo de um dos setores que compõem o distrito a cerca de 25 Km do hospital e nos mandou procurar resgate de emergência após um grave acidente de trânsito e pessoas ficaram feridas.

Nosso equipe de resposta estava pronta como sempre estávamos acostumados. Saímos do hospital com o que achamos necessário para uma emergência como essa. Cerca de 10 Km, fomos bloqueados por uma árvore que caiu em nosso caminho e passamos quase uma hora esperando que a árvore fosse empurrada pelas pessoas que encontramos no local.

Depois disso, continuamos nosso caminho até o local do acidente, onde encontramos grande multidão em torno das vítimas. Usando as mesmas práticas, começamos a inspecionar o local e a fazer algumas perguntas antes de pular sobre as vítimas que dificilmente eram identificáveis ​​como era noite e o local não era iluminado.

Não conseguimos perceber que há um grupo de pessoas que estavam com raiva e de repente começaram a gritar e se aproximar de nós afirmando que nossa resposta foi tarde demais e que colocamos a vida de seus parentes em mais perigo. Era um grupo de pessoas da 10, armado com paus e fisicamente agressivo.

Tentamos explicar o que aconteceu conosco em nosso caminho, mas em vão. Era quase impossível iniciar nossos procedimentos de resgate em ambientes tão inseguros. Por outro lado, as vítimas estavam chorando e uma já havia morrido antes de chegarmos.

Éramos uma equipe de pessoas da 4, inclusive para intervir e, naquele momento, a única coisa que podíamos fazer era volte dificilmente na ambulância e chame os agentes de segurança que foram chamados antes, mas ainda não chegaram.

Felizmente, conseguimos voltar para a ambulância e nos afastamos um pouco. Imediatamente a polícia chegou e voltamos ao local juntos. Eles garantiram a segurança, acalmando os homens raivosos que a maioria deles estava bêbada e procedemos em nosso socorro. Pessoas 3 ficaram gravemente feridas e outra já estava morta. Levamos as vítimas para os hospitais escoltados pelo carro da polícia que transportava os parentes próximos das vítimas. Na chegada, demos a eles os cuidados necessários, mas ainda assediados pelos parentes bêbados até a manhã seguinte

A ANÁLISE

Normalmente, nossos ambientes de intervenção são calmos e pacíficos, esse incidente foi surpreendente e, é claro, nos deixou mais lições para melhorar nossas práticas. Encontramo-nos em condições que não conseguimos nos controlar e tivemos que agir rapidamente, independentemente do status das vítimas.

O dilema que enfrentamos foi escolher entre resgate sob pressão e ataque e salvar nossas próprias vidas. Era tão difícil para nós deixar as pessoas sangrando e nos afastar, mas também não podíamos nos colocar em problemas. O grande erro que cometemos é acreditar que tudo ficaria bem aquela noite. A partir desse momento, a equipe de emergência adotou a cultura de chamar a polícia a qualquer momento em que era chamada a intervir durante a noite para uma escolta ou qualquer apoio no caso.

Este incidente atrasou o processo de resgate por cerca de uma hora e meia e, é claro, teve um impacto negativo no resultado do tratamento. as vítimas estavam em choque hipovolêmico na chegada e difíceis de recuperar.
a grande lição e o desafio que tivemos nisso é não pensar que tudo está bem a qualquer momento e se preparar e treinar em diferentes situações que podem interferir em nosso trabalho.