Surto de ebola na RDC: plano de resposta ao Programa Mundial de Alimentos

O último surto de Ebola na República Democrática do Congo é realmente difícil de derrotar devido a muitas razões territoriais e sociais. A terra é atormentada por conflitos e os grupos armados não gostam tanto de deixar os profissionais de saúde, e isso também é um problema para a assistência alimentar. Até agora, O PAM fornece assistência alimentar às pessoas 86,000 afetadas pelo Ebola na RDC desde agosto do 2018. Apesar dos esforços conjuntos do governo e da comunidade de resposta mais ampla para impedir a propagação da epidemia, o surto se espalhou nas províncias de Kivu do Norte e Ituri, e há um alto risco de que ela se estenda para mais longe. A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou este décimo surto de Ebola na RDC o segundo maior da história, com casos confirmados e prováveis ​​da 580 e mais de mortes da 330.

AMBIENTE OPERACIONAL COMPLEXO

O contexto desse surto de Ebola em particular é excepcional: o território de Beni no Kivu do Norte, o epicentro da crise, é uma zona de conflito ativa. Alguns dos que precisam ser monitorados e tratados para o Ebola vivem ou fogem para áreas controladas por grupos armados.

Tais áreas são difíceis e arriscadas de acesso, exigindo negociações intensivas para planejar a natureza e a duração das intervenções. Nem todos os grupos armados cooperam com as equipes de resposta médica. De fato, o diálogo significativo é improvável com milícias como as Forças Democráticas Aliadas (ADF), supostamente responsáveis ​​pelo assassinato de civis no território de Beni desde o 2014.

O ambiente volátil de segurança e uma população relativamente móvel significam que a epidemia se espalhou para novas áreas, incluindo algumas que foram declaradas livres do Ebola. Esforços intensos para rastrear pessoas que entraram em contato com pacientes com Ebola continuam. Alguns se escondem das equipes médicas, por medo e idéias erradas sobre o Ebola e como ele se espalha.

Pelo menos as pessoas da 200 que poderiam estar portando o vírus não foram localizadas pelas equipes de resposta médica.

Igualmente preocupante, muitos casos novos não podem ser rastreados até pacientes com Ebola registrados, o que significa que eles contraíram o Ebola de transportadoras desconhecidas. A resistência da comunidade às equipes de resposta médica continua sendo um grande desafio, especialmente nas áreas recém-contaminadas.

A campanha de vacinação está em andamento, com mais de 49,000 pessoas vacinadas desde o início da crise. Até agora, ele impediu que a epidemia ficasse fora de controle, mas a inoculação por si só não a extinguirá, desde que as pessoas infectadas não possam ser localizadas ou recusem o tratamento.

Dado o ambiente complexo, os especialistas da OMS prevêem uma expansão da epidemia para o sul. As eleições presidenciais e legislativas programadas para ocorrer em dezembro da 23, bem como o período pós-eleitoral, podem levar a um aumento nas transmissões, em caso de instabilidade e deslocamento político. Especialistas argumentam que o décimo Ebola da RDC provavelmente persistirá por vários meses.

QUAL O PAPEL DO PAM?

  • O PMA apoia a resposta médica ao Ebola, liderada pelo Ministério da Saúde e pela OMS.
  • Seu papel é duplo: primeiro, fornecer suporte operacional às equipes de resposta médica por meio de uma variedade de serviços logísticos; segundo, ajudar a conter a propagação do vírus, fornecendo assistência alimentar e nutricional às pessoas afetadas pela doença.
  • As parcelas de alimentos do PAM semanalmente garantem que os suspeitos de portar o Ebola e suas famílias não precisem sair de casa para comprar alimentos enquanto estão sob observação médica.

Quanto mais casos suspeitos permanecerem em um só lugar, menor a probabilidade de o vírus se espalhar.

AUMENTAR A ASSISTÊNCIA ALIMENTAR E NUTRIÇÃO DO PAM

A partir de dezembro da 12, o PMA alcançou mais de 300 pessoas com alimentos desde agosto. Eles incluem “contatos” de pacientes com Ebola, pacientes dispensados, equipe de assistência médica, pessoal da linha de frente e aqueles que se recuperaram do vírus. As pessoas que estiveram em contato com portadores do Ebola e, portanto, podem estar portando o vírus, constituem 86,000 por cento da carga de casos. Eles recebem semanalmente farinha de milho, feijão, óleo vegetal, sal, farinha fortificada e pasta nutricional especial. Novas listas de possíveis portadores de vírus são compartilhadas a cada hora do 90 pelo Ministério da Saúde. O PMA responde dentro de uma hora do 48, em cooperação com o parceiro de distribuição CARITAS. Isso ajuda a conter a propagação do vírus. No final de novembro, o PAM, em parceria com um grupo de sobreviventes do Ebola, começou a distribuição de alimentos para cerca de cem outros sobreviventes do Ebola.

As distribuições continuarão todos os meses, durante um ano.

Trinta funcionários nacionais e internacionais do PAM estão trabalhando diretamente na resposta ao Ebola e equipes de distribuição adicionais estão sendo formadas e destacadas para aumentar as distribuições e apoiar a OMS na cidade de Butembo e na província de Ituri, no sul, onde novos casos foram relatados.

APOIO LOGÍSTICO DO PAM

O PMA expandiu sua capacidade de armazenamento em Beni com a montagem de duas unidades móveis de armazenamento (uma para alimentos e outra para suprimentos da OMS). Devido ao alto número de casos relatados ao sul de Beni, a equipe de logística foi destacada para ajudar a OMS a construir um novo Centro de Tratamento do Ebola.

Um novo campo de futebol comunitário apresentado pelo PAM em Beni foi aberto em 10 de dezembro, substituindo um campo próximo usado para construir uma extensão de um Centro de Tratamento de Ebola.

Cerca de 90 toneladas métricas de várias mercadorias são entregues por semana ao parceiro colaborador do PAM,
CARITAS, usando caminhões do PMA.

Além disso, alguns metros cúbicos de carga 140 são enviados semanalmente para parceiros, armazéns e centros de saúde da OMS.

PREPARAÇÃO

A equipe de Coordenação Estratégica do Ébola está adotando uma 'abordagem do grande anel' nas cidades ao sul de Beni, incluindo Goma e Lubero. Isto foi concebido para impedir a propagação do Ebola. A abordagem consiste principalmente na vacinação de profissionais de saúde que operam nessas áreas. No entanto, o nível de insegurança na província de Kivu do Norte é particularmente preocupante, com frequentes seqüestros e ataques de grupos armados. O risco de propagação do Ebola ainda permanece alto. O PAM está se preparando para reagir prontamente a novos surtos em outras partes da RDC, especialmente nas áreas urbanas.

As Operações Europeias de Proteção Civil e de Ajuda Humanitária (ECHO) estão financiando a resposta ao Ebola do PAM.

FINANCIAMENTO

A resposta ao Ebola continua subfinanciada e o PAM está atualmente revisando seus requisitos nos próximos meses. Serão necessários fundos adicionais para sustentar o apoio do PAM à resposta ao Ebola na luta contínua contra o vírus.

PROGRAMA COMPLETO AQUI