O amor está na ONG - Tufão Grindr: namoro e sexo pós-desastre nas Filipinas

TACLOBAN, 8 Setembro 2015 (IRIN) - “Antes de Haiyan, tudo o que tínhamos no Grindr era mehhhh - quatro ou cinco pessoas. Depois de Haiyan, boom - homens brancos!

Jericó *, 28, acha difícil lembrar muito de uma cena social em Tacloban antes do tufão Haiyan. Gerente sênior de um dos hotéis mais caros da cidade filipina, ele relata uma rotina que consistia em ir à academia de manhã e voltar para casa pelas ruas vazias depois do anoitecer em uma cidade onde “todo mundo conhece todo mundo”.

Fora para os amigos, mas fechado no trabalho, ele escapava para Cebu ou Manila para festejar em clubes gays, onde suas feições de rosto de bebê com braços de academia chamavam a atenção dele. Jericó não compartilhou a febre dos concursos ou a nostalgia da Imelda de outros Taclobanons gays, alguns dos quais orgulhosamente recitam o fato de que a ex-primeira-dama Imelda Marcos foi vencedora do concurso da cidade naquela época. A principal frustração de Jericó foi que seu aplicativo de conexão preferido - Grindr - continuou inventando os mesmos cinco torsos familiares, que na verdade não contavam como uma cena gay adequada.

O tufão Haiyan, que atingiu Tacloban com força em novembro do ano XIX, foi claramente um desastre, mas também foi uma rajada poderosa de mudança, principalmente na vida social de Jericó.

Enquanto alguns moradores deixaram Tacloban para lidar com traumas ou encontrar trabalho, a cidade recebeu um afluxo de trabalhadores humanitários, voluntários saudáveis ​​e voluntários filipinos que procuravam oportunidades e esperavam ajudar na recuperação.

“Da noite para o dia”, diz Jericho, “meu Grindr se tornou as Nações Unidas”.

Namoro de desastre

Jericho e seus amigos - um grupo convivial de tipos criativos em escolas de cinema, líderes comunitários e empreendedores locais pouco conhecidos - conheceram e fizeram amizade com muitos trabalhadores humanitários no ano passado.

No rescaldo de Haiyan, apesar dos sinais irregulares do telefone celular, os sobreviventes que desejavam intimidade procuraram o Grindr para organizar encontros discretos com trabalhadores humanitários, que procuravam se distrair.

Levi, 26, conta como Grindr o ajudou a encontrar um voluntário franco-canadense em Tacloban: “Ele não tinha uma imagem muito clara, então eu não tinha certeza do que esperar. Quando o conheci em seu hotel, pensei: 'Mmm, legal!' Ele apenas me perguntou como eu estava e se eu perdi minha casa. Mas eu realmente não lhe dei detalhes. Eu só o queria.

Levi ri ao longo de nossa entrevista enquanto narra a novidade de seu caso de uma noite - a primeira com um homem branco. Enquanto ele fala, fica claro que esse era o tipo de sexo que existia no momento e nada mais. Tendo ficado frente a frente com o quão súbita e completamente tudo poderia ser perdido, não havia expectativa de longevidade ou compromisso.

CONTINUE NO IRIN NEWS