Pesquisa fundamental sobre o cetá como analgésico: um ponto de virada para a Malásia

Uma equipe de cientistas e pesquisadores da USM (University Sains Malaysia) e da Yale School Medicine (US) realizou um estudo central sobre os efeitos do cetá - ou kratom - na tolerância à dor. Muitos outros tipos de pesquisa tentaram descobrir evidências baseadas nos efeitos do cetum e agora aqui está.

Foi o professor B. Vicknasingam, diretor do Centro de Pesquisa de Medicamentos do USM e o professor Dr. Marek C. Chawarski, da Escola de Medicina de Yale, que conduziu essa pesquisa sobre os efeitos do cetá, ou kratom, na tolerância à dor. Eles estudaram 26 voluntários nesse processo.

Pesquisa sobre cetum como analgésico: como a pesquisa foi conduzida

As duas universidades conduziram um estudo randomizado, controlado por placebo, duplo-cego e randomizado, em um grupo de 26 voluntários. O objetivo é avaliar criticamente os efeitos do ceto sobre a tolerância à dor.Os resultados examinados no estudo revelaram que seu uso pode melhorar a tolerância à dor.

No final de junho de 2020, o Yale Journal of Biology and Medicine (YJBM) emitiu a primeira evidência objetivamente medida proveniente de pesquisas controladas em seres humanos. Ele está apoiando as propriedades de alívio da dor do ceto. Antes, eles eram relatados apenas de forma anedótica, com base em auto-relatos de pesquisas observacionais.

Uma pesquisa conduzida pelo USM Center for Drug Research por mais de uma década mostra mais de 80 artigos científicos publicados sobre cetum ou seus compostos ativos.O Centro, em colaboração com a Universidade de Yale, recebeu financiamento do Ministério da Educação da Malásia. no âmbito do Programa de Ensino Superior do Centro de Excelência (HICoE) para conduzir a pesquisa atual sobre cetáceos.

O presente estudo explorará, nos próximos meses, vários modelos de pesquisa e desenvolvimento para promover os fundamentos científicos e os esforços de desenvolvimento de medicamentos em medicamentos à base de cetá ou intervenções de tratamento.

Pesquisa em Kratom: sua história na Ásia

No sudeste da Ásia, eles sempre usavam o Mitragyna speciosa (o nome científico de cetum, ou kratom) na medicina tradicional. Nos EUA, ganhou popularidade recentemente. No entanto, muitos debates cresceram sobre seu uso. Devido à toxicidade potencial relacionada à kratom e a incidentes fatais relatados.

Ao mesmo tempo, na Ásia, a pesquisa farmacêutica tradicional e a pesquisa rigorosa e controlada sobre medicamentos à base de plantas não são tão avançadas e baseadas em evidências. Essa falta de metodologias cientificamente sólidas, a falta de financiamento e a escassez de descobertas promissoras não ajudaram a reputação da kratom.

Atualmente, o FDA não sugere o uso de kratom. Da mesma forma, na Malásia, a Lei de Venenos de 1952 introduziu regulamentos mais rigorosos sobre o cultivo e o uso da kratom, com consequências legais. Este estudo pode fazer a diferença neste campo.

LEIA TAMBÉM

Presidente de Madagascar: um remédio natural COVID 19. A OMS alerta o país

Médicos prescrevem mais analgésicos para mulheres, confirma estudo

Obama: limitar prescrições de opiáceos não resolverá crise de heroína

SOUCES

Lançamento oficial da Universiti Sans Malaysia

FDA e Kratom

REFERÊNCIA

Yale Journal of Biologia e Medicina

Comentários estão fechados.