Vasos sanguíneos artificiais criados com uma tecnologia de bioimpressora 3D

Podemos imprimir bodypart? Sim, agora podemos fazê-lo. Graças a uma nova pesquisa internacional

3D Os órgãos impressos estão um passo mais perto

(GUARDIAN) - Durante anos, os cientistas conseguiram "imprimir" tipos de tecido humano usando uma impressora 3D, mas em um salto significativo para os pesquisadores norte-americanos e australianos, agora eles podem fazer com que esse tecido sobreviva por conta própria.

Até agora, uma grande barreira para eles, que passam da impressão de minúsculas folhas de tecido para órgãos inteiros do 3D, é que eles não haviam descoberto como desenvolver os vasos sanguíneos que fornecem nutrientes e oxigênio às células e permitem que eles excretem resíduos.

Esse processo essencial é chamado de “vascularização” e é necessário para que os pesquisadores evitem que as células morram para que possam crescer órgãos grandes e transplantáveis.

Mas, em um grande avanço médico, pesquisadores das universidades de Sydney e Harvard conseguiram capilares de impressão biológica 3D, os minúsculos canais que permitem a vascularização para que as células possam se sustentar e sobreviver.

Usando uma "bio-impressora" de alta tecnologia, os pesquisadores fabricaram pequenas fibras interconectadas para servir como molde para os vasos sanguíneos artificiais.

Eles então cobriram a estrutura impressa do 3D com um material baseado em proteínas e rico em células, que foi solidificado com uma luz brilhante sobre ele.

Por fim, eles removeram as fibras bioimpressas para deixar para trás uma rede de pequenos capilares revestidos com células endoteliais humanas, que formaram capilares sanguíneos estáveis ​​em menos de uma semana.

O engenheiro biomédico e líder da pesquisa, o Dr. Luiz Bertassoni, da Universidade de Sydney, disse que os órgãos de impressão ainda podem estar a algumas décadas, mas esse foi um "grande passo" para alcançar esse objetivo.

"Mostramos que podemos imprimir esses capilares, mostramos que eles são funcionais, que amadurecem para formar capilares e que podemos adaptá-los aos tamanhos e estruturas que precisamos", disse ele.

"A engenharia de tecidos para fabricar tecidos mais simples é uma realidade há vários anos e, através do que conseguimos, podemos começar a falar sobre tecidos maiores e mais complexos, capazes de sobreviver por mais tempo".

Enquanto a maior parte da pesquisa foi realizada em Harvard, Bertassoni disse que um laboratório havia sido estabelecido recentemente na Universidade de Sydney para que seu trabalho pudesse continuar na Austrália.

Desde que os resultados foram publicado na revista da Royal Society of Chemistry na quinta-feira, Bertassoni disse que havia sido contatado por alguns pacientes que queriam saber se a tecnologia significava que os órgãos agora podem ser "impressos".

Ele ressaltou que não era esse o caso, mas disse que o que sua equipe encontrou foi "revolucionário".

"Milhares de pessoas morrem a cada ano devido à falta de órgãos para transplante", disse Bertassoni.

“Muitos outros estão sujeitos à remoção cirúrgica de tecidos e órgãos devido ao câncer ou estão envolvidos em acidentes com grandes fraturas e lesões.

“Embora os órgãos de impressão ainda estejam a algumas décadas, também não me surpreenderia se estivesse errado sobre isso, porque esse tipo de engenharia está se movendo muito rapidamente.

"Eu adoraria estar errado."

Comentários estão fechados.