Hungria - Referendo contra o estabelecimento forçado a ser realizado no outono

Em conseqüência da decisão de terça-feira do Tribunal Constitucional, um referendo será realizado contra o assentamento forçado de migrantes no outono, já que todos os obstáculos foram removidos da convocação e organização do referendo, disse Bence Tuzson.

As duas decisões adotadas pelo Tribunal Constitucional na terça-feira não concederam as quatro petições apresentadas contra o referendo iniciado pelo governo com relação às cotas de liquidação. Tuzson disse em resposta: o referendo iniciado pelo governo foi contestado por políticos de esquerda, incluindo o deputado socialista Tibor Szanyi e Gábor Fodor, presidente do Partido Liberal Húngaro, mas esses obstáculos foram removidos. O Secretário de Estado afirmou: com base nos prazos legais, o referendo será realizado em setembro ou outubro, conforme o esperado.

O governo está pedindo ao povo húngaro que diga não à solução forçada de migrantes, disse Tuzson, que também disse à imprensa: o gabinete começará os preparativos para o referendo. Na sua opinião, o povo húngaro deve decidir sobre uma questão de soberania e um caso nacional que possa alterar a Hungria no sentido econômico, cultural e étnico por séculos, ou talvez para sempre. „A Europa não pode ser virada de cabeça para baixo. Na Europa, as decisões são tomadas principalmente pelas nações, e Bruxelas, a Comissão Européia está lá para implementar as decisões dessas nações, e não o contrário ”, disse o Secretário de Estado para a comunicação do governo, que acredita que„ temos a verdade aqui , conosco ”, deste lado do continente.

O político também apontou que a pressão da migração que pesa fortemente sobre a Europa não está diminuindo. Nesse contexto, ele indicou que os planos relativos à distribuição de migrantes são um convite para aqueles que estão prestes a partir para a Europa. "Temos de impedir o reassentamento forçado, temos de parar Bruxelas a este respeito", afirmou Tuzson, que espera consequentes novos ataques contra a Hungria.

Em resposta a uma pergunta sobre o resultado do referendo, ele disse: "quanto mais as pessoas expressarem suas opiniões sobre esse assunto, mais sucesso esse referendo poderá ter". Ele também disse: o referendo húngaro será realmente bem-sucedido se pessoas suficientes votarem para interromper o mecanismo da UE como um todo.

O secretário de Estado também foi questionado sobre a declaração feita por Tamás Portik, ex-gerente da Energol na semana passada. Em resposta, ele disse: os políticos de esquerda "estão entendendo" as alegações de um criminoso que obviamente são mentiras.

(Gabinete do Primeiro Ministro)

Comentários estão fechados.