AMREF contra COVID-19: A África pode parar o coronavírus se os líderes conscientizarem as comunidades sobre isso

AMREF sobre o COVID-19 na África: “Cabe aos líderes comunitários conscientizar as pessoas sobre a importância das vacinas”.

Githinji Gitahi, CEO global da Amref Health Africa, afirmou que essas são as qualificações para o desenvolvimento e a difusão efetivos de uma vacina contra o COVID-19 na África.

COVID-19 na África: a chave é a comunidade

Progresso na pesquisa científica, mas também trabalho para maior envolvimento e conscientização da comunidade. Para apoiá-lo, Githinji Gitahi, durante uma conferência online organizada pela ONG.

AMREF sobre COVID-19 na África: sim à campanha de conscientização para conter o vírus

Durante a reunião, organizada na véspera do nono aniversário do nascimento do Sudão do Sul, Gitahi disse que a distribuição de uma vacina na África "tem algum problema".

O CEO da AMREF citou os medos causados ​​no passado pelos remédios contra a poliomielite, principalmente no que diz respeito à “interferência na saúde reprodutiva das mulheres”.

Segundo Gitahi, é necessário continuar a pesquisa, mas também fornecer "uma fase experimental nos países africanos", além de "campanhas de conscientização inicial" e "maior envolvimento dos líderes comunitários, inclusive no nível rural".

Cabe a eles, enfatizou Gitahi, "fazer as pessoas entenderem a importância das vacinas e seu uso contra o Covid-19".

Com relação à patologia causada pelo novo coronavírus, o líder da AMREF enfatizou que não é verdade que "o continente foi poupado, como reivindicado por alguns".

Menos mobilidade e menor idade média retardaram a disseminação do Covid-19 na África, segundo Gitahi, mas agora existe o risco "de que a pandemia permaneça no continente por muito tempo, mesmo dois e três anos".

AMREF contra COVID-19 na África - LEIA O ARTIGO ITALIANO

LEIA TAMBÉM

Mais mortal que o COVID-19? Pneumonia desconhecida descoberta no Cazaquistão

OMS na África, Camarões e Nigéria erradicaram oficialmente a poliomielite

Etiópia, COVID-19 não impediu repatriações forçadas de migrantes. Risco de um novo pico entre a África e o Oriente Médio

FONTE

www.dire.it

Comentários estão fechados.