Nascimento e COVID-19, qual é a tarefa das parteiras em contextos de preocupação e tensão? Alguns conselhos úteis da Argentina

Nascimento e COVID-19, um tema que preocupa quem trabalha no mundo da neonatologia e, claro, os futuros pais.

Muito interessante um artigo publicado na Argentina pelo jornal Diario Salud, assinado por Antonella Prospitti.

Nascimento e COVID-19, os protocolos adotados na Argentina

“Acompanhar a gravidez antes, durante e após o parto - lemos - neste contexto gera sentimentos conflitantes e difíceis de expressar para ginecologistas e parteiras.

E é isso, trazer recém-nascidos à vida durante a pandemia não é nada semelhante aos nascimentos de antes.

Cuidando para que as mães não se infectem, para que seus filhos não sejam infectados ao nascer, adotando todos os protocolos correspondentes e prestando atenção e conselhos às mulheres, hoje esses médicos e graduados em obstetrícia enfrentam múltiplos sentimentos, sempre enfrentando sua vocação.

Segundo o ginecologista-obstetrícia Héctor Andrewartha, ex-chefe do serviço de Ginecologia-obstetrícia do Hospital Espanhol e atual médico particular em relação ao instituto (Mat. 2593), as emoções são muito diferentes: a incerteza sobre como será o parto de criança acompanhada durante a gravidez; alívio e alegria ao ver que o conjunto mãe-filho está em boas condições, entre outros sentimentos.

Segundo o profissional, esse novo cenário propunha diferentes protocolos de ação para a segurança da gestante, do companheiro e da equipe (médica ou não), mas ressaltou que era preciso implementá-los para não interromper o cuidado das gestantes: “O pré-natal é realizado de forma normal seguindo protocolos de atendimento, como remoção, medidas de higiene, desinfecção, isolamento social.

Emergência COVID-19, o papel da comunicação digital na preparação do parto

E para a comunicação com algumas pacientes, utilizamos videochamadas, receitas e ordens de exercícios (preparatórios para o parto, ed), que são realizados por meio digital.

Em outras palavras, a tecnologia me permite um contato permanente com o paciente.

Da mesma forma, destacou que algo importante como o acompanhamento dos casais na hora do parto e, posteriormente, na sala deve ser apoiado.

No entanto, esclareceu que para as grávidas com COVID o protocolo é diferente: “a mulher que apresentar sinais de Covid-19 diagnosticado deve ser transferida para uma maternidade preparada para esta pandemia, com todos os protocolos e tratamentos, durante o trabalho de parto e puerpério.

E isso inclui também protocolos de tratamento para o recém-nascido ”.

Por fim, o médico deu algumas recomendações para gestantes neste contexto e lhes trouxe tranquilidade: “O recado é muito simples: cuide-se, mantenha o isolamento e a distância social, e o mais importante é que ao menor sintoma você comunique-se com seu ginecologista.

A título de orientação, ao menor sintoma, não se automedique e certifique-se de que o Hospital e o Serviço de Obstetrícia estejam preparados para o atendimento integral à mãe e ao filho ”.

Leia também:

Mulher migrante positiva COVID-19 dá à luz no helicóptero durante uma operação MEDEVAC

Leia o artigo italiano

Fonte:

Diario Salud

Comentários estão fechados.