COVID-19, pelo menos 1,500 enfermeiras e trabalhadores de saúde falecidos: o ICN analisa as orientações da OMS para a gestão da força de trabalho de saúde

Enfermeiros e coronavírus. A pandemia COVID-19 custou a vida de pelo menos 1,500 enfermeiras e muitos outros profissionais de saúde, mas até agora não houve coleta sistemática e padronizada de informações sobre essas mortes, nem sobre o número de funcionários que foram infectados.

Desde maio de 2020, o Conselho Internacional de Enfermeiros (ICN) exige que essas informações sejam recolhidas e mantidas de forma centralizada, para que possam nos ajudar a compreender o vírus e potencialmente salvar vidas, mas também para ser um registro oficial de quem tem morreu.

Agora, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um relatório sobre a força de trabalho da saúde durante a pandemia e incluiu a necessidade de manter os dados solicitados pelo ICN.

Howard Catton, CEO da ICN, que contribuiu para o relatório em nome das enfermeiras do mundo, disse:
“Há meses que estamos solicitando que essa informação seja mantida centralmente, então esta é uma notícia muito bem-vinda.

A OMS já deu instruções claras sobre como esses dados devem ser coletados e compartilhados, e agora cabe aos governos registrar dados confiáveis, padronizados e comparáveis ​​para que possamos acompanhar o número de vítimas que essa pandemia está causando aos enfermeiros e outros profissionais de saúde .

Cada morte de COVID-19 é uma tragédia e não podemos perder enfermeiras e outros profissionais de saúde que estão contribuindo para a luta contra o vírus. ”

A orientação provisória da OMS sobre Política e Gestão da Força de Trabalho no Contexto da Resposta à Pandemia de Covid-19 pode ser encontrada aqui.

WHO-2019-nCoV-health_workforce-2020.1-eng

Leia também:

O Conselho Internacional de Enfermeiras (ICN) confirma que 1,500 enfermeiras morreram de COVID-19 em 44 países

Leia o artigo italiano

Fonte: Site oficial do ICN

você pode gostar também