Iniciado julgamento de drogas contra o ebola na Libéria

Um teste de um potencial medicamento para tratar o Ebola foi iniciado em um centro de Medicina Sem Fronteiras, na Libéria.
O antiviral - brincidofovir - está sendo testado em pacientes com Ebola de forma voluntária. As pessoas que não consentem recebem tratamento padrão.
Os cientistas da Universidade de Oxford que lideram a pesquisa dizem que os resultados iniciais são esperados nos próximos meses.
Um estudo envolvendo um medicamento similar - o favipiravir - começou na Guiné em dezembro.

Uso compassivo

Mais de pessoas do 8,000 morreram de ebola durante este surto, a maioria nos países mais afetados da Guiné, Serra Leoa e Libéria.
Enquanto um punhado de drogas experimentais, incluindo brincidofovir e favipiravir, foi administrado de forma ad hoc e compassiva no último ano, ainda não foi comprovado que nenhum deles funcione contra o vírus em ensaios científicos em humanos.
Um grande esforço internacional - envolvendo a Organização Mundial da Saúde, MSF, empresas farmacêuticas, o Wellcome Trust e outras organizações globais de saúde - visa acelerar os tratamentos que foram identificados como possíveis opções.

O professor Peter Horby, um dos principais pesquisadores da Universidade de Oxford, disse: “Realizar ensaios clínicos de medicamentos sob investigação em meio a uma crise humanitária é uma experiência nova para todos nós, mas estamos determinados a não falhar com o povo da África Ocidental.
"Estamos tentando várias abordagens diferentes simultaneamente, pois há apenas uma pequena janela de oportunidade para combater esse vírus durante o surto".

Cientistas de Oxford dizem que o brincidofovir foi escolhido porque é eficaz contra as células infectadas pelo Ebola em laboratórios, foi considerado seguro em mais de pacientes do 1,000 em testes contra outros vírus e pode ser administrado convenientemente como um tablet.
Os pesquisadores pretendem recrutar mais de pessoas do 100 e comparar as taxas de mortalidade no centro antes e depois do julgamento.

leia mais

Comentários estão fechados.