Avaliação dos benefícios e riscos da introdução de centros comunitários de assistência ao ebola, Serra Leoa

Em algumas partes da África Ocidental, os centros de tratamento do Ebola atingiram a capacidade. A menos que a capacidade seja rapidamente ampliada, a chance de evitar uma epidemia generalizada de Ebola logo diminuirá. A Organização Mundial da Saúde e os parceiros estão considerando opções adicionais de atendimento ao paciente com Ebola, incluindo centros de atendimento comunitário (CCCs), unidades pequenas e com pouco pessoal que poderiam ser usadas para isolar pacientes fora de casa e levá-los ao atendimento o mais cedo possível. Utilizando um modelo de transmissão, avaliamos os benefícios e riscos da introdução de CCCs na área ocidental da Serra Leoa, onde a maioria das EPTs está em capacidade. Descobrimos que o uso de CCCs pode levar a um declínio nos casos, mesmo que a transmissão do vírus ocorra entre os pacientes e a comunidade. No entanto, para evitar a amplificação da epidemia por CCC, o risco de pessoas negativas ao vírus Ebola serem expostas a vírus dentro dos CCCs teria que ser compensado por uma redução na transmissão da comunidade resultante do uso do CCC.

A atual epidemia de doença do vírus Ebola na África Ocidental resultou em milhares de casos durante 2014 (1). Até o momento, centros de tratamento de Ebola (ETCs) têm sido usados ​​para isolar pacientes e fornecer atendimento clínico. Essas instalações geralmente têm grande capacidade (algumas têm> 100 leitos) e funcionam sob altos níveis de controle de infecção. No entanto, em Serra Leoa, os ETCs atingiram a capacidade máxima e os pacientes estão sendo recusados ​​(1). O número de reprodução (definido como o número médio de casos secundários gerados por uma pessoa infecciosa típica) foi> 1 em Serra Leoa,

levando ao aumento do número de casos notificados a cada semana (2–4). Como resultado, há uma necessidade urgente de aumentar rapidamente as instalações de tratamento e isolamento. Atrasos na implementação resultarão em um retrocesso ainda maior da curva epidêmica e em uma necessidade ainda maior de instalações de atendimento ao paciente. ETCs são instalações complexas que requerem um número substancial de funcionários e tempo para serem instaladas; portanto, a Organização Mundial da Saúde e outros parceiros estão procurando opções de cuidados adicionais para complementar as ETCs existentes. Uma abordagem é o uso de centros de cuidados comunitários de Ebola (CCCs), o que representaria uma possível mudança na abordagem operacional (5–7). Conforme previsto na abordagem da Organização Mundial da Saúde, as CCCs seriam unidades pequenas com 3 a 5 leitos e seriam atendidas por um pequeno grupo de profissionais de saúde. O objetivo principal seria isolar os pacientes fora de casa e, portanto, reduzir a movimentação e os contatos de pessoas infectadas dentro da comunidade. Os CCCs são projetados para envolver a comunidade e aumentar a aceitação do isolamento. O atendimento a pacientes em CCCs seria fornecido principalmente por um cuidador que receberia proteção individual equipamento (PPE) e treinamento básico de atendimento ao paciente. Os pacientes seriam livres para deixar a unidade enquanto aguardam os resultados dos testes. A utilização específica de CCCs variaria, dependendo do contexto local, e as unidades fariam parte de um pacote de intervenções, incluindo monitoramento de contatos comunitários e enterros dentro da comunidade.

AUTORES: Adam J. Kucharski, Anton Camacho, Francesco Checchi, Ron Waldman, Rebecca F. Grais, Jean-Clement Cabrol, Sylvie Briand, Marc Baguelin, Stefan Flasche, Sebastian Funk, W. John Edmunds

Comentários estão fechados.