Brasil diante do COVID-19, Bolsonaro contra a quarentena e infecções aumentam mais de 45,000

A COVID-19 tocou também no Brasil mas, diferente de outros países, aqui a quarentena não existe. O presidente Jair Bolsonaro se juntou a centenas de manifestantes que protestavam contra as ordens de permanência em casa emitidas por governadores estaduais. Então, o Ministro da Saúde do Brasil foi demitido e cada região está cavando suas próprias valas comuns para hospedar as vítimas do coronavírus.

O cenário de resposta ao coronavírus não é tão positivo. O COVID-19 está se espalhando a uma velocidade muito alta no Brasil, como em outros países. No entanto, parece que o presidente Bolsonaro não está tão preocupado com isso.

Bolsonaro no COVID-19: o Brasil não precisa de quarentena

Em 19 de abril, Bolsonaro se juntou a cerca de 600 manifestantes na capital Brasília, protestando pedidos de estadia em casa emitida pelos governadores estaduais. Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, os mais populosos, já declararam seguir quarentena parcial para seus habitantes.

O Brasil, com uma população de mais de 200 milhões, parece ter o maior número de casos de COVID-19 na América Latina - 45,757 desde hoje, com 2,906 mortes.

A CNN relata que o presidente Bolsonaro tem pressionado contra restrições estritas. No entanto, os governos estaduais e locais em algumas das áreas mais afetadas do Brasil fecharam escolas e muitas atividades. Bombeiros e a polícia nas ruas intima as pessoas a ficarem em casa. A nação parece dilacerada.

Coronavírus, Bolsonaro demitiu seu Ministro da Saúde. Ele sugeriu que o Brasil ficasse em casa

Após semanas de conflito por distanciamento social e auto-isolamento, o presidente Bolsonaro demitiu seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Durante uma conferência para apresentar seu novo ministro, ele garantiu que as empresas precisam ser reabertas para apoiar a economia do Brasil. Ele alegou que o vírus não é tão importante agora. Hmostram que a maioria dos brasileiros apóia o isolamento social.

 

Enquanto isso, cidades no Brasil estão cavando valas comuns para as vítimas do COVID-19

As realidades que mais preocupam são as favelas brasileiras, onde há uma grande falta de higiene e onde a pobreza é mais concentrada. Muitos habitantes das favelas tentam se proteger produzindo máscaras caseiras. É o caso de Paraisòpolis, a segunda maior favela de São Paulo (Brasil). Conta com mais de 100,000 habitantes.

“Aqui os números estão aumentando” - afirma de Manaus don Roberto Bovolenta, sacerdote missionário de Fidei Donum -. O COVID-19 está se espalhando também entre as comunidades nativas da Amazônia, que são mais vulneráveis ​​por falta de instalações. “Tem havido controvérsias intermináveis ​​sobre os 400 lugares hospital procurado pelo governador, que está fechado há muito tempo, e pelas instalações médicas do país, procurado pelo prefeito ”.

Em Manaus, perto do cemitério Tarumá, o maior e mais popular de Manaus, eles estão preparando uma vala comum para as vítimas de coronavírus. O prefeito cancelou todos os eventos até o final de junho, período em que são realizados festivais populares e populares.

 

LER OUTROS ARTIGOS RELACIONADOS

Coronavírus na Tunísia enfrentam máscaras prontas em 2 minutos

 

Como o respirador purificador de ar projetado pela Universidade de Utah pode ajudar contra o COVID-19?

 

Coronavírus, Medicus Mundi em Moçambique: parada em clínicas móveis médicas põe em risco milhares de pessoas

 

 

Comentários estão fechados.