COVID-19 e DNA, a ligação entre telômeros e terapia intensiva: o estudo da Saint-Luc University Clinics e da UCLouvain

COVID-19 e DNA, os telômeros dos cromossomos: uma equipe de pesquisadores da Saint-Luc University Clinics e da UCLouvain estudou o papel potencial dessas características específicas dos cromossomos

COMO OS TELÔMEROS DE DNA INTERATAM COM COVID-19?

Telômeros são sequências de DNA que protegem as extremidades dos cromossomos e encurtam a cada divisão celular.

Seu tamanho diminui dependendo da idade da célula e do indivíduo.

Quando se tornam muito curtas, especialmente em idosos, as células entram em senescência (um fenômeno próximo à morte celular).

Essas estruturas, portanto, desempenham o papel de um relógio biológico celular.

No entanto, o comprimento dos telômeros não é o mesmo para todos os indivíduos da mesma idade e depende, entre outras coisas, de algumas variantes genéticas.

Ao lado de um impacto comprovado no aparecimento de muitas doenças crônicas, o encurtamento dos telômeros parece influenciar as defesas contra os vírus.

Supõe-se que indivíduos com telômeros mais curtos esgotarão seu estoque de células imunológicas mais rapidamente.

Medindo o comprimento do telômero

Quase todos os pacientes hospitalizados por COVID-19 têm falta de linfócitos no sangue.

Além disso, graças à colaboração com o Institut de Duve, as clínicas da universidade Saint-Luc agora contam com uma técnica clínica de rotina para medir o comprimento dos telômeros nas células sanguíneas dos pacientes.

É por isso que os professores Antoine Froidure (Departamento de Pneumologia, Cliniques Saint-Luc e Instituto de Pesquisa Experimental e Clínica, UCLouvain) e Anabelle Decottignies (Institut de Duve, UCLouvain) decidiram estudar a ligação potencial entre o tamanho do telômero e COVID-19.

Uma melhor compreensão dos mecanismos imunológicos em face da COVID-19: telômeros de DNA mais curtos correspondem a uma taxa de mortalidade mais alta

Especificamente, os pesquisadores recrutaram 70 pacientes hospitalizados por infecção por COVID-19 em clínicas durante a primeira onda da pandemia (entre 7 de abril e 27 de maio de 2020).

Entre 27 e 96 anos, essa população foi comparada com os resultados de um grupo controle, quase 500 pessoas sem COVID-19.

Na coorte de pacientes com COVID-19, os telômeros eram mais curtos do que no grupo de controle.

O estudo também descobriu que ter telômeros muito curtos (menores que o percentil 10 para a idade) estava associado a um risco significativamente maior de hospitalização ou morte.

Esses achados abrem perspectivas importantes para a compreensão dos mecanismos de imunidade ao coronavírus.

Para saber mais:

Leia o artigo italiano

COVID-19, O teste rápido dá resultados em 5 minutos: o teste de Berkeley do Prêmio Nobel de Química Jennifer Doudna

Fonte dell'articolo:

UCLouvain

Comentários estão fechados.