Itália / Ministério da Saúde dá luz verde para terceira dose para idosos, RSAs e profissionais de saúde

Itália / Terceira dose para idosos, lares de idosos e profissionais de saúde: como dose de 'reforço' será usada qualquer uma das duas vacinas m-RNA autorizadas na Itália (BioNTech / Pfizer e Moderna)

Ministro Speranza: “A administração de doses de 'reforço' da vacina COVID-19 a pessoas com mais de 80 anos, a funcionários e hóspedes de instituições de acolhimento para idosos, a profissionais de saúde e trabalhadores de saúde a partir de pessoas com 60 anos ou mais ou com patologia concomitante, como ser vulnerável a formas graves de COVID-19 ou com alto nível de exposição à infecção ”

Este foi estabelecido pelo Ministério da Saúde numa circular, “tendo em conta a determinação da AIFA e em consonância com o parecer expresso pela Comissão Técnica Científica (Despacho do Chefe do Departamento de Protecção Civil 751) ”.

“Sem prejuízo da prioridade de atingir uma elevada cobertura vacinal com a conclusão dos ciclos atualmente autorizados - relata a circular - será possível proceder à administração de doses de reforço da vacina anti-SARS-CoV-2 / COVID-19 (como reforço após um ciclo vacinal primário) a favor das seguintes categorias ”, conforme explicado mais detalhadamente: - pessoas com 80 anos - funcionários e hóspedes de instalações residenciais para idosos. - posteriormente, poderá ser oferecida dose de reforço aos profissionais de saúde e trabalhadores de saúde que exerçam as suas atividades em estabelecimentos públicos e privados de saúde, assistência social e de saúde e assistência social, em farmácias, parafarmácias e consultórios profissionais, a partir de aqueles com 60 anos de idade ou com patologia concomitante que os torna vulneráveis ​​a formas graves de COVID-19 ou com alto nível de exposição à infecção.

Terceira dose para idosos, frágeis e profissionais de saúde: serão utilizadas as duas vacinas m-RNA autorizadas na Itália (BioNTech / Pfizer e Moderna)

“Independentemente da vacina utilizada para o ciclo primário (Comirnaty, Spikevax, Vaxzevria, Janssen), considerando as indicações da comissão técnico-científica da AIFA, será possível por agora - explica o ministério - usar como dose 'reforço' qualquer uma das duas vacinas m-RNA autorizadas na Itália (Comirnaty por BioNTech / Pfizer e Spikevax por Moderna).

A dose de reforço deve ser administrada pelo menos seis meses após a conclusão do ciclo de vacinação primária.

Em linha com o que foi destacado pelo CTS nas actas supracitadas - prossegue a circular - a estratégia de administração de uma dose de 'reforço' pode também incluir sujeitos com elevada fragilidade por doenças concomitantes / preexistentes, sujeitos ao opinião das agências reguladoras.

A estratégia de vacinação - conclui a circular - a favor de outros grupos-alvo ou da população em geral será, em vez disso, decidida com base na aquisição de novas evidências científicas e tendências epidemiológicas ”.

SPERANZA: 'COM A PROTEÇÃO DA TERCEIRA DOSE PARA OS MAIS VULNERÁVEIS'

“Estamos começando com a terceira dose para pessoas de 80 anos, residentes em asilos e profissionais de saúde. De imediato, vamos dar mais proteção aos mais frágeis e aos que trabalham nos estabelecimentos de saúde.

A afirmação foi feita pelo ministro da Saúde, Roberto Speranza, ao sair de Siena, onde participava de uma iniciativa com Enrico Letta.

Leia também:

Acordo UE-EUA: “Vacinar 70% da população global até 2022”

Posicionamento em decúbito ventral acordado para evitar intubação ou morte em pacientes Covid: Study In The Lancet Respiratory Medicine

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também