Recuperação de crise após a doença de Coronavírus: será mais rápido ou não?

O economista Giuseppe Capuano relatou sua análise pessoal da crise financeira causada pela doença do coronavírus, que envolverá a Itália e terá impacto na Europa. Que tipo de recuperação podemos prever?

Doença de coronavírus: o estudo de Giuseppe Capuano segue o caminho das séries históricas da tendência trimestral do PIB italiano entre 2000 e 2019. A análise dos dados leva à conclusão de que as crises econômicas produzidas por fatores internos são de maior intensidade.

Em tais circunstâncias, é muito importante conhecer o passado para entender o futuro. A economia é notoriamente uma ciência exata, mas ajuda a ler e analisar fenômenos.

Notavelmente, aqueles que continuam durando por um período médio-longo e com uma recuperação comparada aos valores pré-crise mais longos. Eles também afetam a mesma estrutura de produção. Pelo contrário, as crises econômicas causadas por fatores externos ao sistema financeiro têm uma duração mais curta, concentram-se ao longo do tempo e têm uma recuperação mais rápida do que os valores anteriores à crise.

A crise econômica causada pela emergência de saúde conhecida em 2002-2003 com Sars é uma crise do segundo tipo, pois, provavelmente, será a criada pela doença de Coronavírus.

A hipótese é que os dois últimos casos são hipoteticamente mais intensos, mas de menor duração e não afetam - não poderiam afetar - a estrutura de produção de um país. Isso causaria, a curto prazo, o inconveniente de uma queda na demanda / oferta em todo o mundo.

Por outro lado, as possibilidades de recuperação (falando de uma natureza muito econômica em termos de PIB) da doença de Coronavírus serão mais rápidas do que nos tempos da SARS.

De fato, essa conclusão ou "fato estilizado", como define Giuseppe Capuano, poderia ser aplicada não apenas à Itália, mas também a muitas das economias capitalistas essenciais, incluindo a China.

Alguma opinião estatística sobre a crise causada pela doença por coronavírus: alguns dados

Durante a crise devido à SARS, o PIB italiano diminuiu entre o terceiro e quarto trimestres de 2002 e o primeiro e o segundo trimestres de 2003, recuperando-se imediatamente a partir do terceiro trimestre de 2003 e experimentando um aumento tendencial e robusto que durou até o final de 2007 com a queda vertical de 2008 e os primeiros trimestres de 2009.

Uma crise de demanda que marcou a economia mundial e, em particular, a italiana e da qual ainda não nos recuperamos totalmente hoje, se não em particular por alguns períodos curtos.

Giuseppe Capuano explica o que diferencia fatos internos e crises financeiras de médio e longo prazo com efeitos estruturais de pontos externos e crises econômicas de curto prazo com impacto “neutro” na estrutura produtiva (como a atual).

A crise financeira interna é geralmente desencadeada por uma desaceleração da demanda doméstica e - ou - por fatores econômicos contribuintes, estes últimos geralmente causam um impacto de curto prazo com uma queda na oferta.

Conseqüentemente, a atual crise econômica deve inevitavelmente ser desencadeada no primeiro trimestre de 2020. Por outro lado, deve apresentar toda a sua intensidade limitada ao primeiro semestre de 2020 e depois se recuperar e se recuperar totalmente, mesmo com as taxas de crescimento do país. Economia italiana e internacional, a partir do segundo semestre do ano.

Doença de coronavírus: quando veremos alguma melhora?

Os primeiros sinais de recuperação, segundo Giuseppe Capuano, já serão vistos desde o início do verão. De qualquer forma, mesmo que sua duração não seja curta, sem dúvida a recuperação, quando iniciar, será mais rápida do que a conhecida após a crise econômica de 2007 e mais rápida do que os valores anteriores à crise.

Giuseppe Capuano, atualmente chefe do Ministério italiano de Desenvolvimento Econômico. (As opiniões expressas no artigo não envolvem o MISE e são estritamente pessoais)

LER OUTROS ARTIGOS RELACIONADOS

Motoristas de ambulância em tempos de Coronavírus: não seja bobo

Surto de coronavírus na Itália: Conte assina novo decreto de precauções