Síndrome coronariana crônica: 7 pontos-chave para um caminho ideal de atendimento ao paciente

Síndrome coronariana crônica, os 7 pontos-chave do atendimento: a Autoridade Nacional de Saúde Francesa (HAS), em co-pilotagem com o Seguro Nacional de Saúde da França (Assurance Maladie), realizou um trabalho para otimizar o atendimento às pessoas com síndrome coronariana crônica

Publicou um guia com o objetivo de apoiar os profissionais de saúde em várias fases do atendimento e identificou sete mensagens-chave no atendimento à síndrome coronariana crônica

Além disso, o HAS desenvolveu indicadores que permitirão aos profissionais avaliar e aprimorar suas práticas e a qualidade do atendimento ao paciente.

DESFIBRILADORES, VISITEM O ESTANDE EMD112 NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Anteriormente conhecida como "doença arterial coronariana estável", a síndrome coronariana crônica é a manifestação clínica de longo prazo da doença isquêmica do coração

É a consequência de um processo dinâmico de aterosclerose e alteração da função arterial que evolui ao longo da vida da pessoa em questão.

A doença é um problema de saúde pública: em 2018, na França, trataram-se 1.5 milhão de pessoas com síndrome coronariana crônica, 43% das quais tinham mais de 75 anos.

A quarta doença crônica séria mais comum depois das doenças psiquiátricas, diabetes e doenças malignas, sua prevalência aumenta com a idade.

O HAS francês co-pilotou o trabalho com Assurance Maladie na via do cuidado às pessoas com síndrome coronariana, que mobilizou um grupo de trabalho multidisciplinar representativo das profissões envolvidas nas várias etapas deste trabalho.

Síndrome coronariana crônica: 7 pontos-chave para um caminho de tratamento ideal

O objetivo deste documento é fornecer todas as chaves para melhorar a colaboração e coordenação entre os diversos profissionais de saúde envolvidos (clínicos gerais, cardiologistas, farmacêuticos, enfermeiras, nutricionistas, fisioterapeutas, professores de atividade física adaptada, etc.), bem como profissionais envolvidos em situações mais específicas (diabetologistas, psicólogos, médicos do trabalho).

DESFIBRILADORES DE EXCELÊNCIA NO MUNDO: VISITE O ESTANDE ZOLL NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Os 7 pontos-chave para melhorar as práticas na síndrome coronariana crônica:

Diagnóstico

Prescrever exames complementares de diagnóstico levando em consideração a situação clínica do paciente e o risco cardiovascular;

Fora do quadro agudo, não realize angiografia coronária em primeira instância para fins diagnósticos;

Avalie sistematicamente o risco de um evento cardiovascular sério, uma vez que o diagnóstico de síndrome coronariana crônica tenha sido feito.

Anti-germes

O tratamento da síndrome coronariana crônica deve ser baseado no ajuste do estilo de vida, correção dos fatores de risco cardiovascular e tratamento com doses ótimas de estatinas e medicamentos antitrombóticos;

Em ambientes não emergenciais, considere a revascularização coronária apenas se houver sintomas incapacitantes ou evidência de isquemia, apesar da terapia medicamentosa anti-anginosa ideal.

Follow-up

Organizar um acompanhamento prolongado e coordenado de pacientes com síndrome coronariana crônica, a fim de promover e adaptar o estilo de vida, com base na educação terapêutica do paciente e em um programa de reabilitação cardiovascular.

Para pacientes que trabalham, avalie a dificuldade do trabalho e as condições de trabalho e adapte-as se necessário.

Indicadores para garantir a qualidade do atendimento ao paciente

Com base no guia, o HAS definiu indicadores de qualidade para avaliar e melhorar o manejo dos pacientes nas principais fases de seu atendimento: foram definidos 16 indicadores, dos quais 9 podem ser medidos a partir de dados do seguro saúde nacional, com o objetivo de um -ano estabilidade da doença.

Esses indicadores fornecem a todos os profissionais de saúde e órgãos reguladores envolvidos na via de atendimento as ferramentas para se engajarem em uma abordagem participativa para melhorar a qualidade da via junto com os pacientes.

Além disso, esses indicadores proporcionariam uma primeira avaliação nacional e regional dessa trajetória, além dos dados do mapeamento dos planos de saúde para doenças coronarianas crônicas.

Eles serão complementados por um guia para o uso de questionários de resultados medidos pelo paciente (PROMS) identificados na literatura científica.

app_357_guide_parcours_scc

Leia também:

O que é bradicardia e como tratá-la

HIV e placa da artéria coronária: uma nova implicação cardíaca potencial

Fonte:

TEM francês

você pode gostar também