Agradeça aos socorristas: A gratidão pode salvar vidas!

Quantos pacientes agradecem aos socorristas? Alguns talvez sempre, outros nunca. Outros os atacaram. Então, onde está a gratidão?

Graças aos socorristas, quantos fazem isso? Há mais agressões do que atos de gratidão. Quase todos os dias ocorrem ataques contra socorristas, paramédicos e enfermeiros. No pronto-socorro e nas ambulâncias, muitos operadores foram ameaçados e agredidos fisicamente. O ponto é: por que? O que leva os pacientes e, às vezes, seus parentes a agredir os socorristas?

Obrigado o que?

Apesar das campanhas que foram realizadas para aumentar a conscientização sobre o número de agressões, os socorristas não são seguros. Isto foi dito por muitas personalidades do mundo do EMS. Sobre esse assunto, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha lançou a campanha “Eu não sou um alvo”.

Essa campanha foi realizada em todo o mundo, especialmente em áreas como Ásia e África, onde as tensões entre grupos armados e guerras civis criaram um clima perigoso mesmo para voluntários, médicos e enfermeiras trabalhando para salvar e ajudar os outros, sem bandeiras. Mas a violência continua sendo registrada mesmo em outros países que estão em paz.

As razões dos assaltos? Pacientes bêbados e / ou que abusaram de drogas, principalmente. Mas também parentes nervosos, espectadores bêbados que atrapalham o trabalho de voluntários e paramédicos que estão apenas tentando fazer o possível para salvar vidas.

De pesquisa americana conduzida por Faculdade de Saúde Pública da Universidade Drexel de Dornsife, Começar um paramédico é mais perigoso do que ser bombeiro em termos de assaltos. O estudo também mostrou que o problema das agressões, infelizmente, aumenta de acordo com o sexo do operador. Os machos estão mais em risco do que as mulheres.

O que fazer para resolver o problema?

Entre as diferentes soluções, há certamente o treinamento das equipes de ambulância quanto aos comportamentos a serem adotados para evitar ataques da maneira mais correta possível. Mas isso pode não ser suficiente. A aplicação da lei deve ser enviada em apoio às equipes de ambulância, especialmente durante o turno da noite (que são os mais perigosos).

Por outro lado, o melhor seria aumentar o senso cívico e o respeito dos cidadãos pelas pessoas que dedicam suas vidas a outros, sejam voluntários ou profissionais. Mesmo um simples "obrigado" muitas vezes pode salvar vidas.