Assédio sexual na profissão médica: responsabilidades legais e éticas

O Medical Journal of Australia (MJA) publicou um estudo sobre o assédio sexual de mulheres na medicina. Depois que uma cirurgiã sênior afirmou que se uma mulher reclamasse de avanços indesejados, sua carreira seria comprometida, isso se tornou um assunto de debate nacional.

O assédio sexual na medicina tornou-se uma preocupação nacional depois que um cirurgião sênior advertiu que os estagiários que reclamavam desses incidentes não eram bem apoiados e os estagiários que a ação mais segura para proteger suas carreiras era atender a solicitações indesejadas.

O cirurgião referiu-se ao caso da Dra. Caroline Tan, que foi considerada por um tribunal por ter sido assediada sexualmente por um neurocirurgião envolvido em seu treinamento cirúrgico. Enquanto o Dr. Tan processou com sucesso por
assédio sexual, ela teria enfrentado prejuízos substanciais na carreira depois de buscar seus direitos.

Embora a prevalência do assédio sexual na medicina australiana seja desconhecida, os relatórios sugerem que é um problema arraigado para estagiários e especialistas. Isso é consistente com pesquisas na Austrália, Reino Unido, Estados Unidos, Suécia e Canadá que encontraram entre um quarto e três quartos das mulheres sofreram assédio sexual durante o treinamento ou prática.

O assédio sexual é um termo abrangente que abrange uma variedade de comportamentos, desde as trocas diárias de comunicação
mensagens depreciativas (“micro-agressões”), por meio de atos diretos de agressão sexual física. Como mostraremos, algumas formas de assédio também constituem agressão sexual criminosa. O assédio sexual pode afetar adversamente a segurança e o bem-estar das mulheres, a escolha da especialidade e a progressão na carreira.

A grande maioria dos incidentes não é relatada devido a: falta de confiança de que o relatório ajudaria; medo de consequências adversas; relutância em ser visto como vítima; cumplicidade da equipe sênior; e minimização cultural do problema. Os homens também sofrem assédio, mas as mulheres são o alvo mais frequente.

Embora este tipo de assédio ocorra em várias profissões, as mulheres na medicina correm um risco particular por causa do domínio masculino de cargos seniores e do sistema de treinamento de "patrocínio", pelo qual os estagiários dependem de um pequeno grupo de colegas seniores poderosos para entrar no treinamento, avaliação, oportunidades de emprego e progressão na carreira.

Neste artigo, revisamos quatro dimensões das responsabilidades legais devidas por indivíduos e empregadores em toda a Austrália e analisamos os padrões profissionais e estruturas éticas. Existem fortes razões jurídicas, de reputação e econômicas para que escolas de medicina, hospitais, faculdades e outras organizações criem mudanças culturais para reduzir o assédio sexual.

Esses interesses são ainda apoiados por um dever ético e profissional de promover a igualdade de gênero e oportunidades iguais.

10.5694mja15.00336

FONTE

Comentários estão fechados.