Como fornecer atendimento médico de emergência correto a uma mulher grávida com trauma?

A mulher grávida com trauma é um tipo específico de paciente a tratar. Muitas mortes fetais são causadas por incidentes traumáticos. Parece pouco comum, no entanto, um trauma na gravidez afeta 7% de todas as gestações.

Em primeiro lugar, como causa de traumas, existe uma acidente de carro, enquanto em segundo lugar temos a violência por parceiro íntimo, que paramédico nunca deve excluir. Este artigo analisará as etapas que um paramédico deve tomar com uma mulher grávida com trauma suspeito ou confirmado, também em caso de ressuscitação.

Todos os dados foram coletados por estudos sobre gravidez por trauma elaborados pela Brave African Discussion in Emergency Medicine (#badEM). Links no final do artigo.

Ressuscitação em gestantes traumatizadas - Primeira pergunta: como podemos cuidar de 2 pacientes?

Supondo que uma jovem, em seu segundo trimestre de gravidez, sofra uma colisão de veículo a motor ou um acidente de carro. Ela não estava usando cinto de segurança. Ela chega no ED entregue por um suporte básico de vida ambulância tripulação, que a imobilizou em uma maca rígida. Ela é diaforética, taquipneia e parece cinza. Ela está alerta, mas ansiosa, queixando-se de dores no peito e abdominais. Os sinais vitais iniciais são Sats 82% no ar ambiente, HR 120 BPM, BP 80/60. Vamos ver quais são as etapas individuais:

1. Avalie a condição da mãe.
Trate-a como qualquer paciente traumático crítico. A primeira coisa a ter certeza é a natureza de sua dor e avaliar seus ferimentos.
2. Ressuscite a mãe primeiro!
O conceito é: se a mãe está bem, o bebê também está. Independentemente da idade gestacional do feto, seu foco deve ser o dela. Melhorar sua oxigenação e perfusão melhorará a oxigenação e perfusão fetal

3. Uma mulher grávida traumatizada é fisiologicamente e anatomicamente difícil de intubar. Requer uma equipe bem qualificada e preparada. Administre oxigênio suplementar, se necessário, visando a doses de oxigênio de 95 a 98%.

4. Tenha em mente que a perda fetal é maior quando há um choque materno. Você deve identificar a causa do choque e do tratamento. Em particular, uma mulher grávida tem um volume sanguíneo circulante crescente, o que significa que ela perde mais volume para manifestar hipotensão do que se não estivesse grávida.

5. As mulheres grávidas foram excluídas dos estudos que estudaram a eficácia do ácido tranexâmico (TXA) em pacientes traumatizadas. Foi classificado como um medicamento de categoria B na gravidez, o que significa que nenhum estudo em animais mostrou resultados adversos com seu uso, mas não existem estudos em humanos. TXA atravessa a placenta. Apesar da falta de pesquisas publicadas, o TXA pode ser benéfico para pacientes grávidas gravemente feridas e com sangramento.

Lembre-se de realizar o deslocamento uterino manual em todas as pacientes grávidas com trauma ao longo da semana 20 de gestação.

Outro cuidado a tomar é evitando vasopressores sempre que possível porque eles estão associados a piores resultados. No caso específico, geralmente produzem vasoconstrição do leito placentário, aumentando o risco de hipóxia fetal.

6. Incline o paciente para a lateral esquerda antes de iniciar as manobras de ressuscitação. A maneira mais comum é mantê-la em decúbito dorsal e, em seguida, deslocar o útero do VCI, puxando-o da esquerda ou empurrando-o para a direita. Caso essa manobra dure por muito tempo, pode ser mais fácil empurrar o útero do lado direito, em vez de puxar para a esquerda.

7. As gestantes lesionadas nunca devem ter negada analgesia adequada.

O toxóide anti-tétano é seguro, como os opiáceos, durante a gravidez. Para entender e determinar a viabilidade fetal, deve-se realizar um ultra-som obstrutivo. A idade gestacional em que o feto é considerado viável varia entre os países: a maioria das diretrizes considera a viabilidade entre 23 e 24 semanas. Nesse caso, nenhum monitoramento fetal externo é recomendado, e o gerenciamento adicional é focado na otimização da mãe.

Nos LMICs (países de baixa e média renda), a viabilidade fetal pode ser considerada superior a 28 semanas, dependendo dos recursos disponíveis para cuidar de bebês prematuros. Nesse outro caso, recomenda-se o monitoramento cardiotocográfico para monitorar o bem-estar fetal e monitorar as contrações uterinas, desde que o monitoramento não interfira na ressuscitação e nos cuidados maternos.

Trauma na mulher grávida - Leia também

10 Etapas para realizar uma imobilização espinhal correta de um paciente com trauma

Imobilização pré-hospitalar da coluna vertebral em lesões penetrantes: sim ou não? O que dizem os estudos?

Transfusão de sangue em cenas de trauma: como funciona na Irlanda

Introdução às taxas de ambulâncias rurais, como elas impactaram o parto de mulheres grávidas na Tanzânia?

RCP em gestantes: complicações e novos estudos

Como prestar atendimento correto a uma mulher grávida com trauma? FONTE

#badEM projeto

REFERÊNCIAS

Trauma e considerações exclusivas da gravidez

Diretrizes para o manejo de uma paciente grávida com trauma

ARASCA MEDICAL

Comentários estão fechados.