Doença cardíaca, homens vs mulheres: diferenças de gênero surpreendentes

Doença cardíaca: o coração de uma mulher se parece com o de um homem, mas existem diferenças significativas. Por exemplo, o coração de uma mulher geralmente é menor, assim como algumas de suas câmaras internas

As paredes que dividem algumas dessas câmaras são mais finas.

O coração de uma mulher bombeia mais rápido que o de um homem, mas ejeta cerca de 10% menos sangue a cada aperto.

Quando uma mulher está estressada, sua pulsação aumenta e seu coração ejeta mais sangue.

Quando um homem está estressado, as artérias de seu coração se contraem, elevando sua pressão arterial.

Por que essas diferenças importam?

Eles são importantes porque o gênero desempenha um papel nos sintomas, tratamentos e resultados de algumas doenças cardíacas comuns.

CARDIOPROTECÇÃO E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR? VISITE AGORA O ESTANDE EMD112 NA EXPO DE EMERGÊNCIA PARA SABER MAIS

Doença Cardíaca: Doença Arterial Coronariana (DAC)

CAD, a principal causa de ataque cardíaco, é o mesmo processo em homens e mulheres.

As gorduras extras que circulam no sangue são depositadas nas paredes das artérias do coração, formando depósitos chamados placas.

Quando essas placas crescem lentamente, tornam-se duras e estreitam gradualmente a artéria, interferindo no fluxo sanguíneo.

Apesar desse processo, as mulheres apresentam fatores de risco para DAC que os homens não possuem.

Eles também tendem a ter sintomas diferentes de ataque cardíaco.

Quando os sintomas aparecem, o CAD pode ser mais difícil de diagnosticar usando métodos de teste convencionais.

Depois de um ataque cardíaco, as mulheres nem sempre se saem tão bem quanto os homens.

Às vezes, é porque as mulheres nem sempre recebem o melhor tratamento para sua doença.

Outras vezes, é porque eles não sabiam que estavam em risco até que fosse tarde demais.

Aqui estão seis maneiras pelas quais o CAD difere em homens e mulheres:

  1. As mulheres têm fatores de risco que os homens não têm. Certas doenças encontradas apenas em mulheres aumentam o risco de DAC. Estes incluem endometriose, doença dos ovários policísticos (SOP), diabetes gestacional e hipertensão arterial que se desenvolve durante a gravidez. Descobriu-se que a endometriose aumenta o risco de desenvolver DAC em 400% em mulheres com menos de 40 anos. As mulheres também compartilham fatores de risco tradicionais com os homens, como pressão alta, níveis elevados de açúcar no sangue, níveis elevados de colesterol, tabagismo e obesidade. Assim como os homens, as mulheres podem ser afetadas por um histórico familiar de doença cardíaca, principalmente quando um pai ou irmão foi diagnosticado com DAC antes dos 55 anos ou uma mãe ou irmã foi diagnosticada antes dos 65 anos.
  2. As mulheres geralmente são mais velhas quando têm seu primeiro ataque cardíaco. Os homens correm o risco de ataque cardíaco muito mais cedo na vida do que as mulheres. O estrogênio oferece às mulheres alguma proteção contra doenças cardíacas até depois da menopausa, quando os níveis de estrogênio caem. É por isso que a idade média para um ataque cardíaco nas mulheres é de 70 anos, mas 66 nos homens.
  3. Os sintomas de ataque cardíaco podem ser diferentes nas mulheres. A dor no peito (também descrita como peso esmagador, pressão ou aperto no peito) é o sintoma mais comum de ataque cardíaco em homens. Algumas mulheres também sentem dor no peito, mas são mais propensas a apresentar sintomas diferentes. Ao contrário da dramática dor no peito vista nos filmes, as mulheres geralmente experimentam sintomas mais sutis por três ou quatro semanas antes de um ataque cardíaco. As bandeiras vermelhas incluem:
  4. Fadiga nova ou dramática. Você não está se esforçando, mas se sente profundamente cansado, mas não consegue dormir, ou tem um peito “pesado”. Por exemplo, uma atividade simples, como arrumar a cama, faz com que você se sinta extraordinariamente cansado ou subitamente cansado após sua rotina normal de exercícios.
  5. Falta de ar ou sudorese. Fique atento quando um dos sintomas ocorre sem esforço, é acompanhado por um sintoma como dor no peito ou fadiga, piora com o tempo após o esforço ou provoca uma sensação fria e úmida que ocorre sem causa. Além disso, se a falta de ar piorar quando estiver deitado e for aliviada quando você se sentar.
  1. Dor no pescoço, costas, ombros, braços, abdome superior ou mandíbula. Fique atento quando não houver nenhum músculo ou articulação específica que doa, ou quando o desconforto piorar quando você estiver se exercitando e parar quando você parar. A dor pode ser em qualquer um dos braços, enquanto nos homens geralmente é no braço esquerdo. Além disso, preste atenção à dor que começa no peito e se espalha para as costas, dor que ocorre repentinamente e pode despertá-lo à noite ou dor no lado inferior esquerdo da mandíbula.
  2. A DAC em mulheres às vezes é difícil de diagnosticar. Um filme de raios-X (angiograma) feito durante um cateterismo cardíaco é o teste padrão-ouro para encontrar estreitamentos ou bloqueios nas grandes artérias do coração. Mas a DAC em mulheres geralmente afeta pequenas artérias que não podem ser vistas claramente em um angiograma. É por isso que qualquer mulher que recebe o sinal de “tudo limpo” após uma angiografia e continua a apresentar sintomas deve consultar um cardiologista especializado em mulheres com doenças cardíacas.
  3. Um ataque cardíaco é mais difícil para uma mulher do que para um homem. As mulheres não tendem a se sair tão bem quanto os homens após um ataque cardíaco. Eles geralmente exigem uma internação mais longa e são mais propensos a morrer antes de deixar o hospital. Isso pode ser devido ao fato de que as mulheres que sofrem um ataque cardíaco têm mais fatores de risco não tratados, como diabetes ou pressão alta. Às vezes, é porque colocam a família em primeiro lugar e não se cuidam.
  1. As mulheres nem sempre recebem os medicamentos adequados após um ataque cardíaco. Após um ataque cardíaco, as mulheres correm maior risco de desenvolver um coágulo sanguíneo que pode causar outro ataque cardíaco. Por razões desconhecidas, eles não são tão propensos a receber um medicamento para prevenir esses coágulos sanguíneos. Isso poderia explicar por que as mulheres são mais propensas do que os homens a ter um segundo ataque cardíaco dentro de 12 meses.

EQUIPAMENTO DE ECG? VISITE O ESTANDE ZOLL NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Outra doença cardíaca comum: Insuficiência Cardíaca

A insuficiência cardíaca em homens geralmente é causada por danos de um ataque cardíaco que impede que o músculo se contraia com a força necessária.

Por outro lado, as mulheres são mais propensas a desenvolver insuficiência cardíaca quando pressão alta, doença renal crônica ou outras condições impedem que o músculo cardíaco relaxe adequadamente entre os batimentos.

As mulheres com este tipo de insuficiência cardíaca geralmente vivem mais do que os homens com insuficiência cardíaca.

Mas eles precisam de hospitalizações frequentes por falta de ar, têm capacidade física limitada e são mais propensos a precisar de cuidados em casa de repouso.

Fibrilação atrial

A fibrilação atrial (afib) é uma condição que faz com que o coração bata em um ritmo irregular, muitas vezes rápido.

Estudos recentes descobriram que as mulheres com afib têm mais sintomas, pior qualidade de vida, maior probabilidade de acidente vascular cerebral e piores resultados do que os homens.

Eles também são mais propensos a serem tratados por afib com ablação por cateter, mas mais propensos a serem re-hospitalizados por afib após o procedimento do que os homens.

Apesar desses problemas, as mulheres que recebem tratamento para afib são mais propensas a sobreviver por mais tempo e são menos propensas a morrer de um problema cardíaco do que os homens com afib.

DESFIBRILADORES, DISPLAYS DE MONITORAMENTO, DISPOSITIVOS DE COMPRESSÃO DO PEITO: VISITE O ESTANDE PROGETTI NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Proteja-se

Seja você homem ou mulher, nunca é tarde demais para diminuir suas chances de sofrer um ataque cardíaco.

Aqui está o que você precisa fazer:

  • Pare de fumar ou não comece
  • Faça exercícios regulares (no mínimo, caminhe 30 minutos por dia)
  • Coma uma dieta rica em frutas, vegetais, grãos integrais e peixes e pobre em produtos de origem animal, carboidratos simples e alimentos processados
  • Manter um peso normal, pressão arterial, lipídios no sangue e níveis de açúcar no sangue.

Referências bibliográficas:

  1. Huxley VH. Sexo e o sistema cardiovascular: a intrigante história de como mulheres e homens regulam a função cardiovascular de forma diferenteAdv Physiol Educ. 2007;31(1):17–22. doi:10.1152/advan.00099.2006
  2. Cleveland Clinic Health Essentials. Mulheres: não ignore estes 3 sintomas sutis de ataque cardíaco.
  3. Maas AH, Appelman YE. Diferenças de gênero na doença cardíaca coronáriaNeth Heart J. 2010;18(12):598–602. doi:10.1007/s12471-010-0841-y
  4. Pathak LA, Shirodkar S, Ruparelia R, Rajebahadur J. Doença arterial coronariana em mulheresCoração indiano J. 2017;69(4):532–538. doi:10.1016/j.ihj.2017.05.023
  5. Clarke JL, Ladapo JL, Monane M, Lansky A, Skoufalos A, Nash DB. O diagnóstico de DAC em mulheres: abordando a necessidade não atendida – um relatório da mesa redonda nacional de especialistasGestão de Saúde Populacional. 2015;18(2):86–92. doi:10.1089/pop.2015.0006
  6. Garcia M, Mulvagh SL, Merz CN, Buring JE, Manson JE. Doença cardiovascular em mulheres: Perspectivas clínicasCirc Res. 2016;118(8):1273–1293. doi:10.1161/CIRCRESAHA.116.307547
  7. Alabas OA, Gale CP, Hall M. Diferenças sexuais em tratamentos, sobrevida relativa e excesso de mortalidade após infarto agudo do miocárdio: estudo de coorte nacional usando o registro SWEDEHEARTJornal da Associação Americana do Coração. 2017;6(12). doi:10.1161/jaha.117.007123
  8. Eisenberg E, Palo KED, Piña IL. Diferenças sexuais na insuficiência cardíacaCardiologia Clínica. 2018;41(2):211-216. doi:10.1002/clc.22917
  9. Piccini JP, Simon DN, Steinberg BA. Diferenças nos resultados clínicos e funcionais da fibrilação atrial em mulheres e homensCardiologia JAMA. 2016;1(3):282. doi:10.1001/jamacardio.2016.0529
  10. Kaiser DW, Fan J, Schmitt S, et al. Diferenças de gênero nos resultados clínicos após ablação por cateter da fibrilação atrialJACC Clin Eletrofisiol. 2016;2(6):703–710. doi:10.1016/j.jacep.2016.04.014
  11. Stewart J, Manmathan G, Wilkinson P. Prevenção primária de doenças cardiovasculares: uma revisão de orientações e literatura contemporâneasJRSM Cardiovasc Dis. 2017;6:2048004016687211. doi:10.1177/2048004016687211

Leitura Adicional:

  • McSweeney JC, Rosenfeld AG, Abel WM, et ai. Prevenir e vivenciar a doença isquêmica do coração como mulher: Estado da Ciência. Circ, 2016;133(13):1302-1331.
  • Mehta LS, Beckie TM, DeVon HA, et al. Infarto agudo do miocárdio em mulheres: uma declaração científica da American Heart Association. Circ, 2016; 133(9):916-947.
  • Mu F, Rich-Edwards J, Rimm EB, et al. Endometriose e risco de doença cardíaca coronária. Circ Cardiovasc Qual Outcomes, 2016:9(3):257-264.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Ablação de fibrilação atrial: o que é e como tratá-la

AVC cerebral: a importância de reconhecer os sinais de risco

O que os pacientes com coração e derrame precisam saber sobre o COVID-19 em 2022

Você tem palpitações no coração? Aqui está o que são e o que indicam

Fonte:

Muito Bem Saúde

você pode gostar também