Fratura de pulso: gesso ou cirurgia?

As quedas acidentais são a principal causa das fraturas do punho. O pulso é uma articulação muito complexa, composta por muitos ossos que podem fraturar

Tipos de fratura de punho?

Existem muitos tipos de fraturas do punho, sendo uma das mais comuns a fratura do rádio, outras sendo, por exemplo, as fraturas dos ossos do carpo, escafoide e semilunar.

Geralmente, na presença de uma fratura, há dor significativa que é acompanhada de impotência funcional e mobilidade reduzida dos dedos, com incapacidade de mover a mão.

Algumas fraturas, entretanto, podem ser indolores.

Se houver inchaço, deformidade e dor, estamos diante de uma fratura, mas se houver boa mobilidade e perfil regular do punho, é mais provável que seja uma contusão.

O que fazer em caso de fratura do punho?

No caso de uma fratura é necessário ir ao pronto-socorro, mas é bom imobilizar o punho, com um procedimento simples que também pode ser feito em casa com o que você tem à disposição.

Você pode, por exemplo, pegar um pedaço de papelão, como a tampa de uma caixa de sapatos, da qual os cantos devem ser removidos, estender o braço para frente e colocar o papelão sob o braço, obviamente incluindo o pulso e a mão.

Se possível, o algodão pode ser colocado também entre o braço e o papelão, de modo a evitar o contato direto do braço com o papelão.

Uma bandagem é então usada para embrulhar tudo, de modo que o papelão fique preso ao braço e o pulso fique assim imobilizado; se a gaze não estiver disponível, um pano de prato serve.

Com o punho assim imobilizado, o paciente segue para o pronto-socorro.

Raio-X e escolha de tratamento

Uma vez na sala de emergência, será feito um exame clínico por um especialista e uma radiografia; este exame confirma a presença de uma fratura e também mostra o tipo de fratura.

Em alguns casos, uma tomografia computadorizada pode ser útil para estudar melhor a fratura.

Se a fratura não é estável e não pode ser reduzida com gesso, a cirurgia é necessária.

Fraturas simples podem ser tratadas com gesso, enquanto fraturas mais complexas envolvendo a articulação devem ser tratadas cirurgicamente.

Hoje, a intervenção mais comum é a osteossíntese com placa: é aplicada uma placa com parafusos, que na maioria das vezes não precisa ser removida; é uma operação simples, que leva cerca de 30 minutos a uma hora.

Não é possível retornar a uma condição completamente normal, mas pode ser alcançada uma condição que permita o uso normal da mão e do punho.

A fratura geralmente cicatriza em 5 semanas, mas com intervenção adequada é possível recuperar as funções básicas da mão muito mais cedo.

Leia também:

Fratura de pulso: como reconhecer e tratá-la

Fraturas e lesões: o que fazer quando as costelas estão quebradas ou rachadas?

Torções e fraturas de mão e pulso: as causas mais comuns e o que fazer

Fonte:

humitas

você pode gostar também