Primeiros socorros e BLS (Suporte Básico de Vida): o que é e como fazer

A massagem cardíaca é uma técnica médica que, em conjunto com outras técnicas, possibilita o SBV, que significa Suporte Básico de Vida, um conjunto de ações que prestam primeiros socorros a pessoas que sofreram um trauma, como acidente de carro, parada cardíaca ou eletrocussão

BLS inclui vários componentes

  • avaliação da cena
  • avaliação do estado de consciência do sujeito
  • pedir ajuda por telefone;
  • abc (avaliação da permeabilidade das vias aéreas, presença de respiração e atividade cardíaca);
  • ressuscitação cardiopulmonar (RCP): consiste em massagem cardíaca e respiração boca a boca;
  • outras ações de suporte básico de vida.

Avaliando a consciência

Em situações de emergência, a primeira coisa a fazer – após avaliar que a área não apresenta mais riscos para o operador ou vítima – é avaliar o estado de consciência da pessoa:

  • coloque-se perto do corpo;
  • a pessoa deve ser sacudida pelos ombros muito suavemente (para evitar mais lesões);
  • a pessoa deve ser chamada em voz alta (lembre-se que a pessoa, se desconhecida, pode ser surda);
  • se a pessoa não reagir, então ela é definida como inconsciente: neste caso não deve ser desperdiçado tempo e deve ser feito um pedido imediato às pessoas próximas a você para ligar para o telefone de emergência médica 118 e/ou 112;

entretanto inicie o ABC, ou seja:

  • verificar se a via aérea está livre de objetos que obstruam a respiração;
  • verifique se há respiração;
  • verificar se a atividade cardíaca está presente via carótida (pescoço) ou pulso radial (pulso);
  • na ausência de respiração e atividade cardíaca, iniciar ressuscitação cardiopulmonar (RCP).

Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

O procedimento de RCP deve ser realizado com o paciente colocado em uma superfície dura (uma superfície macia ou flexível torna as compressões completamente desnecessárias).

Se disponível, use um automático/semiautomático Desfibrilador, que é capaz de avaliar a alteração cardíaca e a capacidade de fornecer o impulso elétrico para realizar a cardioversão (retorno ao ritmo sinusal normal).

Por outro lado, não use um desfibrilador manual a menos que você seja médico: isso pode piorar a situação.

Massagem cardíaca: quando fazer e como fazer

A massagem cardíaca, por pessoal não médico, deve ser realizada na ausência de atividade elétrica do coração, quando não houver ajuda disponível e na ausência de desfibrilador automático/semiautomático.

A massagem cardíaca consiste nos seguintes passos:

  • O socorrista se ajoelha ao lado do peito, com a perna na altura do ombro da vítima.
  • Ele retira, abrindo ou cortando se necessário, a roupa da vítima. A manobra requer contato com o tórax, para ter certeza da posição correta das mãos.
  • Coloque as mãos diretamente no centro do peito, acima do esterno, uma em cima da outra
  • Para evitar a fratura de costelas no caso de um paciente potencialmente com ossos frágeis (idade avançada, osteogênese imperfeita….), apenas a palma das mãos deve tocar o peito. Mais especificamente, o ponto de contato deve ser a eminência palmar, ou seja, a parte mais baixa da palma próxima ao punho, que é mais dura e no eixo do membro. Para facilitar esse contato, pode ser útil entrelaçar os dedos e levantá-los levemente.
  • Desloque seu peso para a frente, ficando de joelhos, até que seus ombros estejam diretamente acima de suas mãos.
  • Mantendo os braços retos, sem dobrar os cotovelos (veja foto no início do artigo), o socorrista movimenta-se para cima e para baixo com determinação, girando sobre a pelve. O impulso não deve vir da flexão dos braços, mas do movimento para a frente de todo o tronco, que afeta o peito da vítima graças à rigidez dos braços: manter os braços dobrados é um Erro.
  • Para ser eficaz, a pressão no tórax deve causar um movimento de cerca de 5-6 cm para cada compressão. É essencial, para o sucesso da operação, que o socorrista libere completamente o tórax após cada compressão, evitando absolutamente que a palma das mãos se descole do tórax causando um efeito rebote prejudicial.
  • A taxa correta de compressão deve ser de pelo menos 100 compressões por minuto, mas não mais de 120 compressões por minuto, ou seja, 3 compressões a cada 2 segundos.

Em caso de falta de respiração simultânea, a cada 30 compressões de massagem cardíaca, o operador – se estiver sozinho – interromperá a massagem para dar 2 insuflações com respiração artificial (boca a boca ou com máscara ou bocal), que durarão cerca de 3 segundos cada.

Ao final da segunda insuflação, retome imediatamente com massagem cardíaca. A proporção de compressões cardíacas para insuflações – no caso de um único cuidador – é, portanto, 30:2. Se houver dois cuidadores, a respiração artificial pode ser realizada ao mesmo tempo que a massagem cardíaca.

Respiração boca a boca

A cada 30 compressões de massagem cardíaca, devem ser feitas 2 insuflações com respiração artificial (proporção 30:2).

A respiração boca a boca consiste nos seguintes passos:

  • Deite a vítima em decúbito dorsal (estômago para cima).
  • A cabeça da vítima está virada para trás.
  • Verifique as vias aéreas e remova quaisquer corpos estranhos da boca.

Se NÃO houver suspeita de trauma, levante a mandíbula e dobre a cabeça para trás para evitar que a língua bloqueie as vias aéreas.

If Espinhal suspeitar de trauma, não faça movimentos precipitados, pois isso pode piorar a situação.

Feche as narinas da vítima com o polegar e o indicador. Atenção: esquecer de fechar o nariz tornará toda a operação ineficaz!

Inspire normalmente e sopre o ar pela boca (ou se não for possível, pelo nariz) da vítima, verificando se a caixa torácica está elevada.

Repita a uma taxa de 15-20 respirações por minuto (uma respiração a cada 3 a 4 segundos).

É essencial que a cabeça permaneça hiperestendida durante as insuflações, pois uma posição incorreta das vias aéreas expõe a vítima ao risco de entrada de ar no estômago, o que pode facilmente causar regurgitação. A regurgitação também é causada pelo poder de soprar: soprar com muita força envia ar para o estômago.

A respiração boca a boca envolve forçar o ar para dentro do sistema respiratório da vítima com o auxílio de uma máscara ou bocal.

Se não for provável que uma máscara ou bocal seja usado, um lenço de algodão leve pode ser usado para proteger o socorrista do contato direto com a boca da vítima, especialmente se a vítima tiver feridas com sangramento.

As novas diretrizes de 2010 alertam o socorrista para os riscos da hiperventilação: aumento excessivo da pressão intratorácica, risco de insuflação de ar no estômago, redução do retorno venoso ao coração; por esta razão, as insuflações não devem ser muito vigorosas, mas devem emitir uma quantidade de ar não superior a 500-600 cm³ (meio litro, em não mais de um segundo).

O ar inalado pelo socorrista antes de soprar deve ser o mais “puro” possível, ou seja, deve conter a maior porcentagem de oxigênio possível: por isso, entre um sopro e outro, o socorrista deve levantar a cabeça para inspirar uma distância suficiente para que ele não inale o ar emitido pela vítima, que possui menor densidade de oxigênio, ou o próprio ar (rico em dióxido de carbono).

Repita o ciclo de 30:2 por um total de 5 vezes, verificando no final os sinais de “MO.TO.RE”. (Movimentos de qualquer tipo, Respiração e Respiração), repetindo o procedimento sem nunca parar, exceto por exaustão física (neste caso, se possível peça uma troca) ou pela chegada de ajuda.

Se, no entanto, os sinais de MO.TO.RE. voltar (a vítima move um braço, tosse, move os olhos, fala, etc.), é necessário voltar ao ponto B: se houver respiração, a vítima pode ser colocada na PLS (Posição Lateral de Segurança), caso contrário devem ser realizadas apenas ventilações (10-12 por minuto), verificando os sinais de MO.TO.RE. a cada minuto até que a respiração normal seja retomada completamente (o que é cerca de 10-20 atos por minuto).

A reanimação deve começar sempre com compressões, exceto em caso de trauma ou se a vítima for uma criança: nestes casos, são utilizadas 5 insuflações, e então as compressões-insuflações alternam-se normalmente.

Isso porque, no caso de trauma, assume-se que não há oxigênio suficiente nos pulmões da vítima para garantir uma circulação sanguínea eficiente; ainda mais, como medida de precaução, se a vítima for uma criança, comece pelas insuflações, pois presume-se que uma criança, gozando de boa saúde, esteja em estado de parada cardíaca, muito provavelmente por trauma ou corpo estranho que penetrou nas vias aéreas.

Quando parar a RCP

O socorrista só interromperá a RCP se:

  • As condições no local mudam e torna-se inseguro. Em caso de perigo grave, o socorrista tem o dever de se salvar.
  • do ambulância chega com um médico borda ou o carro médico enviado pelo Número de Emergência.
  • ajuda qualificada chega com mais eficácia equipamento.
  • a pessoa está exausta e não tem mais força (embora neste caso geralmente pedimos trocas, que devem ocorrer no meio das 30 compressões, para não interromper o ciclo compressão-insuflação).
  • o sujeito recupera funções vitais.

Portanto, se houver parada cardiorrespiratória, deve-se utilizar a respiração boca-a-boca.

A RÁDIO DOS SOCORRISTAS NO MUNDO? VISITE A EMS RADIO STAND NA EMERGENCY EXPO

Quando não ressuscitar?

Socorristas não médicos (aqueles que geralmente estão em 118 ambulâncias) só podem determinar a morte e, portanto, não iniciar manobras:

  • em caso de matéria cerebral externamente visível, descerebrar (em caso de trauma, por exemplo);
  • em caso de decapitação;
  • em caso de lesões totalmente incompatíveis com a vida;
  • no caso de um sujeito carbonizado;
  • no caso de um assunto em rigor mortis.

Novas alterações

As mudanças mais recentes (como pode ser visto nos manuais da AHA) estão mais relacionadas ao pedido do que ao procedimento. Em primeiro lugar, houve uma ênfase crescente na massagem cardíaca precoce, considerada mais importante do que a oxigenação precoce.

A sequência mudou, portanto, de ABC (via aérea aberta, respiração e circulação) para CAB (circulação, via aérea aberta e respiração):

  • iniciar com 30 compressões torácicas (que devem começar dentro de 10 segundos após o reconhecimento do bloqueio cardíaco);
  • proceder às manobras de abertura das vias aéreas e, em seguida, à ventilação.

Isso apenas atrasa a primeira ventilação em cerca de 20 segundos, o que não afeta negativamente o sucesso da RCP.

Além disso, a fase GAS foi eliminada (na avaliação da vítima) porque pode estar presente a respiração agonal, que é percebida pelo socorrista tanto como sensação de respiração na pele (Sento) quanto audível (Ascolto), mas que não causa ventilação pulmonar efetiva por ser espasmódica, superficial e de baixíssima frequência.

Pequenas alterações dizem respeito à frequência das compressões torácicas (de cerca de 100/min a pelo menos 100/min) e ao uso da pressão cricóide para prevenir a insuflação gástrica: a pressão cricóide deve ser evitada, pois não é eficaz e pode ser prejudicial, tornando-a mais difícil inserir dispositivos respiratórios avançados, como tubos endotraqueais, etc.

TREINO DE PRIMEIROS SOCORROS? VISITE O ESTANDE DE CONSULTORES MÉDICOS DMC DINAS NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Posição de segurança lateral

Se a respiração retornar, mas o paciente ainda estiver inconsciente e não houver suspeita de trauma, o paciente deve ser colocado em posição lateral de segurança.

Isso envolve dobrar um joelho e trazer o pé da mesma perna sob o joelho da perna oposta.

O braço oposto à perna dobrada deve ser deslizado pelo chão até ficar perpendicular ao tronco. O outro braço deve ser colocado no peito de modo que a mão fique na lateral do pescoço.

Em seguida, o socorrista deve ficar do lado que não está com o braço estendido para fora, colocar o braço entre o arco formado pelas pernas do paciente e usar o outro braço para segurar a cabeça.

Usando os joelhos, role suavemente o paciente para o lado do braço externo, acompanhando o movimento da cabeça.

A cabeça é então hiperestendida e mantida nesta posição colocando a mão do braço que não está tocando o chão sob a bochecha.

O objetivo dessa posição é manter as vias aéreas desobstruídas e evitar que jatos súbitos de vômito obstruam as vias aéreas e entrem nos pulmões, prejudicando sua integridade.

Na posição de segurança lateral, qualquer fluido emitido é expelido do corpo.

COLARES CERVICAIS, KEDS E AUXÍLIOS DE IMOBILIZAÇÃO DO PACIENTE? VISITE O ESTANDE DA SPENCER NA EXPO DE EMERGÊNCIA

Primeiros socorros e BLS em crianças e bebês

O método para SBV em crianças de 12 meses a 8 anos é semelhante ao utilizado para adultos.

No entanto, existem diferenças, que levam em conta a menor capacidade pulmonar das crianças e sua maior taxa de respiração.

Além disso, deve-se lembrar que as compressões devem ser menos profundas do que em adultos.

Começamos com 5 insuflações, antes de procedermos à massagem cardíaca, que tem uma relação de compressões para insuflações de 15:2. Dependendo da corpulência da criança, as compressões podem ser realizadas com ambos os membros (em adultos), apenas um membro (em crianças), ou mesmo apenas dois dedos (dedos indicador e médio ao nível do apêndice xifóide em lactentes).

Por fim, deve-se lembrar que, como a frequência cardíaca normal em crianças é maior do que em adultos, se uma criança tiver atividade circulatória com frequência cardíaca inferior a 60 batimentos/min, deve-se agir como no caso de parada cardíaca.

Leia também:

Emergency Live Even More ... Live: Baixe o novo aplicativo gratuito do seu jornal para iOS e Android

Qual é a diferença entre RCP e SBV?

Ventilação pulmonar: o que é um respirador pulmonar ou mecânico e como funciona

Conselho Europeu de Ressuscitação (ERC), Diretrizes 2021: BLS - Suporte Básico de Vida

O que deve estar em um kit de primeiros socorros pediátricos

A posição de recuperação em primeiros socorros realmente funciona?

Aplicar ou remover um colar cervical é perigoso?

Imobilização da coluna vertebral, colares cervicais e desencarceramento de carros: mais mal do que bem. Hora de mudar

Colares Cervicais: Dispositivo de 1 peça ou 2 peças?

Desafio de Resgate Mundial, Desafio de Libertação para Equipes. Placas da coluna vertebral que salvam vidas e colares cervicais

Diferença entre balão AMBU e emergência de bola respiratória: vantagens e desvantagens de dois dispositivos essenciais

Colar cervical em pacientes com trauma em medicina de emergência: quando usá-lo, por que é importante

Dispositivo de extração KED para extração de trauma: o que é e como usá-lo

Fonte:

Medicina on-line

você pode gostar também