OMS: doenças sexualmente transmissíveis cada vez mais prevalentes

As doenças sexualmente transmissíveis estão se espalhando mais amplamente em todo o mundo

Uma propagação global

O Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que novos casos de sífilis em pessoas entre 15 e 49 anos aumentou quase 1 milhão em 2022, atingindo 8 milhões. Houve 230,000 mil mortes relacionadas à sífilis. A maior parte dos aumentos ocorreu nas Américas e na África. É necessária uma ação global urgente.

Particularmente preocupante é o aumento da resistência aos antibióticos gonorréia, a chamada “supergonorreia”.

Em 2023, testes realizados em 87 países mostraram níveis elevados (de 5 a 40%) de resistência ao mais recente tratamento para a gonorreia, a ceftriaxona. A OMS está monitorando de perto este fenômeno. Atualizou as diretrizes de tratamento para prevenir a propagação dessas cepas multirresistentes.

Um problema de dimensão global

Doenças sexualmente transmissíveis, como sífilis, gonorreia, clamídia e tricomoníase continuam a ser um problema significativo de saúde pública global.

Eles resultam em 2.5 milhões de mortes anualmente. Apesar da prevenção, do diagnóstico e do tratamento, as mortes estimadas por hepatite viral aumentaram de 1.1 milhões em 2019 para 1.3 milhões em 2022. As novas infecções por VIH diminuíram de 1.5 milhões em 2020 para 1.3 milhões em 2022. Mas as mortes relacionadas com o VIH permanecem elevadas, com 630,000 em 2022, 13% dos quais em crianças menores de 15 anos.

Um plano de prevenção cada vez mais urgente

O estudo da OMS mostra que devemos agir rapidamente para combater infecções sexualmente transmissíveis e superbactérias resistentes a antibióticos. Precisamos de planos de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento. Estas ações são fundamentais para controlar a propagação de infeções e reduzir os riscos para a saúde pública em todo o mundo. Além disso, sensibilizar o público através da educação e investir em serviços de saúde sexual e reprodutiva. Estas ações promovem hábitos saudáveis ​​e reduzem o peso das infeções a nível mundial.

Fontes

você pode gostar também