Níveis de problemas de saúde mental entre trabalhadores de ambulâncias de emergência do Reino Unido

P. Bennett, Programa de Treinamento em Psicologia Clínica de Bristol, Universidades de Plymouth e Exeter, Reino Unido
Y Williams, galês Ambulância Trust, Reino Unido
N Page, Departamento de Psicologia, Universidade de Cardiff, Reino Unido
K Hood, Departamento de Clínica Geral, Faculdade de Medicina da Universidade de Gales, Reino Unido
M Woollard, Unidade de Pesquisa de Emergência Pré-Hospitalar, Faculdade de Medicina da Universidade de Gales

REVISTA MÉDICA DE EMERGÊNCIA - Um estudo 2003 examinou a prevalência de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), depressão e ansiedade em uma amostra do pessoal da ambulância de emergência. Do pessoal da 1029 em um serviço de ambulância enviou um questionário, a 617 foi devolvida. Entre os entrevistados, a taxa geral de TEPT foi de 22%. Os níveis de TEPT não diferiram de acordo com o grau, mas os homens tiveram uma taxa de prevalência mais alta que as mulheres (23% em comparação com 15%). Quase um em cada dez relatou prováveis ​​níveis clínicos de depressão, 22% relataram prováveis ​​níveis clínicos de ansiedade com base nos escores da Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão.

Apesar de ser identificado como um grupo ocupacional de "alto risco", faltam dados sobre a prevalência de problemas emocionais entre o pessoal da ambulância de emergência. Estudos anteriores identificaram uma prevalência de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) entre 20% e 21%, 1,2 e um terço do pessoal da ambulância para evidenciar algum grau de morbidade psiquiátrica.3 Clohessy e Ehlers, 1, por exemplo, descobriram que 22% de sua amostra de trabalhadores de ambulâncias 56 atendia aos critérios de triagem do Questionário de Saúde Geral para sintomas psiquiátricos. Trinta e dois por cento da amostra de Alexander e Klein3 de trabalhadores da ambulância da 110 na Escócia atingiram o mesmo critério. Esses dados devem ser considerados preliminares, no entanto, uma vez que são baseados em amostras comparativamente pequenas e voluntárias do 1 – 31,2, com quadros de amostragem pouco claros, 2 ou com psicopatologia inespecífica.3 Existe, portanto, a necessidade de identificar a prevalência de TEPT e outros distúrbios emocionais entre o pessoal de emergência. Este artigo relata dados de prevalência do primeiro estudo populacional em larga escala sobre a prevalência de TEPT, depressão e ansiedade nessa população.

PARTICIPANTES, MÉTODO, RESULTADOS
A amostra compreendeu todos os técnicos médicos de emergência (paramédicos) e paramédicos que trabalham para um serviço de ambulância, atendendo a uma população de cerca de três milhões de pessoas em uma combinação de ambientes rurais e urbanos. Para manter o anonimato, nenhum registro central correspondente aos nomes dos números dos questionários foi mantido. Assim, dois questionários foram enviados a todos os possíveis participantes do 1029: um questionário inicial e um lembrete enviado três semanas depois. Um total de questionários 617 foram retornados: uma taxa de resposta de 60%. A amostra final compreendeu os paramédicos 194 EMTs e 380. Quarenta e três entrevistados não apresentaram nota. Houve entrevistados do sexo masculino e feminino do 513. Treze não informaram o sexo. A proporção homem / mulher é semelhante à encontrada em todo o serviço, sugerindo que não houve viés de sexo na resposta ao questionário. A idade média dos entrevistados foi de 91 (SD = = 39.58).

O questionário incluiu dois itens sim / não, medindo a presença de memórias intrusivas relacionadas ao trabalho, no presente ou no passado. Os participantes com essas memórias por pelo menos um mês completaram a Escala de Diagnóstico Pós-Traumático (PDS), 4, que é validada com base em classificações psiquiátricas e obtém uma concordância de 82% com a entrevista psiquiátrica. Os escores indicam gravidade, enquanto o padrão de sintomas relatados contribui para o diagnóstico de TEPT. Trinta e duas mulheres e homens 261 completaram o PDS. Todos os participantes concluíram a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HADS), 5, que possui itens 14, cada um com uma escala de gravidade de quatro pontos, e fornece pontuações de corte de 11 ou mais que indicam diagnósticos "prováveis" de ansiedade e depressão clínicas.

As principais conclusões foram que cerca de dois terços da amostra relataram ter pensamentos intrusivos e preocupantes relacionados ao trabalho, agora ou no passado. Não houve diferenças no relato das atuais lembranças perturbadoras de acordo com a série (consulte a tabela 1), embora uma porcentagem mais alta de paramédicos do que os paramédicos tenha relatado tê-las no passado (χ2® = = 3.175, p <0.05). Vinte e dois por cento (95% CI 19 a 26) da amostra tiveram pontuações PDS indicativas de um diagnóstico de TEPT. Não foi encontrada diferença na prevalência de TEPT entre paramédicos e paramédicos. No entanto, os homens tiveram uma taxa de prevalência mais alta que as mulheres (χ2 = = 4.67, p <0.05). Quase 10% dos participantes relataram prováveis ​​níveis clínicos de depressão, 22% relataram prováveis ​​níveis clínicos de ansiedade com base nos escores da HADS. Não houve diferenças entre os sexos nos níveis de ansiedade ou depressão relatados.

COMO
Esses dados são comparados com os de outros estudos em estudos menores ou sem representação, o 1 – 3 sugere uma taxa de prevalência estável para TEPT em serviços de pouco mais de 20%, um nível de depressão de 10% e um nível de ansiedade de 22%. Algumas advertências devem ser dadas a esses achados. Em primeiro lugar, eles são auto-relatados e baseados em questionários. Em segundo lugar, embora a taxa de resposta de 60% seja boa para esse tipo de pesquisa, ela ainda permite a possibilidade de viés de resposta. Quais vieses podem ter afetado os níveis de prevalência relatados não são claros. É possível que pessoas que experimentaram altos níveis de TEPT evitassem o preenchimento do questionário: uma característica central da condição. Também é possível que todos os que não foram devolvidos tenham sido enviados a pessoas sem problemas e, portanto, que não tiveram valor no preenchimento do questionário. Para investigar quaisquer tendências nos dados que possam ter fornecido um indicador de quais desses vieses eram mais dominantes, foi examinado o número de casos de TEPT identificados em cada grupo consecutivo de questionários 20 que retornaram o tempo. Isso mostrou uma taxa de prevalência uniforme durante todo o período de resposta, indicando nenhum viés óbvio para relatar ou subnotificar os níveis de TEPT.

Entre as mulheres que participaram da pesquisa, as taxas de prevalência de TEPT foram inferiores às dos homens, enquanto as taxas de depressão e ansiedade não diferiram significativamente. Embora o número relativamente pequeno de mulheres na amostra signifique que esses achados devam ser considerados com alguma cautela, esses dados são de interesse, principalmente porque são contrários às tendências encontradas na população em geral.6 As razões para nossos achados não são claras. É possível que as mulheres que são particularmente resistentes se auto-selecionem no serviço de ambulância ou que as mulheres tenham melhor acesso ou uso de apoio social ou outros mecanismos de enfrentamento do que os homens. Essas hipóteses requerem exploração adicional.

Um imperativo essencial para qualquer serviço de emergência é desenvolver estratégias para a prevenção e o tratamento dos níveis significativos de problemas de saúde mental associados ao trabalho de emergência. Tais intervenções precisam levar em consideração a gravidade e a magnitude do problema. Isso pode exigir uma inovação considerável, principalmente porque a eficácia de alguns métodos preventivos foi significativamente desafiada. No caso do TEPT, por exemplo, há achados consistentes de que a análise crítica de incidentes, um tratamento preventivo amplamente utilizado, parece compor ao invés de melhorar a condição.7 Portanto, pode ser necessário identificar várias abordagens de tratamento e prevenção para cada paciente. dos distúrbios identificados. Além disso, como fatores organizacionais mais amplos também podem estar implicados na etiologia do TEPT e nos transtornos de humor nessa população, deve-se considerar como os fatores organizacionais contribuem para os níveis de estresse emocional e ser incluídos em qualquer estratégia preventiva. Quaisquer que sejam as abordagens usadas, elas precisam ser simples e práticas o suficiente para serem aplicáveis ​​a um grande número de trabalhadores.

REFERÊNCIAS
1® Clohessy S, Ehlers A. Sintomas de TEPT, respostas a memórias intrusivas e enfrentamento em trabalhadores de ambulâncias. Br J Clin Psychol1999; 38: 251 – 65.
2↵ Grevin F. Transtorno de estresse pós-traumático, mecanismos de defesa do ego e empatia entre os paramédicos urbanos. Psychol Rep1996; 79: 483 – 95. [Medline] [Web of Science]
3↵ Alexander DA, pessoal de Klein S. Ambulância e incidentes críticos. Impacto do trabalho sobre acidentes e emergências na saúde mental e no bem-estar emocional. Br J Psychiatry2001; 178: 78 – 81.
4® Foa EB, Cashman L, Jaycox L, et al. A validação de uma medida de autorrelato do transtorno de estresse pós-traumático: a Escala de Diagnóstico Pós-Traumático. Psychol Assess1997; 9: 445 – 51. [CrossRef] [Web of Science]
5 Zigmond AS, Snaith RP. Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão. Acta Psychiatr Scand1983; 67: 361 – 70. [CrossRef] [Medline] [Web of Science]
6® Keller MB, Klerman GL, Lavori PW, et al. Resultados a longo prazo de episódios de depressão maior: significado clínico e de saúde pública. JAMA1984; 252: 788 – 92. [CrossRef] [Medline] [Web of Science]
7® Wessely S, Rose S, Bisson J. Breves intervenções psicológicas (“debriefing”) para sintomas relacionados ao trauma e prevenção do transtorno de estresse pós-traumático. Biblioteca Cochrane. Edição 3. Oxford: atualização de software, 2000.

LER O ARTIGO COMPLETO http://emj.bmj.com/content/21/2/235.full

Comentários estão fechados.