Infecção por MRSA em ambulâncias? Talvez seja uma questão de desinfecção antes do processo de recarga.

Os estudos sobre o Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) continuam e o problema foi encontrado no processo de recarga de tanques de oxigênio. Então, qual é a passagem fundamental para cuidar mais?

Investigações sobre perigosos e mortais MRSA, ou Staphylococcus aureus resistente à meticilina, continue. O foco está nos veículos médicos de emergência que fornecem transporte de pacientes nos EUA. Cody Vaughn Gibson, do Departamento de Ciências Naturais, Calhoun Community College, no Alabama, publicou um estudo no EMJ (Emergency Medicine Journal) em que ele pergunta se o equipamento nas ambulâncias americanas ajuda na transmissão do MRSA.

Essa 'superbug' foi detectado em O2 tanques transportados por três ambulâncias serviços médicos de emergência (SGA) estação no Alabama. Os pesquisadores afirmam que as infecções são muito difíceis de tratar, porque essas bactérias são resistentes ao comum antibióticos.

Poderia a presença de MRSA em tanques de oxigênio devido à falta de protocolos universais de desinfecção para O2 equipamento?

Gibson garante que o foco do estudo está em O2 cilindros porque requerem troca durante o processo de recarga, o que poderia resultar na propagação do MRSA em uma grande área geográfica. Um protocolo universal seria benéfico, pois delinearia uma método baseado em evidências para desinfecção o que também evitaria comprometer a integridade do O2 cilindro. De fato, ao fazer perguntas a muitos funcionários do SME, eles não sabiam quando os tanques de oxigênio foram desinfetados.

A chave para essa situação é o processo de recarga. É bem sabido que ambulâncias são reservatórios para MRSA, então O2 cilindros tendem a ser agrupados com outros equipamentos contaminados por MRSA. A diferença entre os cilindros O2 e outros equipamentos é que o reabastecimento pode levar a uma contaminação por MRSA, porque O2 cilindros, potencialmente contaminados por MRSA, são transportados de e para instalações de recarga e possivelmente trocados entre instalações de saúde.

Então, Gibson garante que o problema real não reside no quadro da ambulância, mas no gerenciamento dos tanques de oxigênio comprados. Os compradores devem estar cientes de que esse equipamento pode transportar MRSA; portanto, quando os tanques chegarem, devem ser limpos com um processo que inclua a remoção de toda a matéria orgânica e o uso de um desinfetante adequado. Além disso, O2 os cilindros podem ser desinfetados nas instalações de recarga, talvez usando luz UV.

Mais estudos devem ser realizados para seguir a tendência deste caso e a esperança é que os provedores de SGA, O2 empresas de reabastecimento, biólogos e outro pessoal reconhecerão este estudo e trabalharão em direção a um plano para resolver esses problemas.

FONTE