Ásia e Pacífico: Frequência de desastres naturais que cresce caro

MANILA, FILIPINAS - Um Desastre natural é definido como um evento, desencadeado por riscos da natureza e causando pelo menos mortes no 100 ou afetando as necessidades de sobrevivência de pelo menos as pessoas do 1,000.

O freqüência de intensos desastres naturais aumentou notavelmente de 1970s ao 2000s. Cerca da metade desses eventos acontece em Ásia e Área do Pacífico. Desastres hidrometeorológicos intensos e desastres climatológicos foram responsáveis ​​pela maior parte do aumento mundial de desastres naturais. Site de Ciência e Mídia de Acesso Aberto da Springer.com publicar um novo artigo sobre prevenção de desastres e ação climática. Esta publicação é uma avaliação independente no Banco Asiático de Desenvolvimento.

INTRODUÇÃO AO DESASTRE NATURAL

Os países da Ásia e do Pacífico devem adotar medidas preventivas para evitar desastres causados ​​por inundações, tempestades, secas e ondas de calor, além de medidas melhores em resposta a esses eventos.
“Embora os relatórios aprimorados às vezes sejam creditados com algumas dessas frequências crescentes, esse foco em eventos intensos reduz essa possibilidade. Além disso, enquanto observamos um aumento considerável na frequência de desastres intensos relacionados ao clima, a frequência de intensos desastres geofísicos (relacionados a terremotos e vulcões) aumentou apenas um pouco ”, afirma o pesquisador Vinod Thomas, Jose Ramon G. Albert e Cameron Hepburn.

"Ao redor do globo, a frequência desses eventos aumentou notavelmente nas últimas quatro décadas, com cerca de metade dos países atingidos nessa região, de acordo com os colaboradores da Frequência de desastres climáticos intensos nos países da Ásia-Pacífico. No entanto, os desastres naturais ainda são frequentemente tratados como atos únicos da natureza, e não como resultado de fatores também influenciados pelas atividades humanas. Sua prevenção recebe atenção política inadequada como resultado, diz o artigo publicado na revista Climatic Change ”.

Os autores do artigo - Vinod Thomas, de Avaliação Independente do Banco Asiático de Desenvolvimento, Jose Ramon G. Albert, do Instituto Filipino de Estudos do Desenvolvimento, e Cameron Hepburn, da Universidade de Oxford e da London School of Economics - identificam três riscos principais que podem causar riscos. em um desastre: a exposição de populações em crescimento aos riscos, sua maior vulnerabilidade ao lidar com elas e o aumento na frequência e intensidade dos riscos relacionados ao clima.

“Este estudo fornece uma base empírica à relação entre anomalias climáticas e a frequência de desastres e chama a atenção para a necessidade de medidas preventivas, incluindo a mitigação climática”, diz Vinod Thomas.

FREQUÊNCIA DE DESASTRES CLIMATOLÓGICOS: POR QUÊ?

As crescentes concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera podem estar ligadas a variáveis ​​climáticas, como temperatura e precipitação, subjacentes a inundações, tempestades, secas e ondas de calor, embora em graus diferentes e diferentes entre os países. Os resultados associam desastres climatológicos mais frequentes (relacionados a secas e ondas de calor) com o aumento da temperatura; e desastres hidrometeorológicos (relacionados a inundações e tempestades) com pessoas localizadas em perigo e anomalias de precipitação. Os formuladores de políticas estão cientes de que o concentração atmosférica de CO2, o gás de efeito estufa primário, recentemente superou as partes 400 por milhão e deve exceder o 450 em um quarto de século nas taxas de mudança atuais. O recente Relatório de Avaliação 5th do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas reafirma a influência humana no aquecimento do sistema climático, principalmente através do aumento da concentração atmosférica de CO2.

Respostas adequadas exigem dois conjuntos de políticas. Primeiro, reduzir a exposição da população e sua vulnerabilidade deve ter um papel central no controle da crescente ameaça desses eventos. Isso ficou particularmente evidente depois que uma tempestade associada ao super tufão Haiyan em 2013 matou milhares na cidade filipina de Tacloban.

Os governos precisam incorporar resiliência a desastres nas estratégias nacionais de crescimento e tratá-lo como investimento. O Japão investe cerca de 5% do produto interno bruto nessa área, com fortes resultados. Altos retornos também são evidentes mesmo onde os gastos são muito menores. Em Bangladesh, sistemas eficazes de alerta e centros de evacuação fizeram a diferença entre um ciclone poderoso no 1997 com vidas 185 perdido em comparação com uma tempestade igualmente forte no 1970 que levou algumas vidas ao 300,000.

FILIPINAS, UM BOM EXEMPLO

Nas Filipinas, o Inundação de Manila da 2012 demonstrou os benefícios de alertas de mídia social e sistemas de alerta precoce. Da mesma forma, novos mapas de perigos e um sistema aprimorado de monitoramento do nível das chuvas e da água promovido pelo Projeto NOAH (Avaliação Operacional Nacional dos Riscos) provaram seu valor.

Segundo, a mitigação do clima é urgentemente necessária. Isso incluiria aproveitar ao máximo as intervenções em que todos ganham, que prometem benefícios ambientais e econômicos simultâneos. Entre elas, destacam-se medidas para alcançar uma eficiência energética muito maior e diminuir perdas consideráveis ​​de energia.

Além disso, são necessárias políticas de ganho líquido - isto é, medidas para o crescimento verde que gerem custos, mas que, em geral, beneficiam a economia. No topo da lista estariam os investimentos em tecnologias de baixo carbono e energia renovável, além de proteção florestal, como a adoção de seqüestro de carbono para capturar e armazenar emissões da indústria.

"As evidências empíricas deste artigo, sobre uma associação entre a crescente frequência de intensos desastres naturais na Ásia e nos países do Pacífico e as mudanças climáticas, enfatizam a urgência de reduzir os gases de efeito estufa produzidos pelo homem na atmosfera", diz Thomas.