RCP: Os medos mais frequentes dos socorristas leigos

Sobrevivendo paragem cardíaca depende cedo ressuscitação cardiopulmonar (RCP). Apenas um terço das vítimas de parada cardíaca recebem RCP imediatamente, apesar de Suporte de vida básico Cursos (BLS). Nosso estudo teve como objetivo investigar quantas socorristas leigos, capaz de realizar RCP, o faria e analisar suas impedindo medos.

Após cada Curso BLS para socorristas leigos (RCP da American Heart Association (AHA) para familiares e amigos), foi distribuído um questionário anônimo, perguntando aos participantes se eles realizariam RCP em um adulto ou em uma criança em um caso real de parada cardíaca. No caso de uma resposta negativa, questionamos o porquê.

Resultados - Um total de questionários 1000 foram analisados. O grupo amostral foi predominantemente composto por homens (77.7%), italianos (82.2%), indivíduos com idade entre 26 e 35 (41.2%) e indivíduos com diploma do ensino médio (61.8%). As porcentagens que executariam RCP em um adulto ou criança desconhecida eram diferentes (86.2% vs. 73.9% p… = = 0.005). Os medos predominantes foram em relação à infecção, sendo incapazes, implicações legais e causando danos e medo em geral. Os três primeiros diferem significativamente em casos adultos e pediátricos. Subdividir a população de acordo com sexo, idade e escolaridade não demonstrou diferenças significativas quanto à vontade de realizar RCP em adultos ou em crianças.

Conclusões - Este estudo descritivo demonstra que a porcentagem que realmente realizaria a RCP é muito baixa, principalmente no caso de uma criança. Parte do curso deve ser dedicada à discussão desses argumentos para garantir que todos aqueles capazes de realizar uma boa RCP o façam imediatamente.

 

Leia mais no ERC Journal

Comentários estão fechados.