Atualização das diretrizes do 2015 ALS. Existe algo novo (e bom)? O que realmente muda em nossa prática diária.

FONTE: MEDEST118 - Quem leu a postagem anterior, Medicina baseada em evidências. Além do dogma, posso entender como minha atenção está focada na aplicabilidade das diretrizes baseadas em EBM no meu contexto clínico, por isso quero sublinhar alguma controvérsia dessas diretrizes e, ao mesmo tempo, apresentar quais são as declarações mais relevantes para minha prática clínica e para da maneira que queremos desenvolver nosso sistema de emergência pré-hospitalar local.

Primeiro de tudo o que você já ouviu em quase todos os lugares da blogosfera.

Pequenas mudanças, e não tão relevantes,. Menor influência na prática clínica. Apenas um reforço às principais mensagens emitidas na versão anterior das diretrizes.

Vamos nos aprofundar nas diretrizes:

A qualidade das compressões torácicas está agora bem especificada. Empurre pelo menos 5 cm, mas não mais que 6 cm. Classifique pelo menos 100, máximo 120 por minuto. Portanto, para avaliar a qualidade das compressões (e de toda a RCP), é necessário um metrônomo e um dispositivo de feedback comercial (acústico ou visivo) para calcular a taxa e a profundidade das compressões. Sugiro a capnografia como método alternativo para monitorar a qualidade da compressão torácica.

Grande ênfase é dada à minimização da interrupção das compressões torácicas. Então, por que não introduzir as mãos apenas na RCP, pelo menos no início da ressuscitação? Existem boas evidências de bons resultados neurológicos com essa técnica (associada à ventilação não sincronizada) e essas diretrizes perderam a chance de fazer uma mudança real no caminho para um melhor atendimento centrado no paciente.

A epinefrina na dose de 1 mg a cada minuto de 3-5 ainda está presente, apesar de não haver evidências de melhora nos resultados (e algum sinal para o lado prejudicial da história). Com certeza, uma dose tão grande de droga vasoativa em um paciente com baixo estado de fluxo e baixa atividade metabólica, quando o reinício da circulação é um grande problema para o coração e o cérebro. O teste Pramedic 2 está em andamento e nos dará respostas mais definitivas.

Foto: First10AM

PEA e assistolia ainda são considerados entidades semelhantes e possuem um algoritmo comum. Isso está errado e já tratamos deste tópico (Esqueça as diretrizes da ACLS se estiver lidando com atividade elétrica sem pulso. Parte 1. Esqueça as Diretrizes de ALS ao lidar com a PEA. Parte 2.). As diretrizes 2015 reiteraram essa controvérsia… CONTINUAR