Medicamentos para hipertensão: a solução para reduzir as paradas cardíacas?

A medicação para pressão arterial pode ser uma boa solução para reduzir as doenças cardiovasculares? As paradas cardíacas e derrames são as principais causas de morte em todo o mundo. Abaixo, o maior e mais detalhado estudo já realizado para examinar este novo medicamento e sua eficácia.

Professor Kazem Rahimi do Universidade de Oxford é o investigador principal em pressão arterial medicação. Durante o Congresso ESC 2020 ontem, 31 de agosto de 2020, ele relatou que maiores quedas na pressão arterial com drogas levar a maiores reduções no risco de paradas cardíacas e cursos.

Controvérsias iniciais sobre a eficácia da medicação para pressão arterial em parada cardíaca

Tem havido controvérsia sobre se medicação para pressão arterial a redução é igualmente benéfica em pessoas com ou sem uma parada cardíaca ou acidente vascular cerebral anterior, e quando a pressão arterial está abaixo do limite para hipertensão (normalmente 140/90 mmHg). As evidências de estudos anteriores foram inconclusivas, levando a recomendações de tratamento contraditórias em todo o mundo.

Estudo de medicação para pressão arterial contra parada cardíaca: resultados

O estudo incluiu 348,854 participantes de 48 ensaios. Os pesquisadores examinaram e combinaram dados de indivíduos que participaram de um ensaio clínico randomizado e realizaram uma meta-análise. Os participantes foram divididos em dois grupos: aqueles com diagnóstico prévio de doença cardiovascular e aqueles sem. Cada grupo foi dividido em sete subgrupos com base na pressão arterial sistólica no início do estudo (menos de 120, 120-129, 130-139, 140-149, 150-159, 160-169, 170 e acima de mmHg).

Em uma média de quatro anos de acompanhamento, cada redução de 5 mmHg na pressão arterial sistólica reduziu o risco relativo de eventos cardiovasculares maiores em cerca de 10%. Os riscos de acidente vascular cerebral, doença cardíaca isquêmica, insuficiência cardíaca e morte por doença cardiovascular foram reduzidos em 13%, 7% e 14% e 5%, respectivamente.

O estudo confirmou que nem a presença de doenças cardiovasculares nem o nível de pressão arterial no início do estudo modificaram o efeito do tratamento. A professora Rahimi informou que a decisão de prescrever medicação para pressão arterial não deve ser baseado simplesmente em um diagnóstico prévio de doença cardiovascular ou de um indivíduo pressão arterial atual. Em vez disso, os medicamentos para pressão arterial devem ser vistos como um ferramenta eficaz para reduzir o risco cardiovascular como probabilidade de parada cardíaca.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.