Confirmação da OMS de que a poluição causa câncer

Poluição do ar causa câncer de pulmão. Ontem, essa conclusão, que já foi relatada em muitos estudos científicos publicados nos últimos anos, tomou uma nova direção depois de ser declarado pela Organização Mundial da Saúde (QUEM). De fato, o Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC), a agência especializada em câncer da Organização Mundial da Saúde, cuja missão é investigar quais substâncias causam esta doença e como elas podem reagir, anunciaram ontem que as questões ambientais contaminação foi classificada como nível 1, o mais alto da escala, que inclui substâncias que não deixam dúvidas nos círculos científicos quanto ao perigo que representam.

O estudo de pesquisa descrito pela Agência, cujo resumo será publicado na edição da próxima semana de The Lancet Oncology, notesthatin 2010 Mortes 223,000 no mundo todo do câncer de pulmão eram atribuíveis à poluição.

O principal causas disso "Ar sujo" são veículos, produção de energia, emissões industriais e agrícolas e sistemas de aquecimento residencial. É a primeira vez que o IARC, que produz a famosa “enciclopédia de substâncias cancerígenas”, estuda e classifica a poluição em geral. Antes, ele sempre se concentrava nas substâncias individuais que compõem esse ar sujo que respiramos, especialmente nas grandes cidades, como o gás produzido por motores a diesel ou metais.

“Embora a composição da poluição do ar e os níveis de exposição possam variar drasticamente entre os locais, as conclusões se aplicam a todas as regiões do mundo”, afirmou a IARC ontem em um comunicado à imprensa. “Pesquisas mostram que o risco de câncer aumenta com o aumento da exposição. É uma relação bastante linear ”, explica Esteve Fernàndez, epidemiologista do Instituto Catalão de Oncologia e especialista em tabaco, que ajudou a escrever algumas das monografias da Agência.

“Os riscos provavelmente não são tão altos quanto os relacionados ao tabaco. De fato, o risco de uma fumante of contrair câncer é 20 vezes maior que um não-fumante. Mas muito mais pessoas estão expostas à poluição do ar ”, acrescentou.

“Esses estudos levam muito tempo, até um ano, e cientistas de todo o mundo ajudam, verificando e editando independentemente todos os trabalhos publicados sobre cada assunto”, explicou. Nesse caso, a IARC garante que verificou os estudos 1000 publicados em revisões científicas. A pesquisa analisa elementos distintos presentes na poluição ambiental, principalmente nas partículas.

“A OMS já havia classificado diesel fuligem como cancerígeno em junho 2012. Se tivermos em mente que em nossas cidades os principais causa da poluição do ar é o tráfego rodoviário, a observação da OMS é perfeitamente consistente. De fato, alguns componentes como hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (liberados pela combustão de combustíveis fósseis e biomassa), arsênico, cádmio e níquel foram regulados, em termos de quantidades no ar, por uma diretiva européia devido ao fato de serem cancerígenos agentes ”, diz Xavier Querol, especialista em poluição e pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa da Espanha.

"Agora sabemos que a poluição atmosférica não é apenas um risco geral para a saúde, mas também causa a morte por câncer", afirma Kurt Straif, chefe da classificação de carcinógenos da IARC. “Nossa tarefa tem sido avaliar a qualidade do ar que respiramos em todo o mundo, em vez de nos concentrarmos principalmente em poluentes específicos”.

“Os efeitos da poluição na saúde são múltiplos. Os poluentes mais perigosos são partículas ultrafinas e ozônio, embora também haja outras substâncias influentes. O efeito cancerígeno é um dos maiores riscos, mas existem outros também: respiratório, problemas cardiovasculares e cerebrovasculares “, Explica Querol. A IARC sugeriu em um estudo que existem evidências suficientes para apoiar a teoria da exposição à poluição como causa do câncer de pulmão e como outro fator no risco de desenvolver câncer de bexiga. "A inalação constante dessas partículas causa danos às células que cobrem nosso sistema respiratório, resultando no acúmulo de falhas genéticas que fazem com que as células proliferem incontrolavelmente e, no final, permitem o crescimento de tumores ”.

“Na minha opinião, a OMS enviou um sinal claro aos políticos de que o problema é sério e que eles devem agir rapidamente para melhorar a qualidade do ar”, conclui Querol.