Questionando o uso de epinefrina no tratamento de parada cardíaca

"Uma avaliação adequada do papel da terapia medicamentosa com adrenalina durante a parada cardíaca agora parece necessária". Esta é a pergunta que Clifton W. Callaway, MD, PhD publicar em sua coluna editorial no Journal of American Medical Association na 2012.

[quote font = ”0 ″]

O progresso científico mais emocionante ocorre quando novas pesquisas desafiam a sabedoria convencional. Mesmo quando uma prática médica se baseia em dados científicos menos que perfeitos, é quase impossível justificar o teste de uma terapia estabelecida, a menos que novos dados atraentes levem ao questionamento do tratamento padrão.1 Um exemplo é o uso de epinefrina, que foi a pedra angular ressuscitação cardíaca e suporte avançado à vida cardíaca desde os 1960s. Nesta edição do JAMA, o relatório de Hagihara et al., Com base em um dos maiores bancos de dados observacionais de ressuscitação cardiopulmonar (RCP) já reunidos, desafia o papel da terapêutica medicamentosa com adrenalina durante a parada cardíaca.2 Esses novos dados sugerem que o uso de adrenalina pode estar associado a menor sobrevida e piores resultados neurológicos após parada cardíaca. A justificativa original para o uso da epinefrina era que este medicamento aumenta a pressão arterial aórtica e, portanto, a pressão de perfusão coronariana durante as compressões torácicas em animais.

Quando a RCP não gera pressão de perfusão coronariana maior que 15 a 20 mm Hg, o retorno da atividade mecânica cardíaca raramente ou nunca ocorre.5 A capacidade da adrenalina de aumentar a pressão de perfusão coronariana durante a RCP foi confirmada em humanos.6 Assim, a administração de epinefrina durante A RCP aumenta a probabilidade de restaurar a atividade cardíaca com pulsos, que é um passo intermediário essencial para a sobrevivência a longo prazo. Os estudos originais nos 1960s em cães definiram a dose padrão de epinefrina 1-mg que foi usada sem ajuste de peso ou comparação interespécies para pacientes adultos desde então.
Restaurar pulsos após uma parada cardíaca parece ser um passo imediato em direção à recuperação, mas não garante bons resultados para o paciente. Durante a última década, a hipotermia induzida e os planos de assistência integrados aumentaram a proporção de pacientes hospitalizados após a RCP que sobrevivem à alta hospitalar.7 Essas experiências aumentaram as expectativas de que as terapias de ressuscitação melhorem não apenas os resultados a curto prazo, como o retorno dos pulsos, mas também também resultados a longo prazo e centrados no paciente, como status funcional e qualidade de vida.8 O estudo de Hagihara et al supera muitos relatórios anteriores por ter dados completos de sobrevida e status funcional do mês 1, medidos por Categoria de Desempenho Cerebral (CPC) e Desempenho de Resultado Categoria (OPC). As escalas ordinais do CPC e OPC descrevem o funcionamento global dos pacientes. Pacientes com pontuação de 1 ou 2 no CPC ou OPC podem retornar à vida e à família, enquanto pacientes com pontuação de 3 ou superior no CPC ou OPC requerem cuidados prolongados e podem nem estar conscientes.

[/ Quote]

Comentários estão fechados.