RÚSSIA - Cinco pessoas morrem de gripe suína em São Petersburgo

RÚSSIA - O número de casos de gripe H1N1 cresceu em São Petersburgo, a segunda maior cidade da Rússia, informou nesta segunda-feira uma autoridade local de saúde. Mais de pessoas do 500 foram hospitalizadas com sintomas da gripe suína apenas na clínica de infecção de Botkin da cidade desde o início do ano, e o 123 tem gripe.

As pessoas que trabalham com aves e suínos, especialmente aquelas com exposições intensas, correm maior risco de infecção zoonótica pelo vírus da influenza endêmica nesses animais e constituem uma população de hospedeiros humanos nos quais a zoonose e a reagrupação podem co-ocorrer. A vacinação desses trabalhadores contra influenza e a vigilância de novas cepas de influenza nessa população podem, portanto, ser uma importante medida de saúde pública. A transmissão da gripe de suínos para humanos que trabalham com suínos foi documentada em um pequeno estudo de vigilância realizado em 2004 na Universidade de Iowa. Este estudo, entre outros, forma a base de uma recomendação de que pessoas cujas empregos envolver o manejo de aves e suínos seja o foco de uma maior vigilância da saúde pública. Outras profissões com risco particular de infecção são veterinários e trabalhadores de processamento de carne, embora o risco de infecção para ambos os grupos seja menor do que o dos trabalhadores agrícolas.

"O número de casos de gripe suína é maior do que antes", disse Tatiana Zasukhina. Segundo relatos preliminares, cinco pessoas morreram pelo vírus. No início de janeiro, vários surtos de gripe suína foram registrados nas cidades da Sibéria Ocidental. A gripe suína é o nome popular da gripe causada por uma cepa relativamente nova do vírus influenza A. Foi responsável pela pandemia de gripe no 2009. O vírus é oficialmente conhecido como vírus influenza A / H1N1. A gripe suína é contagiosa e se espalha da mesma maneira que a gripe sazonal.

Comentários estão fechados.