Somália - ONU preocupada com crise humanitária em Mogadíscio

COMUNICADO DE IMPRENSA por UN.ORG

2 - Um alto funcionário das Nações Unidas na Somália manifestou profunda preocupação com os relatos de destruição sem aviso prévio de assentamentos para pessoas deslocadas internamente (IDPs), bem como com infraestrutura humanitária em Mogadíscio.

"Estou profundamente triste ao saber das remoções, sem aviso prévio, de pessoas deslocadas internamente, na região de Banadir", disse Peter de Clercq, representante especial adjunto do Secretário-Geral para a Somália, em comunicado divulgado na segunda-feira.

"Algumas dessas pessoas deslocadas percorreram longas distâncias de diferentes partes do país, fugindo da seca e do conflito", continuou ele, apontando que, em 29 e 30, em dezembro, mais de assentamentos de deslocados internos da 23 foram destruídos.

De Clercq, que também é coordenador humanitário da ONU na Somália, acrescentou que os bens pessoais e os meios de subsistência também foram perdidos, pois as pessoas não tiveram tempo de recolher seus pertences antes do início da destruição.

"Famílias, incluindo crianças, mulheres e idosos agora estão vivendo ao ar livre", ressaltou.

Além de se envolver com as autoridades para garantir uma solução para as pessoas recém-deslocadas, os humanitários estão mobilizando recursos para fornecer assistência que salva vidas às pessoas afetadas.

“Estou igualmente preocupado com o fato de que, quando todos são tomados em consideração pela agenda de melhorar a vida dos somalis, as instalações humanitárias e de desenvolvimento estão sendo destruídas sem sentido, incluindo escolas, latrinas, pontos de água, centros de saneamento, abrigos e outros investimentos relacionados, generosamente apoiados por doadores, ”Disse o Sr. de Clercq.

Na Somália, mais de dois milhões de pessoas estão deslocadas devido a secas e conflitos, incluindo um milhão de recém-deslocados somente na 2017. Essas pessoas constituem um terço dos 6.2 milhões de pessoas que precisam de assistência humanitária.

“Peço a todas as partes que protejam e ajudem todos os civis que fugiram de conflitos e secas e que já sofreram tanto. Os humanitários estão prontos para cooperar e apoiar as autoridades nesse sentido ”, enfatizou o Sr. de Clercq.

As taxas de desnutrição estão aumentando e atingiram níveis de emergência em alguns locais, especialmente entre as pessoas deslocadas internamente. As pessoas deslocadas não têm acesso a comida, abrigo e serviços básicos e também enfrentam os riscos mais sérios relacionados à proteção, como ataques físicos, violência de gênero e restrições de movimento.

Comentários estão fechados.