UE deve parar mortes de migrantes no mar

GENEBRA (ACNUR) - A agência de refugiados da ONU pediu quinta-feira para ação europeia urgente para parar de aumentar as mortes de refugiados e migrantes no mar, depois que mais de pessoas do 260 morreram ou desapareceram tentando atravessar o Mar Mediterrâneo para chegar à Europa nos últimos dias do 10.

Os sobreviventes relataram incidentes perturbadores de afogamentos em massa, sufocamentos e suspeita de várias facadas, disse o ACNUR em comunicado divulgado em Genebra. O número sombrio traz a alguns 800 o número total de mortes no mar até agora este ano, em comparação com o total de mortes de 600 em todo o 2013 e de 500 no 2012.

"A morte das pessoas da 260 em menos de dez dias, nas circunstâncias mais terríveis, é evidência de que a crise do Mediterrâneo está se intensificando", disse António Guterres, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. "Os europeus precisam tomar medidas urgentes para impedir que essa catástrofe piore na segunda metade do 2014".

O tragédias marcam uma intensificação da crise nas costas da Europa, pois muitos que fogem da Eritreia, da Síria e de outros países atingidos pela violência buscam segurança na Europa, arriscando suas vidas no mar nas mãos de contrabandistas.

Mais de refugiados e migrantes do 75,000 chegaram à Itália, Grécia, Espanha e Malta por mar na primeira metade do 2014 - 25 por cento mais do que o 60,000 que fez a mesma jornada em todo o 2013 e mais de três vezes o 22,500 que chegou em todo o 2012.

Itália recebeu o maior número de chegadas (63,884), seguido pela Grécia (10,080), Espanha (1,000) e Malta (227). Outros refugiados e migrantes da 21,000 chegaram à Itália desde julho da 1. Os maiores números vieram da Eritreia, Síria e Mali. A maioria saiu do norte da África e principalmente da Líbia.

Um grande número deles - quase o 11,000 - são crianças, e alguns do 6,500, principalmente eritreus, estavam por conta própria ou separados de suas famílias.

Somente no final de semana de 19-20 em julho, as autoridades italianas e malteses, juntamente com vários navios comerciais, resgataram as pessoas 8,000.

Guterres elogiou a Itália e Malta por seus esforços, mas disse que os estados europeus precisam intensificar sua assistência. Ele pediu aos governos que fortaleçam as operações de resgate, forneçam acesso rápido aos procedimentos de asilo para aqueles que precisam de proteção e ofereçam alternativas legais às perigosas travessias marítimas.

Refugiados e migrantes resgatados informaram que entregaram suas economias para contrabandistas, a fim de viajar em botes indignos e superlotados, compactados em alguns metros de espaço sem comida, água ou coletes salva-vidas.

A viagem pode levar entre um e quatro dias, dependendo do clima, do mar e das condições do barco. Em vários incidentes, as pessoas ficaram presas por mais de duas semanas antes de serem resgatadas.

Em julho da 14, as autoridades italianas resgataram pessoas da 12 e milhas da costa da Líbia. Os sobreviventes disseram que o bote de borracha carregava pessoas da 40. Os passageiros entraram em pânico quando começaram a esvaziar de um lado e viraram. Um total de pessoas da 121 estão desaparecidas; um homem disse que perdeu a esposa grávida durante o incidente.

Em julho do 15, pessoas do 29 foram encontradas mortas por asfixia aparente no porão de um barco de pesca. A polícia italiana prendeu nesta semana cinco homens por suspeita de assassinato e atirar ao mar mais do que os migrantes 100 que tentavam atravessar a África para a Europa naquele barco. Relatórios dizem que até o número de pessoas da 131 está desaparecido e presume-se morto depois que algumas foram esfaqueadas e outras jogadas ao mar quando tentavam escapar de vapores venenosos sufocantes no convés.

Comentários estão fechados.