Novo dispositivo de alerta de epilepsia pode salvar milhares de vidas

Um novo bracelete de alta tecnologia, desenvolvido por cientistas da Holanda, detecta o 85 por cento de todas as crises epilépticas noturnas graves. Essa é uma pontuação muito melhor do que qualquer outra tecnologia atualmente disponível.

Os pesquisadores envolvidos acham que essa pulseira, chamada Nightwatch, pode reduzir o número mundial de mortes inesperadas durante a noite em pacientes com epilepsia. Eles publicaram os resultados de um estudo prospectivo na revista científica Neurologia.

A morte súbita inesperada na epilepsia é uma das principais causas de mortalidade em pacientes com epilepsia. Pessoas com deficiência intelectual e epilepsia resistente à terapia grave podem até ter um risco de morrer de epilepsia durante a vida inteira com 20. Embora existam várias técnicas para monitorar pacientes à noite, muitos ataques ainda estão sendo perdidos.

Os pesquisadores do consórcio desenvolveram uma pulseira que reconhece duas características essenciais de ataques graves: batimentos cardíacos anormalmente rápidos e movimentos rítmicos de solavancos. Nesses casos, a pulseira envia um alerta sem fio para os prestadores de cuidados ou enfermeiras.

A equipe de pesquisa testou prospectivamente a pulseira, conhecida como Nightwatch, em pacientes com epilepsia com deficiência intelectual do 28 em uma média de noites do 65 por paciente. A pulseira estava restrita a emitir um alarme no caso de uma convulsão grave. Os pacientes também foram filmados para verificar se havia algum alarme falso ou ataque que o Nightwatch poderia ter perdido. Essa comparação mostra que a pulseira detectou o 85 por cento de todos os ataques graves e o 96% dos mais graves (convulsões tônico-clônicas), que é uma pontuação particularmente alta.

Para fins de comparação, o padrão de detecção de corrente, um sensor de leito que reage a vibrações devido a solavancos rítmicos, foi testado ao mesmo tempo. Isso sinalizou apenas 21% de ataques sérios. Em média, o sensor da cama permaneceu indevidamente silencioso uma vez a cada noite 4 por paciente. O Nightwatch, por outro lado, só perdeu um ataque sério por paciente uma vez a cada noite do 25, em média. Além disso, os pacientes não sentiram muito desconforto com a pulseira e a equipe de atendimento também foi positiva quanto ao uso da pulseira.

Esses resultados mostram que a pulseira funciona bem, diz o neurologista e líder de pesquisa Prof. Dr. Johan Arends. O Nightwatch agora pode ser amplamente utilizado entre adultos, tanto em instituições quanto em casa. Arends espera que isso possa reduzir o número de casos de SUDEP em dois terços, embora isso também dependa da rapidez e adequação dos prestadores de cuidados ou prestadores de cuidados informais a responder aos alertas. Se aplicado globalmente, pode salvar milhares de vidas.