Anistia diz que a polícia usou força excessiva durante manifestações no Burundi

RELIEFWEB.INT -

Fonte: Anistia Internacional
País: Burundi

Mesmo onde as crianças estavam presentes durante as manifestações,
a polícia ainda não conseguiu conter as restrições e usou gás lacrimogêneo e munição real.

SUMÁRIO EXECUTIVO

No dia 26 de abril do 2015, ocorreram manifestações na capital do Burundi, Bujumbura, e continuaram
até meados de junho, para protestar contra a decisão do presidente Pierre Nkurunziza de concorrer a um terceiro mandato
nas eleições de julho do 2015. As tensões políticas aumentaram, já que muitos burundianos viam essa oferta como
inconstitucional e uma violação do Acordo 2000 Arusha, que havia encerrado o
guerra civil do país. Apesar dos preparativos para administrar as assembléias públicas durante o período eleitoral
período, o governo impôs uma proibição geral de manifestações.

A resposta da polícia às manifestações foi marcada por um padrão de violações graves,
incluindo o direito à vida, liberdade de associação e reunião pacífica. Eles usaram excesso
e força desproporcional, incluindo força letal, contra manifestantes, às vezes disparando desarmados
manifestantes fugindo deles. Mesmo onde as crianças estavam presentes durante as manifestações,
a polícia ainda não conseguiu conter as restrições e usou gás lacrimogêneo e munição real.

A Anistia Internacional realizou uma extensa pesquisa para este relatório em Bujumbura em maio
e junho 2015. Este relatório é baseado em entrevistas com inúmeras vítimas e testemunhas oculares
violações e abusos dos direitos humanos, parentes das vítimas, militares do Burundi, polícia
funcionários e fontes de inteligência, funcionários do governo, jornalistas e representantes de
organizações da sociedade, funcionários das Nações Unidas e diplomatas estrangeiros. Cada incidente no relatório
foi confirmado, inclusive com fontes documentais, sempre que possível.

O relatório mostra que o Burundi não cumpriu os padrões internacionais de uso da polícia
força, como as Diretrizes da Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos sobre a
Condições de Detenção, Custódia Policial e Detenção Pré-Julgamento na África, bem como o Código da ONU
de conduta para funcionários responsáveis ​​pela aplicação da lei e os princípios básicos da ONU sobre o uso da força e
Armas de fogo por funcionários responsáveis ​​pela aplicação da lei, resultando em padrões de graves violações dos direitos humanos.
As restrições de se deslocar em Bujumbura tornaram difícil estabelecer conclusivamente o
número de indivíduos mortos durante as manifestações ou que mais tarde morreram de ferimentos sofridos
durante os protestos. O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos
(OHCHR) no Burundi documentou pessoas 58, incluindo crianças, militares e policiais, mortas
entre 26 abril e 29 junho. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), oito
crianças foram mortas desde o início das manifestações e muitas outras feridas.
Fora das manifestações, a unidade policial responsável pela proteção das instituições
vários assassinatos extrajudiciais, inclusive de políticos da oposição.

Tratar manifestantes amplamente pacíficos e áreas residenciais inteiras como parte de uma insurreição
foi contraproducente e intensificou os protestos, em vez de neutralizar. Embora a maioria dos
manifestantes permaneceram pacíficos, alguns usaram a violência em resposta ao uso excessivo da força pela
polícia. Este relatório também documenta esses abusos, principalmente o arremesso de pedras e danos à propriedade, mas também o ataque físico de uma policial e o assassinato de um membro da
Imbonerakure, Conselho Nacional de Defesa da Democracia - Forças de Defesa da
Ala juvenil da Democracia (CNDD-FDD).

A natureza dessas violações pela polícia contra manifestantes - bem como declarações do governo
antes das manifestações que os caracterizavam preventivamente como uma insurreição - mostra que
seu objetivo não era dispersar manifestações, mas punir os manifestantes por sua
Vistas.

O ataque aos manifestantes também foi acompanhado de uma repressão à mídia. Desde o primeiro dia
dos protestos, as autoridades acusaram a mídia independente de apoiar "a insurreição"
impedindo as estações de rádio de transmitir fora de Bujumbura. Logo após um grupo de militares
policiais realizaram uma tentativa de golpe em maio do 13, que falhou dentro de uma hora, a polícia
atacou instalações de mídia independentes. No momento da redação, eles não conseguiram retomar
radiodifusão. Uma estação de rádio próxima ao CNDD-FDD foi seriamente danificada por pessoas não identificadas.
indivíduos.

Por meio de entrevistas com especialistas e policiais, o relatório mostra como os indivíduos
em posições de poder estão ignorando a cadeia policial de cadeia de comando para dar ordens que violam
padrões regionais e internacionais de direitos humanos, incluindo o direito à vida. Contanto que paralelo
existem estruturas de comando no Burundi, todas as tentativas de reformar e treinar as forças de segurança correm o risco de
prejudicada por indivíduos que usam a polícia para cometer violações dos direitos humanos por conta própria
agendas políticas ou pessoais.
Apesar de dezenas de mortes e centenas de pessoas feridas, as autoridades não conseguiram efetivamente
investigar o uso excessivo de força e execuções extrajudiciais pela polícia e trazer suspeitas
perpetradores da justiça. Contrariamente às conclusões da Anistia Internacional, e na ausência de
investigações, funcionários do governo afirmam que alguns dos incidentes documentados neste relatório
foram cometidos por indivíduos vestindo uniformes da polícia, mas não a própria polícia. Acordo
Segundo fontes oficiais, apenas cinco policiais estão sendo investigados em relação às manifestações.
Nenhuma vítima ou familiar entrevistado pela Anistia Internacional registrou queixas
a polícia citando o medo de represálias após intimidação pela polícia ou agentes de inteligência.
Tentativas repetidas da Comunidade da África Oriental (CAE) e de outras organizações regionais e internacionais
atores para impedir que a situação se deteriore ainda mais falharam, principalmente por causa da
determinação das autoridades de avançar com as controversas eleições. No final de junho, exilado
generais que haviam participado do golpe fracassado anunciaram sua intenção de montar um
rebelião contra o governo do presidente Pierre Nkurunziza.
A Anistia Internacional insta o governo do Burundi a tomar medidas imediatas para acabar com
uso excessivo da força, execuções extrajudiciais, prisões arbitrárias e prisões com violência; e
permitir que jornalistas nacionais e internacionais operem com liberdade e segurança. O governo deve
suspender indivíduos nomeados neste relatório de suas posições, pendentes de investigações criminais e
ações judiciais e garantir que as vítimas tenham acesso a remédios eficazes e reparações adequadas.
O governo deve instituir um mecanismo de verificação para garantir que ninguém suspeite de ter
crimes cometidos sob o direito internacional ou outras violações de direitos humanos podem ser empregados em
as forças de segurança, aguardando investigações independentes e imparciais.

Os atores regionais devem intensificar seus esforços para resolver a atual crise no Burundi. Em particular,
A Anistia Internacional insta a União Africana (UA) a enviar observadores de direitos humanos
coordenação com a Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos (CADHP) e apreender
CADHP para investigar violações dos direitos humanos até o momento e garantir que os autores de
violações de direitos são excluídas das missões de manutenção da paz.

Doadores internacionais devem manter pressão sobre o governo do Burundi para investigar
uso excessivo de força e execuções extrajudiciais e suspender os indivíduos mencionados neste
relatório pendente de investigações criminais. Eles devem recusar qualquer assistência - incluindo fornecimento de
equipamento de policiamento ou treinamento para unidades ou indivíduos militares ou policiais do Burundi implicados em
graves violações dos direitos humanos - o que poderia facilitar outras violações. Antes de reiniciar
assistência, devem garantir que as autoridades instituam um mecanismo de verificação para evitar
indivíduos responsáveis ​​por graves violações dos direitos humanos sejam empregados pela segurança
serviços.

das Notícias da ReliefWeb http://bit.ly/1Ozy8uI
via IFTTT