RDC: Pacientes 3 afetados pelo ebola fogem de um hospital - medo de surto

MBANDAKA (Congo) - Três pacientes infectados com o vírus Ebola mortal escapou de uma ala de isolamento em um hospital na cidade congolesa de Mbandaka, um grupo de ajuda disse, como médicos correram para impedir que a doença se espalhasse no movimentado porto fluvial.

Dois pacientes deixaram o hospital na segunda-feira, disse Henry Gray, chefe da Médicos Sem Fronteiras (MSF) missão na cidade, antes de ser localizado no dia seguinte.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) Um representante no Congo, Yokouide Allarangar, disse que um foi encontrado morto e outro foi enviado de volta ao hospital e morreu pouco depois.

Allarangar, falando com repórteres na capital Kinshasa, disse que os dois pacientes deixaram o hospital com a ajuda de familiares antes de irem para um "local de oração".

Fontes do Ministério da Saúde, que pediram para não serem identificadas, disseram que dois policiais foram enviados para ajudar a localizá-los.

Outro paciente saiu no sábado, mas foi encontrado vivo no mesmo dia e está sob observação, disse ele.

“Este é um hospital. Não é uma prisão. Não podemos trancar tudo - ele disse.

Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS, disse que os profissionais de saúde redobraram os esforços para encontrar contatos com os pacientes. Os profissionais de saúde elaboraram uma lista de pessoas 628 que tiveram contato com casos conhecidos que precisarão ser vacinados.

"É lamentável, mas não inesperado", disse ele. "É normal que as pessoas queiram que seus entes queridos estejam em casa durante os últimos momentos da vida."

Os casos representam um revés para os dispendiosos esforços para conter o vírus, incluindo o uso de vacinas experimentais, e mostram que os esforços para conter sua disseminação podem ser dificultados por costumes antigos ou ceticismo sobre a ameaça que representa.

O relatório foi divulgado quando outro funcionário da OMS alertou que a luta para deter o nono confirmado surto de febre hemorrágica na República Democrática do Congo atingiu um ponto crítico.

"As próximas semanas vão realmente dizer se esse surto se expandirá para áreas urbanas ou se conseguiremos mantê-lo sob controle", disse Peter Salama, chefe de resposta a emergências da OMS, na assembléia anual do órgão da ONU.

"Estamos na ponta da faca epidemiológica dessa resposta."

REUTERS - CONTINUE A LER

Comentários estão fechados.