UE e FAO lançam programas para aumentar a segurança alimentar, agricultura sustentável e resiliência

Fonte: Organização para Agricultura e Alimentação
País: Afeganistão, Bangladesh, Benin, Burkina Faso, Camboja, República Centro-Africana, Chade, Costa do Marfim, Cuba, República Democrática do Congo, Djibuti, Etiópia, Fiji, Gâmbia, Guatemala, Haiti, Quênia, Malawi, Mali, Mauritânia, Moçambique, Myanmar, Níger, Paquistão, Ruanda, Ilhas Salomão, Sri Lanka, Sudão, Suazilândia, Tajiquistão, Uganda, República Unida da Tanzânia, Vanuatu, Mundo, Zâmbia, Zimbábue

A União Européia está contribuindo com € 50 milhões e FAO € 23.5 milhões para esta iniciativa, que será liderada por países e orientada pela demanda, e será aplicada em pelo menos os países 35.

Os países parceiros e os órgãos regionais receberão apoio para desenvolver políticas mais fortes nesses setores cruciais

16 julho 2015, Adis Abeba - A União Européia e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) lançaram um novo acordo de parceria para aumentar a segurança alimentar e nutricional, a agricultura sustentável e a resiliência em pelo menos os países 35 *.

Os novos programas foram anunciados ontem em uma reunião entre o Comissário da União Européia para Cooperação e Desenvolvimento Internacional, Neven Mimica, e o Diretor Geral da FAO, José Graziano da Silva, durante a 3rd Conferência Internacional sobre Financiamento ao Desenvolvimento, na Etiópia.

A União Europeia está contribuindo com € 50 milhões e FAO € 23.5 milhões para esta iniciativa, que será liderada pelo país e direcionada pela demanda.

A Comissária Mimica disse: “Esta iniciativa será crucial para apoiar os países parceiros e as organizações regionais na reunião de meios políticos, técnicos e financeiros em direção ao objetivo comum de reduzir a insegurança alimentar e nutricional. Também contribuirá para fortalecer a parceria entre a União Européia e a FAO. ”

“Esta mais nova fase de nossa parceria com a União Europeia reforçará bastante a capacidade da FAO de se envolver com governos para ajudá-los a adquirir os dados e informações necessários para desenvolver e implementar políticas eficazes destinadas a combater as causas da fome e a criar resiliência a choques e crises, ”Disse Graziano da Silva.

A nova iniciativa consiste em dois programas vinculados de cinco anos:

A instalação de Impacto, Resiliência, Sustentabilidade e Transformação (FIRST) da Segurança Alimentar e Nutricional, que aumentará as capacidades dos governos e administrações regionais para melhorar as políticas de segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável e implementá-las melhor. Isso será feito fornecendo assistência política e apoio ao desenvolvimento de capacidade.
O programa Informações para Segurança Alimentar Nutricional e Resiliência para Tomada de Decisão (INFORMED) contribuirá para fortalecer a resiliência para suportar crises alimentares como resultado de desastres naturais e induzidos por seres humanos. Fornecer informações regulares, oportunas e baseadas em evidências aos tomadores de decisão é um dos meios para atingir esse objetivo.

Prioridades compartilhadas no combate à fome e à desnutrição

Apesar dos progressos realizados nas últimas décadas, segundo o último relatório de insegurança alimentar da ONU, cerca de 800 milhões de pessoas no mundo ainda passam fome e milhões não têm acesso a dietas saudáveis.

Além disso, nos últimos anos, um número crescente de pessoas foi afetado por crises alimentares, geralmente resultantes de conflitos, desastres naturais, também devido a mudanças climáticas ou volatilidade dos preços dos alimentos. Pessoas vulneráveis ​​estão achando cada vez mais difícil garantir que tenham comida suficiente e possam ganhar a vida diante desses choques.

Um recente Denunciar A FAO, o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) estima que a erradicação da fome mundial pelo 2030 exigirá US $ 267 bilhões adicionais estimados por ano em investimentos em áreas rurais e urbanas e em proteção social.

Diante dos desafios, os vários parceiros participantes das iniciativas FIRST e INFORMED reconhecem a necessidade de uma ação coordenada de todas as partes interessadas para abordar efetivamente as causas da fome e da desnutrição.

A contribuição da União Europeia para as iniciativas vem do programa Global Public Good and Challenge (GPGC), sob o orçamento da União Europeia dedicado à ajuda ao desenvolvimento (Instrumento de Desenvolvimento e Cooperação, ou DCI).

A União Européia - um dos maiores doadores da FAO - ingressou na Organização como Membro 1991. Na 2004, a União Europeia e a FAO tornaram-se parceiros estratégicos, aprofundando sua relação de trabalho. Este último acordo fortalece e expande essa colaboração de longa data.

  • A lista preliminar de países nos quais os programas serão implementados são:

Países 19 para INFORMADOS: Afeganistão, Bangladesh, Burkina Faso, Camboja, República Centro-Africana, Djibuti, República Democrática do Congo, Etiópia, Gâmbia, Haiti, Quênia, Mauritânia, Mianmar, Paquistão, Sri Lanka, Tajiquistão, Sudão, Suazilândia e Zimbábue.

Países 27 pela PRIMEIRA: Benin, Burkina Faso, Camboja, Chade, Costa do Marfim, Cuba, Djibuti, Fiji, Guatemala, Haiti, Quênia, Malawi, Mali, Mauritânia, Moçambique, Mianmar, Níger, Paquistão, Ruanda, Ilhas Salomão , Sri Lanka, Suazilândia, Uganda, República Unida da Tanzânia, Vanuatu, Zâmbia e Zimbábue.

Contato
Liliane Kambirigi, Diretora de Comunicação
Escritório Regional da FAO para a África (em Adis Abeba para conferência)
(+ 233) (0) 26 232 4303
liliane.kambirigi@fao.org

Peter Mayer
Relações com a mídia (Roma)
(+ 39) 06 570 53304
peter.mayer@fao.org

Alexandre Polack
Porta-voz da Comissão Europeia para a Cooperação Internacional e o Desenvolvimento e a Ajuda Humanitária
(+ 32) 460 767 000
alexandre.polack@ec.europa.eu

Sharon Zarb
Assessor de Imprensa para Cooperação Internacional e Desenvolvimento / Escritório do SEAE (Bruxelas)
(+ 32) 229 92256
sharon.zarb@ec.europa.eu

das Notícias da ReliefWeb http://bit.ly/1I5s2kJ
via IFTTT