Destaques da República Centro-Africana: a visita do papa destaca profundas cicatrizes e necessidade urgente de assistência humanitária

fonte IRIN: BANGUI, 29 novembro 2015 - A visita do papa a esta capital no domingo é, em suas próprias palavras, motivada por seu desejo de “contribuir para curar as feridas e abrir caminho para um futuro mais sereno para a República Centro-Africana e todos os seus cidadãos. ”Sua viagem ocorre quase três anos depois de um golpe rebelde que continua a reverberar violentamente em diferentes partes do país. Entre os lugares mais afetados estão Bangui e as cidades de Bambari, no sul, e Batangafo, no norte.

Em março do ano XIX, a Seleka - uma aliança predominantemente muçulmana de grupos insurgentes do norte que lançaram uma ofensiva em dezembro anterior - chegou a Bangui e organizou um golpe, levando ao estabelecimento de um governo interino. Os abusos da Seleka contra civis provocaram oposição armada na forma de 'anti-balakagrupos de autodefesa e uma onda de violência sectária em um país que é cristão por cento e dez por cento.

Mais da metade dos 2.3 milhões de habitantes do país estão em "extrema necessidade de assistência humanitária urgente", segundo o OCHA, o órgão de coordenação de ajuda da ONU. Cerca de um milhão de pessoas são deslocadas, internamente ou vivendo como refugiadas nos estados vizinhos.

Durante a maior parte deste ano, a capital desfrutou de relativa calma. Mas desde o final de setembro os confrontos deixaram pelo menos as pessoas da 90 mortas e forçaram algumas pessoas da 40,000 a fugir para lugares mais seguros. Muitos voltaram para um acampamento no aeroporto da cidade, cuja população cresceu de 7,000 para 22,000. Agora existem alguns sites 32 para pessoas deslocadas em Bangui.

CONTINUAR