Como construir escolas mais seguras e comunidades mais resilientes

Fonte: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Save the Children, GFDRR

País: República Democrática do Congo, El Salvador, Gana, Haiti, Índia, Indonésia, Quênia, República Democrática Popular do Laos, Myanmar, Nepal, Mundo

A abordagem baseada na comunidade trata a construção da escola como uma oportunidade de aprendizado da comunidade para entender melhor os riscos, comprometer-se coletivamente com a segurança e aprender e aplicar estratégias para uma construção mais segura.

Prefaciar

Todas as crianças merecem edifícios escolares seguros, acessíveis e culturalmente adequados - independentemente da classe, credo, sexo ou habilidade. Quando as crianças vivem em locais propensos a perigos, onde ventos fortes, terremotos, inundações e outros perigos as ameaçam, eles precisam de escolas e terrenos que os protejam.

No entanto, desastres recentes em todo o mundo atestam a fragilidade de muitas escolas.

Terremotos na China, Paquistão, Haiti e outros países derrubaram edifícios escolares e esmagaram estudantes. Inundações, tempestades e tsunamis inundaram escolas no Japão, Estados Unidos, Tailândia e inúmeras outras nações. As águas subidas danificaram o terreno da escola e destruíram o material educacional. Ele mantém os alunos fora da escola por semanas e meses, prejudicando o desenvolvimento. Os ventos fortes explodiram os telhados e desabaram os edifícios das escolas em Gana, Laos, Nicarágua e Filipinas - para citar alguns.

Estudantes, funcionários e comunidade precisam de escolas mais seguras. Quando as escolas serão usadas durante a crise, a segurança tem uma dimensão adicional. As comunidades precisam ser capazes de acessar e abrigar com segurança nessas instalações escolares.

As escolas podem ser construídas com mais segurança e escolas fracas podem ser fortalecidas com um esforço conjunto. Quando as comunidades identificam os perigos e os levam em consideração ao planejar onde e como construir, o terreno da escola se torna mais seguro. Quando equipes de projeto e trabalhadores da construção incorporam técnicas resistentes a riscos na construção, o prédio da escola se torna mais seguro. Essas escolas mais seguras protegem estudantes, funcionários e outros ocupantes da morte e ferimentos e se tornam pontos de refúgio para a comunidade em geral.

No entanto, alcançar a segurança nem sempre é fácil. Em muitos lugares, os códigos de construção ficam atrás das práticas recomendadas ou não tratam da construção vernacular. Aqueles que projetam e constroem escolas podem não estar familiarizados com técnicas resistentes a riscos ou carecer da supervisão necessária para garantir que essas técnicas sejam utilizadas. As comunidades escolares podem, inadvertidamente, enfraquecer as escolas através de anos de modificações informais nos prédios ou manutenção deficiente. O resultado são escolas que ameaçam as comunidades em vez de protegê-las.

Uma abordagem baseada na comunidade procura atingir os objetivos duplos de escolas mais seguras e comunidades mais resilientes. Trata a construção da escola como uma oportunidade de aprendizado da comunidade para entender melhor os riscos, comprometer-se coletivamente com a segurança e aprender e aplicar estratégias para uma construção mais segura. Uma abordagem baseada na comunidade desenvolve a capacidade da comunidade em conjunto com o assentamento das fundações e a montagem das paredes da sala de aula. Também prepara as comunidades para serem cuidadoras informadas das escolas, capazes de manter a segurança física das estruturas e a cultura de segurança entre aqueles que as utilizam.

das Notícias da ReliefWeb http://bit.ly/1CS297J
via IFTTT