A Libéria não ampliará o estado de emergência

A decisão após o progresso Libéria ganharam combater o surto. A Libéria lutará contra o vírus até que seja finalmente erradicado do país

Desde março deste ano, nossa nação foi atingida por um surto sem precedentes da mortal doença pelo vírus Ebola. Esse surto afetou e interrompeu a reconstrução do nosso sistema de saúde. Também prejudicou nossas atividades econômicas, sociais, culturais e políticas normais. Muitos de nossos concidadãos foram infectados e morreram. Muitos mais morreram de doenças tratáveis, pois os hospitais foram fechados e as camas eram insuficientes para tratar os infectados.

A nação foi abalada por esse inimigo estranho e perigoso. Em meio ao clamor e às críticas, permanecemos calmos e sem se deixar abater. Agimos de forma decisiva, fechando fronteiras, impondo toque de recolher, ordenando quarentenas, fechando escolas e restringindo reuniões públicas.

À medida que o surto progredia, representando um perigo claro e presente para o Estado, nossos vizinhos e o resto do mundo, fomos obrigados a declarar um Estado de Emergência e obtivemos a concordância do Legislativo de acordo com a Constituição. Enfrentamos a luta. Apelamos ao mundo. Apelamos aos nossos cidadãos. Nossos cidadãos ouviram e o mundo respondeu.

Hoje todos podemos nos orgulhar do progresso.

Assim, após consultar as partes interessadas relevantes, a Equipe Nacional de Saúde e os parceiros, informei a liderança do Legislativo Nacional que não procurarei uma extensão para o Estado de Emergência. Isso não ocorre porque a luta contra o Ebola acabou.

Isso ocorre porque, em nossa opinião, e naqueles com quem consultamos, o progresso que testemunhamos, associado às várias medidas e intervenções em andamento - as quais podem ser continuamente adotadas e sustentadas pelas disposições relevantes da lei de saúde pública - combinamos para reposicionar nossos esforços para sustentar a luta contra o vírus até que ele seja finalmente erradicado do nosso país.

Hoje, todos nós podemos nos orgulhar do progresso que fizemos, o que seria impossível sem a resposta resiliente à nossa chamada por todos os nossos cidadãos, especialmente nossos profissionais de saúde. Naquelas horas sombrias, eles se levantaram e reagiram. Da identificação ativa de casos ao melhor rastreamento de contatos; do gerenciamento adequado do surto através de um Sistema de Gerenciamento de Incidentes à mobilização social das comunidades; desde a mobilização global de recursos até o apoio estratégico dos parceiros, continuamos a lutar e agradecemos a todos pelas respostas que recebemos.

Não obstante esses ganhos, vários de nossos compatriotas ainda estão em ETUs, pontos quentes estão surgindo nas áreas rurais e muitos de nossos compatriotas ainda estão morrendo de Ebola. Também sabemos que a Libéria não pode ser declarada livre do Ebola até que nossos vizinhos também estejam livres do Ebola. Isso significa que não podemos baixar a guarda nem nos dar ao luxo de reduzir nossa vigilância.

É por isso que, de acordo com a lei de saúde pública, e determinado a permitir a manutenção da vigilância necessária, mobilização e conscientização da comunidade, bem como sustentar os ganhos; até que possamos iniciar a contagem progressiva dos dias 21, até que a meta nacional de zero novos casos até o Natal seja alcançada em todo o país, manteremos muitas das medidas anteriores em vigor, com ajustes adequados, consistentes com o progresso em nossa luta.

Portanto, tenho o prazer de anunciar que o toque de recolher é estendido para meia-noite, exceto aqueles próximos a pontos de acesso, mercados semanais e de fronteira estão abertos e as autoridades escolares, após a aprovação imediata do orçamento, organizarão os jovens nas comunidades para iniciar a reforma e limpeza. instalação de instalações escolares em preparação para a abertura em um momento que será decidido pelo progresso que fizermos nesta luta.

Finalmente, meus concidadãos, estou confiante de que podemos vencer esta luta contra o Ebola. Acredito que a resiliência e o comprometimento do povo permaneçam fortes e resolutos nessa luta. Acredito que nossos parceiros continuarão conosco enquanto nos movemos para reconstruir nosso sistema de atendimento médico. Eu acredito que o mundo mostrou que eles se importam.

Eu acredito no futuro do nosso país e na vontade muito forte do nosso povo.

Que Deus abençoe a todos nós e preserve nossa grande nação.

Comentários estão fechados.