As forças armadas devem estar envolvidas na prestação de assistência humanitária em zonas de conflito?

Esta questão foi o coração de um debate co-organizado pelo CICV e pelo Centro de Direito Militar e de Segurança (CMSL) da Universidade Nacional da Austrália em Canberra no início deste mês.

Usando argumentos convincentes, filosofia e humor, duas equipes opostas levantaram uma série de tópicos instigantes como parte da discussão dinâmica, moderada por Vincent Bernard, chefe do Fórum de Direito e Política do CICV em Genebra.

A equipe afirmativa - argumentando que os militares deveriam estar envolvidos na entrega da ajuda - incluía Melissa Conley Tyler, diretora executiva nacional do Instituto Australiano de Assuntos Internacionais e Dr. Ned Dobos, diretor regional adjunto da Sociedade Internacional de Ética Militar da Divisão Ásia-Pacífico. Este lado abordou questões como: os militares têm uma maior tolerância a riscos do que os grupos de ajuda civil? Poderiam os militares se tornar defensores de um maior investimento em ajuda? As forças armadas são mais eficazes na prestação de assistência humanitária em zonas de conflito?

Na equipe que explorava o outro lado da discussão estavam o Dr. Mike Kelly, ex-ministro de Material de Defesa e Coronel aposentado da Força de Defesa Australiana, e o Professor Bill Maley, do Colégio de Diplomacia da Ásia-Pacífico. Essa equipe explorou questões como: o envolvimento militar na ajuda desafia as percepções de que as organizações humanitárias são neutras? Poderia o embaçamento das linhas entre atividades militares, políticas e humanitárias pôr em risco a segurança dos trabalhadores humanitários? As forças armadas poderiam ser melhores na coordenação com grupos de ajuda?

O evento fez parte das atividades do CICV Ciclo da conferência sobre princípios orientadores da ação humanitária, uma série de eventos públicos e reuniões de especialistas que visam promover uma discussão global sobre ações humanitárias neutras, imparciais e independentes.