Conflito na Síria: reféns italianos são libertados

Dois agentes humanitários italianos que foram feitos reféns na Síria há mais de cinco meses foram libertados.
Greta Ramelli, 20, e Vanessa Marzullo, 21, foram recebidas pelo ministro das Relações Exteriores da Itália quando chegaram ao aeroporto de Roma no início da sexta-feira.
Nenhum detalhe foi fornecido sobre as circunstâncias por trás de seu lançamento.
Os dois estavam trabalhando em projetos humanitários quando foram seqüestrados em julho do ano XIX, na província de Aleppo, no norte.
As duas jovens vieram da Turquia e foram recebidas pelo ministro das Relações Exteriores Paolo Gentiloni.
Eles foram levados ao hospital para um check-up antes de se encontrarem com promotores antiterror, que abriram uma investigação sobre o seqüestro.

'Trabalho intenso'
Antes, o pai de Marzullo, Salvatore, disse: "Estou sentindo uma alegria enorme: estas são as notícias que estou esperando há muito tempo".
As duas mulheres estavam trabalhando para o grupo humanitário Horryaty quando foram sequestradas no ano passado.
Em um vídeo mostrando os reféns e divulgados há duas semanas, seus captores disseram que as mulheres estavam sendo detidas pela Frente al-Nusra, a filial da Al-Qaeda na Síria.

"Estamos em grande perigo e poderíamos ser mortos", disse uma das mulheres, falando em inglês. "O governo e seus militares são responsáveis ​​por nossas vidas."
O Ministério das Relações Exteriores da Itália disse que o lançamento foi resultado de "intenso trabalho da equipe da Itália", sem fornecer detalhes.
Gillian Hazel, da BBC em Roma, diz que existem rumores não confirmados de que um resgate no valor de $ 15m (£ 9.9m) foi pago pela libertação do par após negociações facilitadas pelo Catar.
A Itália pagou resgates para cativos italianos no passado. Tanto a Frente al-Nusra quanto seu rival, o Estado Islâmico, fizeram reféns durante o conflito na Síria.

Fonte: BBC

Comentários estão fechados.