OMS estabelece um centro de emergência em Nairobi, Quênia

A criação de um centro de emergência em Nairóbi pela organização Mundial de Saúde foi bem recebida pelo governo e parceiros do Quênia.

A iniciativa foi introduzida recentemente em Nairóbi pelo Dr. Ibrahima-Soce Fall, diretor de Emergências da OMS AFRO, quando ele conheceu o Secretário do Gabinete de Saúde do Quênia, Dr. Cleopa Mailu, funcionários do Ministério da Saúde e vários parceiros. Isso incluía o CDC, Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Banco Mundial, UNICEF, USAID e ACNUR, Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho e GIZ.

O Dr. Fall explicou a visão e a missão do centro e como ele ajudaria os países a responder a surtos e emergências a uma distância menor e em tempo real.

Os centros de emergência da OMS estarão localizados em Nairobi e Dakar Senegal, com Nairobi servindo a África Oriental e Austral. O centro de Dakar servirá a África ocidental e central. Dois escritórios de ligação foram propostos para Addis Abeba e Joanesburgo.

Ele disse que a iniciativa criará e apoiará capacidades, usará uma abordagem única e padronizada para alavancar os parceiros e facilitar a ONU e os sistemas de gerenciamento de desastres, além de aprimorar os conhecimentos políticos e técnicos. Também priorizará estratégias específicas de doenças de alto perfil, medirá planos nacionais de preparação, usará avaliações de risco oportunas e trabalhará com um modelo de negócios que será eficaz e eficiente.

As operações da iniciativa envolveriam o uso de um programa, uma força de trabalho e um orçamento. Isso significa que o pessoal está pronto para ir para a emergência de uma abordagem de um programa, onde quer que eles estejam, e o uso de fundos de emergência de contingência e logística eficaz para uma resposta rápida.

"A idéia é proteger e salvar vidas, ajudando os países e coordenando ações internacionais para prevenir, preparar, detectar e fornecer respostas rápidas e recuperar-se de surtos e emergências é fundamental", acrescentou. Mais de emergências e surtos de 100 acontecem a cada ano na região, acrescentou.

A secretária do Gabinete de Saúde, Draopa Cleopa Mailu, disse à delegação da OMS que a iniciativa do hub era uma idéia bem-vinda e seria benéfica para os países da região ao lidar com os vários surtos e situações de emergência. Ele esperava que o Hub beneficiasse o país anfitrião.

Ele disse que o foco na capacitação é fundamental, especialmente para apoiar os países a usar seus recursos no país para mitigar essas emergências. Ele também disse que esse centro só teria sucesso se o suporte e as capacidades locais fossem explorados.

"O apoio de parceiros locais durante emergências nos deu bons resultados, por isso é ótimo ter essa iniciativa", disse ele.

O Dr. Fall agradeceu ao governo pela resposta positiva e compromisso com a iniciativa e garantiu ao Dr. Mailu que a iniciativa trabalharia em estreita colaboração com o país anfitrião para apoiar necessidades e capacidades de emergência.

Ele disse que um fundo de contingência havia sido estabelecido e usado com sucesso para responder ao surto de Ebola na RDC, no qual era possível uma resposta dentro das horas 24-48 com o pessoal transportado para o local situado 1400 a km de Kinshasa.

Ele garantiu ao Dr. Mailu que a mobilização de recursos estava em andamento para apoiar a iniciativa de resposta a emergências e estava otimista de que mais fundos seriam levantados para fechar as lacunas. O fundo de contingência tem uma lacuna de financiamento de 58 por cento.

O Dr. Fall explicou ainda que a criação de centros de emergência em Nairóbi e Dakar foi necessária pelas lições aprendidas com a doença do vírus Ebola na África Ocidental. A OMS adotou novas reformas que garantiriam uma resposta eficaz e eficiente a surtos e emergências.

A nova iniciativa também inclui uma avaliação imediata de um surto ou emergência para capturar áreas de força e melhoria.

O representante da OMS no país, Rudi Eggers, disse que o centro de emergência será hospedado pelo escritório do país. No entanto, funcionaria de forma independente sob a nova estrutura de resposta a emergências.

Ele disse que a OMS fez uma mudança operacional para responder a emergências de saúde e que a iniciativa se beneficiaria da parceria das agências regionais existentes em Nairóbi.

Os parceiros expressaram grande otimismo na iniciativa e apontaram várias questões que poderiam complementar o esforço. Isso incluiu sustentabilidade, uso de instalações de laboratório e como os hubs funcionariam com os escritórios nos países, além de outras parcerias regionais.

O Dr. Gandham Ramana, do Banco Mundial, compartilhou exemplos de foco na atividade principal com um recurso humano enxuto e essencial para garantir a sustentabilidade.

O Dr. Fall disse que havia uma rede e comunicação existentes com parcerias regionais que colaborariam com a iniciativa e que o centro contaria com uma rede de laboratórios na região. Ele disse que a lista de emergência já estava recrutando e se preparando para o pessoal que estaria disponível para responder a qualquer emergência.

Sobre como o Centro Africano de Controle de Doenças, que também está lidando com emergências, se relacionaria com a iniciativa central, o Dr. Fall disse que já havia alguma colaboração através da avaliação externa conjunta (sob o Regulamento Sanitário Internacional) e outras plataformas.

Ele disse que havia muito a ser feito e que havia espaço para colaborar e sinergizar a fim de abordar emergências de saúde existentes. Até agora, o CDC africano tinha capacidades limitadas e estava buscando apoio colaborativo.

Comentários estão fechados.