Bombeiros e insônia: quando os bombeiros têm outro inimigo para combater

Não apenas o fogo, mas também a insônia é outro inimigo dos bombeiros. Por trás desse distúrbio, pode haver um trauma mental, talvez TEPT.

Começar um bombeiro requer muito trabalho e dedicação. Um trabalho fascinante realizado por profissionais qualificados  , com o objetivo de salvar pessoas e combater incêndios. Mas há outro inimigo difícil que um bombeiro tem que enfrentar todos os dias: insônia. Por trás disso, pode haver um trauma mental, talvez um ataque de PTSD. Para evitar situações de insônia, que podem trazer ainda mais angústia aos bombeiros, saber como lidar com o TEPT pode ajudar.

 

Insônia, um dos piores inimigos dos bombeiros

Dormir é essencial para o ser humano, porém, para um bombeiro que trabalha em turnos pesados, dormir é um ponto sensível. A insônia é muito comum. O ex-capitão de Lower Chichester (PA) Corpo de Bombeiros e especialista em intervenção em crise de estresse Mark W. Lamplugh fale sobre a relação entre bombeiros americanos e insônia, ou insônia, no artigo abaixo (link no final do artigo).

Ele também ajudou centenas de bombeiros, policiais, veteranos, funcionários do EMS e civis em todo o país a encontrar ajuda para dependências, alcoolismo, TEPT e apoio à saúde mental. Em seu artigo, Mark Lamplugh destaca a importância de dormir para os seres humanos, em particular para os bombeiros que sofrem diariamente importantes condições de sofrimento. Saber como lidar com o ataque de PTSD é absolutamente útil em algumas situações.

Os bombeiros costumam dormir em beliches. Muitas vezes acontece que um de seus camaradas não consegue dormir, mesmo que precise descansar. Marcos relata que, no caso de insônia, a pessoa passa a pensar em coisas negativas. “Você fecha os olhos com força e imediatamente os acontecimentos do dia começam a se repetir na sua cabeça. O que eu poderia ter feito melhor? Os erros de hoje e dos dias passados ​​enxameiam ao seu redor como espectros. É quando vem a chamada. As sirenes estão tocando, você acorda, cambaleando exausto para a próxima crise. ”

 

Quais são as principais consequências da insônia nos bombeiros?

O primeiro e mais evidente sinal é o efeito no corpo. A falta de sono tem efeitos sérios, especialmente em alguém envolvido em uma ocupação de alto risco e alta demanda, como combate a incêndios. Então, conforme a insônia se torna ainda mais presente na vida do bombeiro, ela muda a atividade do cérebro. Particularmente no córtex pré-frontal (que é responsável pelo raciocínio e pelo pensamento de alto nível).

Mark defende que os fatores psicológicos que contribuem para a falta de sono não podem ser ignorados. Além disso, devemos ter em mente que muitos bombeiros carregam uma carga emocional que pode interferir no sono. O primário é PTSD e o secundário, fadiga da compaixão, etc. Além disso, ansiedade e prontidão constante são sintomas comuns, e quem sofre de trauma pode ser incapaz de relaxar a ponto de conseguir dormir confortavelmente. Mesmo quando o fazem, o sono pode ser perturbado por um despertar repentino e pesadelos. O cérebro pode ser impedido de relaxar completamente. Mesmo entre aqueles que não sofrem de PTSD, a ansiedade e o estresse crônico são comuns entre os bombeiros e tornam difícil “relaxar” efetivamente no final do dia. Os bombeiros ficam atentos, com o próximo telefonema em sua mente - às vezes até nos dias de folga.

 

Insônia em bombeiros e TEPT

Mark continua, “cada vez mais, as pessoas em nossa sociedade moderna estão enfrentando viagens mais longas e mais horas de trabalho, resultando em sonolência. Os efeitos variam de mais acidentes de carro a mais doenças, mas os rigores do combate a incêndios exigem ainda mais do corpo e da mente humanos. Não é nenhum segredo que os bombeiros lutam contra o sono. Uma combinação de fatores conspira para privar os bombeiros do descanso necessário. ”

LEIA TAMBÉM

PTSD: Primeiros socorros encontram-se nas obras de Daniel

O TEPT sozinho não aumentou o risco de doença cardíaca em veteranos com TEPT

TEPT após lidar com a morte - trabalhadores de emergência enfrentam violência nas escolas

 

 

FONTE

 

você pode gostar também