Uganda, Okongo (Hospital Lacor): "Vá em frente com Afron, pare Covid".

O projeto Afron 'Pare o câncer e pare a Covid-19', financiado pela Igreja Valdense, trouxe a associação para o campo em um momento em que Uganda está passando por um bloqueio

Foram distribuídos kits Anti-Covid, feitos por mulheres que sobreviveram ao HIV e são ativas no Bom Samaritano, da qual a italiana Giuseppina D'Amico é supervisora ​​da cooperativa Wawoto Kacel.

Quem fala é Francis Okongo, médico da Lacor especializado em cuidados paliativos e envolvido no projeto da associação Afron dedicado a combater e prevenir a Covid19 para pacientes com câncer- Por que essa iniciativa de distribuir os 150 kits para pacientes com câncer é significativa? Quem são os beneficiários?

“Os pacientes com câncer são mais vulneráveis ​​ao Covid-19.

É por isso que, graças ao Afron, conseguimos dar respostas concretas com duas iniciativas específicas.

O primeiro 'Vou sobreviver, vamos sobreviver' é uma plataforma que nos permite acompanhar os pacientes que têm que se deslocar a Kampala para serviços que não podemos oferecer aqui em Lacor.

Uma equipe de 10 sobreviventes já treinada pela Afron oferece serviços de aconselhamento e orientação.

No segundo “Sem bloqueio para pacientes com câncer”, fomos capazes de dar apoio concreto, distribuindo 150 kits para os pacientes mais vulneráveis ​​que podem pelo menos se alimentar e se proteger da pandemia durante este período de bloqueio total.

São mulheres com mais de 12 anos e crianças que receberam posho (farinha de milho para fazer polenta ou mingau), açúcar, máscaras, desinfetante para as mãos e sabonete ”.

- Em meio à emergência da Covid-19, quais serviços a Lacor oferece na luta contra o câncer?

“Todos os dias, o Lacor Hospital garante exames gratuitos para todas as mães atendidas no hospital, mesmo no meio da emergência Covid-19.

Hoje, infelizmente, não podemos oferecer outros serviços importantes, como campanhas de conscientização nas comunidades vizinhas e em outros distritos no norte de Uganda.

Por exemplo, com Afron Oncology for Africa estivemos nas regiões do Nilo Ocidental (2019) e Lango (2020).

As restrições do atual bloqueio de seis semanas não nos permitem chegar às pessoas em suas próprias casas para fazer o trabalho de prevenção, que é crucial. ”

- Quais são os grandes desafios na prevenção e tratamento do câncer no norte de Uganda hoje? Quais são as soluções?

“O Hospital Lacor não tem máquina de Ct Scan, que é muito cara.

Estamos procurando fundos para obter um, que custa cerca de 3.5 bilhões de xelins de Uganda (cerca de 825,000 euros).

Arrecadamos muito pouco.

Falta-nos o pessoal especializado de que o serviço de oncologia precisa: radiologistas, oncologistas, por exemplo o patologista vem de Kampala.

Precisamos de um residente.

Para certos diagnósticos, somos forçados a enviar nossos pacientes para o Instituto do Câncer em Mulago-Kampala, onde muitos pacientes não podem pagar.

Muitos pacientes vêm para diagnóstico e tratamento quando já é tarde demais.

Precisamos continuar os programas de conscientização e triagem nas comunidades já realizados em cooperação com Afron.

Finalmente, as condições socioeconômicas de muitos pacientes pobres são muito precárias ”, explica o médico envolvido na missão Afron.

A grande maioria deles não consegue nem pagar pelos custos que já foram descontados e contidos.

Quem recebe tratamento, que pode durar de três meses a dois anos, muitas vezes não consegue se alimentar bem e voltar regularmente para fazer check-ups ”.

Leia também:

COVID-19 em Uganda: Aumento exponencial de casos. Hospitais estão próximos do colapso

Covid em Uganda: adeus ao 'irmão Elio', 40 anos em defesa do último pelo comboniano

Abrindo os olhos do mundo, projeto “Prevendo inclusão” do CUAMM para combater a cegueira em Uganda

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também