Mulheres que amamentam e vacina, o pediatra garante: "É eficaz e recomendado"

Amamentação e vacina: “Uma mãe vacinada protege seu bebê graças à passagem de seus anticorpos no leite após cerca de duas semanas da segunda dose administrada”

“A vacinação contra Covid-19 para mulheres que amamentam é segura, eficaz e recomendada por todas as principais sociedades científicas internacionais.

E não há evidência científica que também não tenha demonstrado sua ação protetora para o bebê.

Por isso, as puérperas podem se vacinar, continuando a amamentar sem nenhuma interrupção ”.

Para esclarecer as dúvidas sobre o tema aleitamento materno e vacinas pediatra de livre escolha de Palermo Milena Lo Giudice

O médico também é membro do comitê de ética da Federação Italiana de Pediatras (Fimp) e dos grupos de estudos de bioética da Sociedade Europeia de Pediatras Ambulatoriais (Sepa) e da Confederação Europeia de Especialistas em Pediatria (Cesp).

De acordo com a especialista, “as reservas das mães lactantes sobre os possíveis efeitos colaterais prejudiciais do anticovídeo são compreensíveis, mas não realistas:“ Confie na ciência e nos números coletados e publicados nas revistas científicas internacionais de maior autoridade - ela enfatiza - que documentaram os grandes tolerabilidade e segurança das vacinas.

Uma das pesquisas registrou que de 4,445 mulheres apenas 1.7% apresentaram distúrbios, superados apenas com paracetamol.

E, além disso, “os medos em relação à criança - continua Lo Giudice - não têm embasamento científico porque não existe um mecanismo pelo qual os componentes da vacina possam passar para o leite materno e serem potencialmente nocivos.

Pelo contrário, como evidenciado por todos os estudos e pesquisas que continuam a chegar, a mãe vacinada protege a criança graças à passagem de seus anticorpos no leite após cerca de duas semanas da segunda dose administrada.

A vacinação para eles é, portanto, atualmente a única medida possível para prevenir a infecção dos lactentes, que entre a população pediátrica - conclui o especialista - são os mais expostos ao risco de hospitalização ”.

Leia também:

Estudo de pesquisadores do CDC dos EUA: 'Não há aumento do risco de aborto espontâneo para mulheres grávidas com vacina Covid'

Amamentação em caso de positividade para COVID-19

Fonte:

Agenzia Dire

você pode gostar também