Os médicos são #NotaTarget

Uma ação de mídia social em solidariedade contra o assassinato direcionado de civis e humanitários

Em maio, 3, 2016, o Conselho de Segurança das Nações Unidas votará uma resolução destinada a impedir futuros ataques contra hospitais, pacientes e civis em zonas de guerra. Seguimos de perto a redação desta resolução e agora precisamos da sua ajuda para garantir que ela seja a mais forte possível.

A organização Médicos Sem Fronteiras / Médicos Sem Fronteiras (MSF) lançou um ato de solidariedade nas mídias sociais para defender a proteção de civis e infraestrutura civil, pacientes, equipe médica e hospitais em conflitos.

Alguns meses atrás, depois que nosso hospital em Kunduz, Afeganistão, foi atacado e destruído pelas forças armadas dos Estados Unidos, você ajudou os Médicos Sem Fronteiras a defender a proteção das instalações médicas assinando nossa petição pedindo uma investigação independente sobre o atentado. Esperamos que você se junte a nós na próxima etapa da campanha.
Especificamente, a organização Médicos Sem Fronteiras quer garantir que esta resolução:
  • Reafirmar as obrigações existentes de todos os países nos termos do Direito Internacional Humanitário (DIH);
  • Reafirmar a proteção da prestação imparcial de assistência médica, profissionais de saúde e de todos os pacientes, independentemente de sua formação (conforme o DIH)
  • Estabeleça investigações independentes eficazes para relatar ataques a instalações médicas e responsabilizar aqueles que atacam.

O que você pode fazer?

1. Inscreva-se no nosso Thunderclap e ajude-nos a aproveitar o poder da multidão para ampliar nossa mensagem ao Conselho de Segurança da ONU.

  • Empreste sua conta do Facebook, Twitter ou Tumblr para nos ajudar a enviar uma mensagem ao Conselho de Segurança da ONU antes da votação da resolução
  • Precisamos de pelo menos apoiadores do 500 para participar do Thunderclap. Se atingirmos essa meta em maio de 2, os apoiadores enviarão simultaneamente uma mensagem de que o Conselho de Segurança da ONU ouvirá em voz alta e clara.