Avaliação de imagem automatizada do primeiro AVC em um MSU

Recentemente, foi demonstrado que uma unidade móvel de AVC (MSU) facilita o tratamento de AVC agudo diretamente no local de emergência.

A experiência neurorradiológica do MSU é aprimorada por sua capacidade de detectar danos isquêmicos precoces por meio da avaliação eletrônica automática (e) de tomografias computadorizadas, usando um novo programa de software que calcula o escore eletrônico de TC precoce do Alberta Stroke Program (e-ASPECTS).

Avaliação de AVC: Pontuação de TC precoce do Programa de AVC de Alberta

A viabilidade de integrar e-ASPECTS em um ambulância foi examinado, e a integração clínica e utilidade do software em 15 casos consecutivos avaliados.

A implementação de e-ASPECTS no MSU e na gestão pré-hospitalar do AVC era viável. Os valores do e-ASPECTS corresponderam aos resultados da análise neurorradiológica convencional pela equipe do MSU. Os benefícios potenciais dos e-ASPECTS foram ilustrados em três casos.

No caso 1, a exclusão dos sinais de infarto precoce apoiou a decisão de realizar diretamente a trombólise pré-hospitalar.

No caso 2, no qual o AVC foi causado por oclusão de grandes vasos, o alto valor de e-ASPECTS apoiou a decisão de iniciar o tratamento intra-arterial e fazer a triagem do paciente para um centro completo de AVC.

No caso 3, o valor e-ASPECTS foi 10, indicando a ausência de sinais de infarto precoce, apesar da microangiopatia e macroangiopatia cerebral pré-existentes, um achado que indica a robustez do programa contra artefatos.

Avaliação de AVC em um MSU: conclusões

Este estudo sobre a integração dos e-ASPECTS no gerenciamento pré-hospitalar do AVC via MSU mostrou pela primeira vez que essa integração é viável e auxilia tanto na decisão quanto à opção de tratamento e na triagem no hospital-alvo mais adequado.

FONTE

Comentários estão fechados.